Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

"A medida do amor é amar sem medida" - Matrimónio da Andreia Martins e do Filipe

Foto 1.jpg

E que felicidade este fim de semana! Deus abençoe estas duas vidas que se uniram com o Sacramento do Matrimónio, sábado dia 24 de Junho: a nossa querida Andreia Martins e o Filipe. A celebração decorreu em Casais Robustos (aldeia do distrito de Santarém), terra da Andreia.

 

 

 

Foto 2.jpg

"Feliz do homem que tem uma mulher virtuosa, porque será dobrado o número dos seus dias. A mulher forte é a alegria do seu marido: ele passará em paz os anos da sua vida. Como o sol que brilha no alto dos céus, assim é a beleza da mulher virtuosa, como ornamento da sua casa!" (citando excertos da 1ª Leitura, Livro do Eclesiástico 26, 1-4.16-21)

 

"Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus, e todo o que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor. (...) Ninguém jamais viu a Deus. Se nos amarmos mutuamente, Deus permanece em nós e o seu amor em nós é perfeito." (citando excertos da 2ª Leitura, 1ª S. João, 4, 7-12)

 

 

 

 

 

 

Que ambos juntos, unidos pelos amor de Cristo, "permaneçam no Seu amor, guardando os Seus mandamentos e amando-se como Ele os ama" (citando o Evangelho, João 15:9-12).

20170624_231826.jpg

Aproveitando a frase que tomava o seu lugar na boda, "A medida do amor é amar sem medida" (Santo Agostinho). Pois que se amem desmedidamente e que este amor gere vida ao vosso redor. Os Leigos Missionários Combonianos estão unidos a vós em oração e como família.

 

Com Amor, Carolina Fiúza.

"Vai ao encontro do amor"

IMG-20170615-WA0000-1.jpg

E hoje, 15 de Junho, partiram para a Missão no Brasil, em Piquiá, os nossos LMC Flávio e Liliana. A nossa família LMC e alguns dos familiares de ambos estiveram presentes neste momento, partilhando e multiplicando com o casal a alegria de aceitar o convite a partir, de Salvar África com África. 

Vão o encontro do amor. Seguem os passos de Quem os convida. (...) Aceitam o convite a partir.

Que Deus vos ilumine no vosso caminho e na partilha da vida com outros povos. 

IMG-20170615-WA0001.jpg

Obrigada pela presença e pela partilha, pessoalmente ou na oração. Beijinhos (palavras dos nossos amigos já no avião)

IMG-20170615-WA0006-2.jpg

                                Com amor, Carolina Fiúza

Partilha da vida e de saberes

IMG_20170413_144317[1].jpgO que tem em comum uma senhora russa, com mais de 70 anos, com curso superior e uma senhora da Guiné-Bissau, com cerca de 50 anos, sem nenhuma escolaridade? Ambas encontram-se em Portugal, vivem num bairro periférico da grande Lisboa e desejam aprender o português.

E é na Quinta das Mós, num espaço cedido pela Câmara Municipal para uso da Paróquia de Camarate, a partir desta necessidade bem concreta de duas pessoas, que nasce o projeto de alfabetização de adultos.

Baseado no método de Paulo Freire, adaptando-o para esta realidade específica, iniciámos as aulas nas tardes. Os níveis de aprendizagem e as necessidades são bem diferentes. Porém, neste método que busca a aprendizagem a partir da realidade, e leva a pessoa a lançar um olhar crítico sobre si mesma, possibilita essa interação, e mais do que isso, a solidariedade entre as envolvidas.

IMG_20170322_152958[1].jpg

 

Aos poucos outras pessoas vão agregando-se ao grupo, e abre-se uma nova turma de manhã, pois algumas das interessadas trabalham à tarde. O movimento é constante. Há abandonos por questões de trabalho, de saúde, de casa.

As duas turmas são formadas por mulheres. Um grupo acaba, persistem três. As duas do início e uma outra rapariga, mais jovem, que estudou somente até à 2ª classe.

As aulas são mais do que letras e palavras. São conversas, partilha de dificuldades, apoios e encaminhamentos para tratar documentos, encontrar casa para arrendar, traduzir conversas, esclarecer dúvidas do quotidiano, melhorar as pronúncias... Uma precisa sair de onde está, pois vive de favor e já não dá! A outra tem um quarto para lhe arrendar; uma quer aprender costura, a outra sabe e dispõe-se a ensinar; uma recebe alimentos, partilha com a outra que está sem receber vencimento... E assim seguimos, partilhando a vida e os saberes, promovendo a aprenzidagem e a valorização da pessoa, a partilha e a solidariedade! "Salvar África com África"!

