Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

“Já fiz tudo, fiz-te a ti”

Certo homem passeava num bosque quando viu uma raposa sem patas a ser alimentada por um tigre. Ficou a admirar aquele verdadeiro milagre da vida quando decidiu seguir o exemplo e, também ele, experimentar a bondade de Deus.
Sentou-se ao pé de uma árvore e ali ficou à espera que Deus também o alimentasse.
Passado um tempo perguntou: “Meu Deus, alimentas a raposa e deixas-me aqui à fome?” ao que Deus lhe respondeu: “Seria preferível que tomasses o exemplo do Tigre.”
O homem levantou-se e voltou à caminhada. Um pouco mais à frente viu uma menina cheia de fome e frio que apenas tinha um fino e roto vestido.
O homem indignou-se e perguntou: “Meu Deus, alimentas aquela raposa na floresta e não fazes nada por esta pobre menina”. Depois de um constrangedor silêncio, Deus respondeu em tom suave: “Como – não fiz nada? Fiz tudo. Fiz-te a ti”.



 

Este pequeno conto, que nos foi lido na homilia da Eucaristia de Domingo, acaba por resumir de forma subtil o conteúdo do Curso de Espiritualidade Comboniana que ocorreu no último fim-de-semana no seminário da Maia.
Para entendermos esta analogia, temos apenas que colocar no papel do homem a Igreja, e no papel da rapariga todo o mundo que sofre nos dias de hoje.
É corrente e normal que se pergunte pela acção de Deus nos momentos de catástrofe. Assim como também é corrente e normal não associar-mos todo o bem, que logo vai surgindo do coração de vários homens e mulheres, à infinita caridade do Pai.
No entanto, todo esse bem, que muitas vezes passa no silêncio, é acção concreta de Cristo no mundo através da Igreja que é o seu Corpo… que somos nós.
O gesto de um missionário que pratica o bem em terras longínquas exprime a força das nossas orações, a vontade das nossas partilhas e o amor de Cristo que nos une. Assim ganha sentido toda a nossa acção missionária, por mais insignificante que pareça.
Estejamos longe ou perto de quem sofre, a resposta de Deus às nossas perguntas será sempre a mesma: “Já fiz tudo, fiz-te a ti”.

 

Pedro Moreira