Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Ecos da 1ª Sessão de Formação do Voluntariado Missionário

Os Leigos Missionários Combonianos participaram no programa de formação de Voluntariado Missionário que é destinado aqueles que vão partir para a Missão em 2006. A Vânia, Sandra e Susana estiveram lá. A Vânia partilha connosco como viveu esta primeira sessão de formação. Um muito obrigado a ela pela partilha.

 

 

 

 

Nos dias 26 e 27 de Novembro, reuniram-se, no Seminário do Verbo Divino, em Fátima, cerca de 35 voluntários disponíveis a partir em 2006, para a 1ª Sessão de Formação sobre o “Voluntariado e Projectos de Cooperação para o Desenvolvimento”.
No Sábado, após uma reflexão sobre as oportunidades e dilemas da cooperação para o desenvolvimento, a Dr.ª Leonor Gandra, Mestre em Estudos Africanos, apresentou diversas formas de envolver as comunidades a participarem na construção e realização dos projectos que os voluntários levam para as terras de missão. Aconselha os voluntários acima de tudo a conhecerem a realidade da comunidade em causa (cultura, economia local, etc). Por exemplo, se um projecto consiste em dar aulas de informática em Moçambique, por mais boa que seja a intenção do voluntário, o projecto nunca dará frutos porque não se está a ter em conta a realidade de Moçambique, pois em muitos locais não há luz, quanto mais computadores!!! Depois, apresentou também várias dinâmicas, técnicas e/ou ferramentas na fase do planeamento do projecto. Por exemplo: para que um centro de infância em S. Tomé e Príncipe venha a ser realmente utilizado, é necessário primeiro questionar os encarregados de educação para saber qual o interesse deles neste centro, saber o tempo disponível das crianças, e depois então perguntar às crianças o que gostariam de fazer nas horas vagas.
No Domingo, a Drª Sandra Lemos, mestranda em Desenvolvimento, Diversidades Locais e Desafios Mundiais, apresentou o tema “O Papel dos Voluntários na Cooperação para o Desenvolvimento”, do qual é importante reter a ideia que os voluntários não vão trabalhar para, mas com as pessoas! Muitas vezes os voluntários não conseguem resolver os problemas materiais das pessoas, então resta-lhes ajudar a potenciar as suas riquezas humanas, dar-lhes valor, estando com as pessoas e ouvindo-as!
Ainda sobre o último tema, convém distinguir 2 tipos de voluntariado: o Voluntariado de Apoio/Assistencialista e o Voluntariado para o Desenvolvimento. Enquanto que o primeiro surge em casos de emergência (catástrofes, guerras), criando dependência, na medida em que as pessoas não aprendem a fazer nada sozinhos; o segundo tipo de voluntariado consiste em ajudar as pessoas a tomarem conhecimento das suas capacidades e encorajá-las a po-las em prática, de modo a serem autosuficientes. Reflectindo sobre o provérbio “Em vez de dares um peixe a um faminto, dá-lhe uma cana e ensina-o a pescar”, podemos dizer que o Voluntariado Assistencialista é aquele que dá o peixe, enquanto que o Voluntariado para o Desenvolvimento dá a cana e ensina a pescar!
Deste modo, conclui-se nesta 1ª Sessão de Formação que o voluntariado não se deve fazer de ânimo leve! É verdade que há muito por fazer, mas deve-se fazer um trabalho bem feito. Para isso, o voluntário deve ter consciência do seu papel na Cooperação para o Desenvolvimento e como o realizar.