IMG_20170426_150228[1].jpg

LMC Flávio Schmidt

Animação Missionária - São Mamede Infesta

20170611_180819[234].jpgFoi no passado fim de semana, dia 11 de Junho, que decorreu a nossa animação missionária na Igreja Paroquial de S. Mamede Infesta, concelho de Matosinhos. O dia apresentou-se bem soalheiro e pelas 10h começamos o programa. Confesso que me sentia um pouco apreensiva em virtude de 70% dos paroquianos terem uma idade já avançada. Será que as palavras do Carlos e da Sandra fariam eco nestes corações? Mas o Senhor toca todos e na realidade , entre as mais duas celebrações em que estivémos presentes e o terço missionário que pudemos rezar, o saldo foi muito positivo. 

 

20170611_192927[232].jpg

 

A missa das 19h foi celebrada pelo Padre Dário, que deu um cunho diferente às habituais celebrações.

Identificar-me perante a minha comunidade paroquiana, como fazendo parte da Familia Comboniana deixou-me feliz. É a sensação de me encontrar no caminho certo, no caminho que o Senhor me indicou.

Obrigada Familia Comboniana por me terem recebido no Vosso seio com tanto carinho e amor fraternal.

 

 

20170611_190655[233].jpg

 

Maria José Martins

 

 

Dia da Família Comboniana

IMG_10062017_104154_HDR.jpg

 

Foi no passado dia 10 de Junho, dia do Anjo de Portugal, que nos reunimos com vários membros das diversas realidades da Família Comboniana -  Missionárias Seculares Combonianas, Irmãs Missionárias Combonianas e Missionários Combonianos - para, com muita alegria, celebrarmos pela primeira vez o DIA DA FAMÍLIA COMBONIANA. O evento decorreu em Óis da Ribeira (Fermentelos - Águeda) e éramos cerca de 50 missionários e missionárias. 

Após abraços de quem se reencontra e revê em espírito de família, o programa começou com a Eucaristia que decorreu numa das divisões da casa dos Combonianos de Fermentelos. Confesso, um local que a mim tanto me fez lembrar um verdadeiro cenáculo de Jesus pela simplicidade que primava em todo o espaço! 

 

IMG_10062017_130125_HDR.jpg

 

Seguiu-se o almoço de farnel partilhado e um convívio na Pateira de Óis da Ribeira, onde pudémos desfrutar do agradável dia solarengo entre conversas, partilha de vida, músicas e muita natureza. Engraçado foi assemelhar também toda a beleza da Pateira, na qual existe um vasto lago, ao Lago do Garda junto do qual São Daniel Comboni cresceu.

 

 

 

 

 

 

IMG_10062017_115020_HDR.jpgIMG_10062017_143711_HDR.jpg

 Um dia de convívio para celebrar a fertilidade do carisma comboniano nos 150 anos da fundação dos Missionários Combonianos. E "como são belos os pés que anunciam a paz", poder estar mais perto de cada pessoa que constitui esta grande Família e apaixonar-me ainda mais por ela, pela grandiosidade do coração de cada um que ali esteve naquele dia. 

 

Clica aqui e aqui para visualizares mais imagens deste dia.

 

com Amor, Carolina Fiúza

"Faz-te ao largo, vai navegar" - Envio dos LMC Liliana Ferreira e Flávio Schmidt

Envio Flávio e Liliana

 

"Faze-te ao largo, e lançai as vossas redes para pescar." (Lc 5, 4)

 

 

Foi no passado domingo, dia 4 de junho que celebrámos com alegria o envio dos nossos Leigos Missionários Combonianos Liliana Ferreira e Flávio Schmidt na paróquia de Lamas, Miranda do Corvo de onde pertence a própria Liliana. 

Unidos na fé e no amor de Cristo partem para a Missão de Piquiá, Maranhão, no Brasil, aceitando o convite do Senhor a partir, a dar e ser mil vidas para a missão. 

 

E com eles vamos. Com eles partimos em oração, em pensamento e com o querer (e crer) que Deus os iluminará na sua vocação de e para o amor e no seu caminho de entrega e partilha de vida para com o irmão.

Somos gratos a estas duas vidas que tanta vida geram em seu redor e pela vida que hão-de multiplicar em terras por Deus indicadas. 

Juntos em missão. 

