Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Ecos do Encontro de Março

"Vai ao encontro do amor, segue os passos de quem te convida, deixa Cristo guiar tua vida"

 

 

Após um ano de caminhada no dia 17 e 18 de Março festejamos em Viseu o encerramento do Ano Vocacional Comboniano. Foi um fim de semana em que a família Comboniana se reuniu para viver em clima de festa, partilha e de alegria o fim desse ano de  trabalho  e de reflexão, tendo como grande tema: Vem, vê, vive e vai em missão, juntamente com jovens de diversos grupos.  

 

Também os leigos missionários combonianos se sentiram interpelados por este desafio.

No sábado reunimo-nos para reflectirmos sobre a vocação.

Vocação é um chamamento de Deus para a pessoa desenvolver determinada missão.

É diferente de profissão, que é uma aptidão ou escolha pessoal para exercer um trabalho.

Todo a pessoa tem como primeira vocação a vocação para a vida, a sermos filhos de Deus e a sermos Igreja e desta forma a sermos sinal do Seu Reino, mediadores entre os homens e Deus e a servirmos a humanidade. Pelo Baptismo somos chamados à santidade, isto é desenvolvermos plenamente todas as nossas potencialidades.

Daí emergem as vocações específicas: laical, religiosa e sacerdotal. Assim a vocação específica é como cada um de nós realiza a sua vocação fundamental.  

 

“Os leigos, casados ou solteiros,

são chamados dentro das condições ordinárias da vida familiar e social a serem fermento, manifestando Cristo aos outros pelo testemunho da própria vida…”

 

Na vocação laical os leigos casados ou solteiros são chamados dentro das condições ordinárias da vida familiar e social a serem fermento, manifestando Cristo aos outros pelo testemunho da própria vida, deixando irradiar a sua fé, esperança e caridade. O matrimónio é uma vocação. Os casais que vivem em matrimónio respondem directamente ao chamamento de Deus. Através do sacramento do Matrimónio o casal é chamado a amar, participando no amor de Deus e assim o amor natural é transformado no amor - caridade que permite a cada um uma doação total um ao outro e o perdão à semelhança do amor de Cristo pela Igreja.   

 

Na vocação religiosa o cristão que professa os votos religiosos (castidade, pobreza e obediência) entrega-se totalmente ao encontro com Deus.

A vocação sacerdotal, é quando o cristão é chamado ao sacerdócio ministerial. Desta forma o presbítero é uma representação sacramental de Cristo e Pastor.  

 

Partindo de um clima de reflexão todos juntos em vigília, rezamos e meditamos para que este ano de trabalhos dêem muitos frutos, de modo a nos libertarmos do comodismo e ir sem medo ao encontro daqueles que mais precisam. Foram lançados grandes desafios para cada um de nós de deixarmos a indiferença perante o sofrimento do irmão e irmos ao "encontro do amor". Nesta aventura surge o grande desafio de abraçar a cruz do sofrimento que por vezes tentamos afastar. Também Jesus rezou: Pai afasta de mim este cálice, mas a nós falta-nos muitas vezes dizer " faça-se a Tua vontade" como Cristo disse. Também Comboni nos lembra que é ao pé da cruz que nascem as obras de Deus.  

 

Após a vigília seguiram se outros momentos de convívio e de partilha, com muita alegria e música.

No domingo tivemos momentos de música, testemunhos e a mensagem do Superior Providencial P. Alberto Silva que lança o desafio de continuar, com fé e esperança, a trabalhar tendo como prioridade da nossa acção missionária, a promoção vocacional na Igreja e para a Igreja.

 

No final celebrámos a missa presidida pelo Senhor Bispo D. Ilídio Leandro que apresenta a acção missionária um desafio actual.

Assim pelo tema podemos logo concluir que não é uma carta que se fechou neste fim-de-semana, apenas foi uma meta que dará lugar a mais partidas para outras metas.

 

Após este fim de semana tenhamos a ousadia de não nos deixarmos esmorecer e deixarmos o Espírito Santo nos levar onde Ele quer. Tenhamos confiança no Pai que nos chamou à vida e nos confiou uma missão.

 

Por: Catarina Cardoso, Formanda LMC