Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Casal vai em voluntariado missionário para o Peru

 

 

 

 

Porque toda a Missão é preciosa quando o "âmbito" é Jesus, e porque nos sentimos família de toda a Familia Comboniana, apresentamos o testemunho missionário do Fernando Félix e da Maria José, casal que, não podendo para já disponibilizar mais tempo, oferece a Deus e ao povo do Peru um mês muito especial das suas vidas. 

 

Fernando Félix Ferreira e Maria José B. Mendonça são um casal cuja paixão é o voluntariado missionário.

 

Fernando é jornalista e trabalha na redação das revistas Audácia e Além-Mar e do jornal Família Comboniana, dos Missionários Combonianos. Maria José é criadora de conteúdos nas áreas do Marketing e de tratamento de dependências.

 

Eles vão em voluntariado missionário ao Peru e apresentam o projeto.

 

Agradecemos-lhe o testemunho e partilha aproveitando para desejar-lhes muitas felicidades para o seu Matrimónio.

Que o Senhor os acompanhe sempre e permita que as suas vidas sejam sempre fecundas de amor em todas as situações que encontrarem... a começar desde já pelo Perú!

 

 "Pela fé, professamos que cremos em Deus,

não só um Deus Amor, mas um Deus que ama continuamente

e que nos faz amar como Ele ama."

  

«Pela fé, professamos que cremos em Deus, não só um Deus Amor, mas um Deus que ama continuamente e que nos faz amar como Ele ama. Por isso, quando casámos pelo civil, decidimos que a lua-de-mel seria uma ação missionária em África. E foi, na Zâmbia, em missões dos Missionários Combonianos. Em maio de 2012, quando celebrámos o matrimónio religioso, todo ele teve mensagem missionária: os nossos trajes eram da Guiné-Bissau, o bolo eram palhotas; ao adquirir as lembranças que demos aos convidados, financiámos três projetos humanitários em Moçambique. E decidimos que nesta nova a lua-de-mel iríamos em voluntariado missionário ao Peru, e igualmente em missões dos Combonianos. Desde então, empenhámos na preparação e contagiámos outros com o entusiasmo missionário.

 

 

Este projeto missionário prevê três campos de ação, em conjunto com os Leigos Missionários Combonianos (LMC) no Peru, dois em contexto de periferia e outro entre populações índias: 

a) Ação de evangelização e promoção humana (catequese, pastoral familiar, apoio escolar, apoio na criação de emprego) na periferia da capital peruana, Lima.

b) Ação de evangelização e promoção humana (catequese, pastoral familiar, apoio escolar, apoio na criação de emprego) na periferia da cidade de Arequipa, a Sul.

c) Ação de evangelização e de divulgação cultural entre os índios ashaningas, anueshas, píros e cunibos, na paróquia de San Martin de Porres de Pangoa, na Amazónia.

"E por isso não quisemos ir sozinhos,
nem – muito menos – em nome próprio."
 

Sabemos que a fé cresce quando é partilhada. Orgulhamo-nos de ser membros de Cristo na Igreja. E por isso não quisemos ir sozinhos, nem – muito menos – em nome próprio. Fizemos, então, uma espécie de tournée missionária por várias paróquias onde estão padres amigos, que estiveram no nosso casamento. Com um propósito muito prático – que é o de criar laços de fraternidade universal e, neste caso concreto, com os Peruanos – falámos com um triplo objetivo:

 

a) Pedir orações por nós e pelos evangelizadores espalhados pelo mundo; e todos se propuseram rezar e oferecer sacrifícios, dores e alegrias.

b) Desafiar os cristãos para que também se abram ao voluntariado e à consagração da vida à missão; e houve corações generosos que vieram ter connosco para saber o que fazer.

c) Recolher ajuda monetária; que chegou antes de nós ao Peru. 

 

 

Como ícone deste projeto, temos um porta-chaves com a palavra Audácia inscrita, porque ela é o nosso lema, é o que nos faz vencer medos e ter ousadia de partir. 

No dia 7 de julho, estaremos a ser abençoados com a oração de envio na paróquia humilde e necessitada que adotámos e nos adotou.»

 

 

Por: Fernando Félix e Maria José