[Clica para visualizar o Vídeo de envio Liliana e Flávio (do facebook). ]

 

Carolina Fiúza

Lágrimas

Lágrimas 1 (Paula Junho).jpgLágrimas 2 (Paula Junho).jpg

As lágrimas que choramos e as que ficam petrificadas no olhar seguro de Ti, seguro em Ti.

São minhas. São tuas. São nossas. É a humanidade na sua essência e à flor da pele. Pequenas partículas de um amor que suporta, em tudo crê, e em tudo vêem gestos reveladores de Deus. São metáforas de sorrisos que se olham nos olhos, fazem parte real do que somos e do que trazemos em nós de mais belo, de mais frágil, de mais verdadeiro… São essência, são expressão feliz de que, fruto de um Amor transcendente aceitamos, vivemos e somos apenas o que levamos dentro.

Lágrimas 3 (Paula Junho).jpgLágrimas 4(Paula Junho).jpg 

 

É alma a transbordar de sentimento. São momentos, são pessoas e lugares que nos fizeram casa no coração. É o corpo a preparar-se, a tomar asas para voar quando os pés não bastarem. Lágrimas, lágrimas são também o abraço ao irmão que podemos ser nós. É olhar a miséria, a guerra, as tragédias e sentindo a dor de Deus, ser as suas lágrimas. Lágrimas fazem caminho.

São pureza, uma mística vivida de um amor em comunidade. Um amor que se deixa revelar e em tudo se reveste de silêncios e espaços de liberdade. Que em tudo se ampara e dá sentido. Porta aberta para o outro. Gotas de mútua compreensão de amargura, de esperança multiplicadas por quatro. São encontros de almas, abraços ao coração. São bilhetes de ida ao coração do outro, aos seus mundos indizíveis e invisíveis. São tantas vezes o toque de Deus. É Deus que nos purifica, nos faz missionários e nos prepara para a missão.

São fruto da experiência do simples viver e da entrega diária a Deus. Fazem parte do risco e em tudo moldam os nossos passos. Em tudo fazem parte de duas vidas entregues nos braços de Deus.

São lágrimas.

Serão sempre lágrimas…

(lágrimas de Deus)

 

LMC'S​ Neuza Francisco e Paula Ascenção

"Reler e reler-me - a família e o projeto de vida"

Formador Dr Miguel Villas Freitas

Foi nos passados dias 19, 20 e 21 de Maio que decorreu a 9ª unidade Formativa LMC em Viseu, com o tema “Reler e reler-me – a família e o projeto de vida”, orientado pelo psicólogo Dr. Miguel Villas Freitas.

A formação teve início no fim da tarde de dia 19, Sexta-feira. Depois de uma calorosa receção, lá nos fomos juntando, com troca de sorrisos, beijos, abraços e novidades! Sim, são abraços à LMC, como eu lhes chamo, por serem bem apertados e genuínos de quem anseia encontrar-se para partilhar momentos únicos e muito enriquecedores!

 

Iniciámos o dia de Sábado com uma breve abordagem do formador, para que entendêssemos melhor o que é reler-me: fazer uma leitura pormenorizada dos acontecimentos passados e das minhas características; tomar consciência de que ninguém o faz por mim; é um tornar-me presente diante da “Presença” para um encontro comigo próprio! E como “cada um de nós se define pelas relações que mantém com o outro”, este encontro foi feito em grupo e assim encontrámos juntos os sinais desta “Presença”.

 

Em seguida, com a orientação do formador, cada elemento do grupo foi incentivado a fazer uma viagem ao seu passado, localizando-se num período da vida onde fora muito feliz! Depois de uma pausada análise dos motivos impulsionadores dessa felicidade, fomos solicitados a transportar esse estado de espírito de paz, sucesso, bem-estar, alegria, realização e felicidade, para o momento presente. Cada um foi ao encontro da sua pérola de sabedoria que desencadeou tanta felicidade nesse período que cada um reviveu. É necessário recuperar esta pérola, trazê-la para o hoje, cuidar dela!

 

Analisámos experiências bíblicas de um reler interior como por exemplo, o encontro de Jesus com os discípulos de Emaús e o encontro de Jesus com Nicodemos. São experiências onde se passa inevitavelmente pelas seguintes etapas: (1) Reformar; (2) Conformar; (3) Transformar; (4) Confirmar.

 

Quem passa por elas analisa as zonas do seu ser que precisam de ser convertidas, procura tomar a forma de Jesus, transforma-se e passa a viver em conformidade com esta transformação. Assim, sai de si, abandona as falsas seguranças e vai para uma lógica de entrega e serviço. Passa a procurar não só o que dá bem-estar, que satisfaz, mas sobretudo o que realiza e deixa marcas mais profundas no seu caráter!

