Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Missão, ecologia e louvor

 

"Nada anula a beleza que nos rodeia."

 

Vivemos numa realidade dura que não podemos mudar, apenas retocar com um pouco de criatividade… apesar das dificuldades gosto do país, gosto das pessoas, gosto do que faço e dou graças a Deus por me ter enviado para esta missão.

 

Alguém dizia há tempos que a floresta só tem três cores: o azul do céu, o verde das arvores e o vermelho da terra. É verdade, mas esqueceu de mencionar as várias tonalidades de verde e todas as cores com que o Pintor pincelou esse mesmo verde, como aquela flor vermelha, só uma, mas com que cor! As árvores, de flores amarelas umas, outras de um alaranjado único, uma trepadeira de flores brancas de neve… e as borboletas, muitas, lindas… coloridas. E o silêncio na floresta, apenas quebrado pelo chilrear dos pássaros e o sussurro do vento nas copas das árvores…

 

Fazemos quilómetros a pé por veredas onde não passa uma bicicleta, saltamos por cima de troncos caídos e escorregamos na lama na época das chuvas. No meio de toda a beleza há sempre um minúsculo insecto que deixa a sua marca comichosa nos nossos braços nus, mas isso também faz parte das maravilhas da natureza que o homem teima em destruir a escusas do desenvolvimento.

 

"Em noites de tempestade, no aconchego da minha casa,

penso muitas vezes nas gentes desprotegidas..."

 

Tenho feito muitos quilómetros a pé, de carro, de mota, de piroga; em trilhos da floresta, em estradas de terra, no rio; debaixo de um sol abrasador, sob chuva intensa, com temperatura amena… o pó, a humidade, as arvores caídas na estrada, nada anula a beleza que nos rodeia… Em noites de tempestade, no aconchego e segurança da minha casa de branco, penso muitas vezes nas gentes, nas suas casas de paredes de barro e telhados de folhas que são com frequência levados pelo vento deixando os habitantes desprotegidos até terem dinheiro para reparar os estragos. Mas nem tudo é mau. Já vamos encontrando muitas famílias que se preocupam em arranjar as suas casas com telhados de zinco e paredes de tijolo.

 

Estes são pequenos sinais que nos levam a ter esperança na evolução deste país, que sendo tão pobre consegue ser tão rico.

 

Por: Élia Gomes, LMC na RCA