Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Uma Estrela nos conduz

"O Senhor da Vida nunca se esquece da data e faz-Se sempre convidado nestas ocasiões!"

 

Tinham passado cinco anos desde o último aniversário celebrado em Portugal. A data era importante assim como a muita vontade de a celebrar com a família e amigos aqui deste lado. Tal como noutros anos, o Senhor da Vida tinha-me reservado um presente muito especial (é que Ele nunca se esquece da data e faz-Se sempre convidado nestas ocasiões!).

 

Assim, a minha prenda encontrava-se na Paróquia de Santiago de Antas – Famalicão – e tinha a forma de um grupo de jovens em preparação para o Crisma. Estes, como grande parte dos jovens desta idade, achavam que o Espírito viria sob a forma de pomba: vinha… e ia embora sem deixar rasto. O desafio para este dia de retiro e formação era mostrar-lhes as traças do Espírito: de nada servem os sacramentos se não há uma resposta concreta ao sopro de Deus.

Aproveitando a época litúrgica, quis mostrar-lhes uma Estrela: a Estrela que guia os Reis magos, a Estrela que guia os que acreditam e se põem, sem medo, em marcha.

 

"Não se vive de um SIM dado há 25 anos atrás, mas do SIM que se aceita dar em cada dia ao chamamento de Deus." 

 

Sempre em celebração, o dia seguinte continuou a ser passado em família. Desta vez, o bolo da festa tinha outros números e o homenageado era outro: O P. Arlindo Pinto, coordenador geral dos Leigos Missionários Combonianos. Celebrava na sua paróquia 25 anos de ordenação sacerdotal.

A Eucaristia, presidida pelo bispo D. António Taipa, natural dessa mesma paróquia, foi cheia de simbologia e vivida em profundidade por todos os que, com o P. Arlindo, quiseram dizer Obrigado ao Senhor pelo dom da sua vocação, e pelas maravilhas que Ele operou, e continua a operar, na sua vida.

Após a Eucaristia, a festa continuou e, porque a Estrela que nos guiou todos ali era a mesma, num clima fraterno e de alegria, continuamos a celebrar o SIM deste missionário que visivelmente, no seu sorriso, nos continuava a demonstrar que não vive do SIM dado há 25 anos atrás, mas do SIM que aceita dar em cada dia ao chamamento de Deus. A ele agradecemos o carinho e a dedicação que nos tem dado como nosso amigo e coordenador.

 

A Estrela conduziu-me lá onde a celebração da vida tem o rosto da Missão e do compromisso missionário. A todos os que, comigo, cantaram parabéns, agradeço e acompanho na oração e neste caminho onde, juntos, seguimos. O caminho que fazemos, sempre como família, e na direcção a que a Estrela nos conduz.

 

 

 

Por Susana Vilas Boas, LMC