 

Ao logo da manhã foram-nos proporcionados momentos de reflexão individual, seguidos de partilha a dois e, depois, com todo o grupo. Concluímos a manhã de reflexão com o visionamento do documentário “Celebrando o que o mundo tem de bom” da National Geographic, riquíssimo em mensagens relacionadas com a procura do que há de mais belo neste mundo.

 

Durante a tarde refletimos sobre as 24 forças de caráter, escolhendo cada um, aquelas que o impulsionam à ação com toda a naturalidade. Questionamo-nos, individualmente, sobre quais as energias que precisam de ser mais trabalhadas em nós próprios e quais as mais indispensáveis em terreno de Missão como LMC.

 

De seguida fizemos a reflexão individual, com questões muito concretas para responder e partilhar depois, sobre dois pontos: (1) A minha paixão; (2) O meu propósito.IMG_20052017_193108.jpgOração da Tarde

Na oração da tarde tivemos momentos de grande interioridade e partilha. Ele, Jesus Cristo, está ali connosco e o seu Espírito fala em cada um. Como é bom estarmos ali reunidos no cenáculo!

 

 

 

 

À noite, e para relaxar, sem perdermos o espírito de interiorização, vimos o filme: “O Mordomo”.

 

No Domingo surgiram mais momentos de oração e partilha.

Foram-nos apresentados 3 quadros à volta dos quais, deveríamos colocar nossa atenção e reflexão:

 

“Jesus mostra as suas feridas a Tomé!”

Quais as minhas feridas? Como assumi-las em vez de as esconder?

 

“Pegadas na areia!”

Reler momentos da minha vida em que Jesus me pegou ao colo. Com quem e através de quem?

 

“Diminuir o tamanho da minha cruz não é solução.”

Tenho consciência de que sempre que tento diminuir a minha cruz perco a oportunidade de crescer a nível humano e espiritual?

        

Individualmente definimos um propósito para ser levado para casa como desafio e ponto de esforço, tendo em vista que só comprometendo-nos com a mudança poderemos ser felizes!

 

Em conclusão: Só me encontrando comigo, vendo como sou realmente, quais as minhas feridas, que cruz carrego eu e colocando tudo nas mãos de Deus, deixando-me transformar, é que aprenderei a ser o melhor de mim para o mundo, percorrerei o caminho que me levará à Missão e a ser feliz nesta missão à qual estou destinada!

Foto Grupo

 

Glória Rocha

"E tu Maria, que nos dizes da missão?"

Foi nos diasPedro Moreira 29 a 30 de Abril de 2017, que fomos acolhidos com muito carinho na casa das Missionárias Seculares Combonianas no Porto, onde se realizou a 8.ª unidade formativa dos LMC, com o tema “E tu, Maria, que nos dizes da Missão?”, o qual teve como formador o LMC Pedro Moreira.

O encontro começou na sexta-feira à noite com a chegada dos formandos. Para mim, em especial, foi um grande momento de reencontros, que me encheu o coração de alegria, por estar de novo com quem já sinto família de caminhada. Que verdadeira Graça de Deus cada um e que prova de que “não há longe nem distância”.

O tema foi abordado durante todo o dia de sábado e a manhã de domingo.

«Quereis oferecer-vos a Deus?», a mesma pergunta que Nossa Senhora fez aos Pastorinhos em Fátima, foi o nosso mote inicial para que soubéssemos onde nos dirigíamos e onde voltar sempre.

IMG_29042017_180351_HDR.jpg

 

Através do “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem” de São Luís Maria Grignion de Montfort e da Encíclica “Redemptoris Mater” de São João Paulo II o Pedro Moreira foi-nos guiando e dando-nos o seu testemunho com muita simplicidade, reflectindo a sua bonita relação de intimidade, devoção e amor com, em e por Maria, nossa Mãe.

“Quanto mais aprofundamos Maria, mais missionários ficamos.” foi uma das afirmações que ficou a ressoar dentro de mim e a inquietar-me durante o encontro.

            Através de traIMG_29042017_180359_HDR.jpgbalho em grupo meditámos a palavra de Deus procurando virtudes missionárias em Maria, foi uma oportunidade de validação do quão missionária foi Maria, a partir do momento do seu “Sim” até ao Cristo Crucificado, que ali na cruz no-La entregou como nossa Mãe, fazendo com que assim, ela renovasse o seu “Sim” com tamanha obediência, fidelidade e confiança à vontade de Deus. Tudo para Maior Glória de Deus.

