Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Ecos do Encontro de Junho

O nosso encontro deste fim-de-semana, dividiu-se em duas partes: o tema propriamente dito e a preparação de dois momentos que vamos ter no dia 28 de Julho, na Peregrinação da Família Comboniana a Fátima. Um deles está inserido no Convívio e o outro consiste na Oração final.
Peregrinação a Fátima. O tema foi orientado pela Irmã Conceição e centrou-se na “Missão no Feminino”. Analisámos várias passagens da Bíblia e constatámos que em todas elas a presença do elemento feminino foi determinante. Apesar de todas as tentativas de inferiorizar e menosprezar o papel da mulher na Igreja, ao longo da história, está mais do que provado que Jesus sempre soube dar ênfase à participação das mulheres, admitindo-as na comunidade dos seus próprios discípulos. Eis alguns exemplos do papel relevante da mulher em vários momentos da vida de Jesus:

(Jo 20,17 )
Maria de Madalena é, por excelência, a mulher, a discípula e a apostola. Ela é testemunha dos ensinamentos, da vida, da morte e ressurreição de Jesus. Foi ela (uma mulher) a escolhida, foi ela a quem Jesus apareceu primeiro após a Ressurreição e foi ela que ele enviou para contar aos outros.

(Mc 14, 3-9)
Uma mulher aparece num lugar reservado aos homens e desafiando as normas, toca em Jesus, ungindo-o. Jesus sensível a este gesto diz para todos: “Fazei isto em minha memória”. E aquele gesto, anteriormente condenado por todos, transforma-se num exemplo a seguir. A acção de uma mulher fica para sempre.

(Mc 7, 24-31; Mt 15, 21-28)
Uma mulher “desafia” Jesus a ir mais além. Em vez de anunciar o Reino de Deus apenas aos judeus, esta mulher leva Jesus a abrir a porta da Evangelização aos gentios.

(Jo 4, 1-42)

O encontro desta mulher samaritana com Jesus, gerou nela a iniciativa de levar o anúncio missionário ao seu povo. Ela levou a Palavra de um judeu para os samaritanos, o que constituiu uma enorme acção de Evangelização.

E é impossível não referir a primeira mulher missionária da história do Cristianismo: Maria, mãe de Jesus. Quando ela recebe o anúncio do anjo, fica tão feliz, que corre apressadamente ao encontro de Isabel, para lhe levar a Boa Nova.

Gostaria ainda de lembrar uma das grandes missionárias de sempre, falecida há precisamente dez anos – Madre Teresa de Calcutá.

 

“…Apenas seis anos após a sua morte, o Papa João Paulo II beatificou Madre Teresa, a 19 de Outubro de 2003. No seu discurso aos peregrinos, o Santo Padre referiu-se a ela como “uma das maiores missionárias do século XX”. O Papa enfatizou que foi a sua relação com Deus, nutrida pela oração, que inspirou todos os seus empreendimentos e tornou a sua missão tão fecunda no mundo. Precisamente no coração desta íntima relação com Deus estavam as palavras de Jesus na Cruz: “Tenho sede” (Jo 19,28). “Saciar a sede de Jesus, de amor e de almas, em união com Maria, a mãe de Jesus”, disse o Papa, “tornou-se o único fim da existência de Madre Teresa, e a força interior que a impulsionou a sair de si mesma, e a fez correr apressadamente através do globo, para labutar pela salvação e santificação dos mais pobres dos pobres”. Com a sua escolha de servir humildemente os mais pobres dos pobres, o Evangelho do Amor tornou-se Vida. Com as suas palavras e acções, Madre Teresa tocou os corações de crentes e não crentes, do mesmo modo, ultrapassando as barreiras de classe, religião, cultura e nacionalidade. A sua vida tornou-se um sinal de que “Deus ainda ama o mundo hoje”. O seu segredo era muito simples: ela deixou que Jesus tomasse completamente posse da sua vida, para que Ele pudesse agir nela e através dela…”

in “Jesus é o meu Tudo em Tudo – Novena à Beata Teresa de Calcutá”

Álvaro