            Tivemos ainda momentos de reflexão pessoal que nos permitiram aprofundar a nossa relação com Nossa Senhora e ajudar-nos a sermos missionários como Maria.

 

“Ao ouvir estas palavras ela perturbou-se.” Lc 1, 29

“E eu, como reajo perante a voz de Deus que se manifesta na minha consciência? Especialmente quando sinto que sei qual o caminho certo mas não tenho coragem para o seguir…”

“Ser missionário exige consciência da nossa pequenez e fragilidade, porque é aí que Deus se manifesta.”

“É a partir de dentro que Maria opera em nós a conversão. O anúncio de Jesus é profundamente íntimo, porque nele se expressa o amor de Deus para connosco e o nosso destino eterno.”

“Feliz daquela que acreditou que teriam cumprimento as coisas que lhe foram ditas da parte do Senhor.”

 

Deixou-vos estas citações que me tocaram, ou até perturbaram, ao perceber o quanto tenho que crescer na minha relação com a Mãe. Maria que é o caminho de Amor até Jesus. Quem melhor conhece o filho que Sua Mãe? E se seguimos o que amamos, e só amamos o que conhecemos, é este o caminho a que somos chamados a trilhar como missionários.

IMG_29042017_184855_HDR.jpg

   Em comunidade rezámos o terço, entregando as nossas intenções e entregando-nos ao Imaculado Coração de Maria, Rainha da esperança e da paz. Recordando a Consagração da África à Virgem de La Salette, feita por São Daniel Comboni: “Ó Maria, mostra-te também rainha e mãe dos pobres negros, porque também eles são teu povo. ... Sim, boa mãe de misericórdia, tu és a Mãe dos negros. Neste momento, eu, seu pai e missionário, coloco-os todos a teus pés, para que tu os metas todos no teu coração; mostra-te Mãe!” E 1639 – 1644

Sábado à noite assistimos ainda ao filme “Maria, filha de seu filho”, que mostrou o papel fundamental de Maria na obra do seu filho Jesus, ela que mesmo sem compreender tudo, confiou e esperou com fidelidade, unindo a sua vida à missão e realidade divina do seu filho.

Domingo foi mais uma oportunidade para reflectirmos a dimensão “Nós e(m) Maria”, nós como filhos de Maria, através da meditação da história biblíca de Rebeca e Jacob.

Eucaristia Areosa

 

Terminámos este nosso encontro com a participação na Eucaristia na Paróquia de Nossa Senhora da Areosa, onde tivemos a oportunidade de praticar durante a sagrada comunhão a devoção sugerida por São Luís Maria Montfort, porque quanto mais deixarmos Maria agir na comunhão, mais Jesus será glorificado.

            Muito grata por mais este passo e pela dedicação de cada um!!

 

“Quem não tem Maria por Mãe, jamais terá a Deus por Pai.” São Luís Maria Montfort

 

Que o carisma e a fé de São Daniel Comboni continue a ser o nosso exemplo nesta caminhada como Família Comboniana, para que sejamos humildes missionários. Deixo-vos este excerto de Comboni, no Acto de consagração da África Central a Nossa Senhora do Sagrado Coração, a 08/12/1875, rezemos juntos:

«E Vós, ó Maria, ó Nossa Senhora do Sagrado Coração de Jesus, cuidai de nós pobres filhos, guardai-nos como herança e propriedade vossa.

Sede nossa guia nas viagens, a nossa mestra nas dúvidas, a nossa luz nas trevas. Sede nossa saúde e vigor na enfermidade, nossa advogada, nossa mãe perto do Coração do vosso bendito Filho Jesus em toda a nossa vida.»

 

Por: Vanessa Sofia Pedro

 

“Todo tiene su tiempo y sazón, todas las tareas bajo el sol” Ecl 3, 1

18485475_1519187974800421_4140687975895732154_n.jp

O amor em comunidade cresce como a fermentação do pão. O principal ingrediente é o tempo. O tempo que amassa com a disponibilidade que cada um dá de si em prol do outro. Não basta sabermos os ingredientes. Não basta conhecer a receita. Não basta ter bons cozinheiros. É preciso tempo. É preciso dar tempo ao tempo ou então todo o resultado será vazio, sem sentido, fútil.  Deixemo-nos moldar por Deus e ao partir do pão tornemo-nos família.

 18447313_1519187561467129_924321831793718301_n.jpg18425337_1519187311467154_8224108988565275148_n.jp18447595_1519186698133882_4239878696056835960_n.jp

 

Comunidade “Lisanga”: Neuza y Paula