Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Jornadas Missionárias 2015 - Missão sempre e em todas as frentes

IMG_5432.JPG

 

 

"A renovação das paróquias e dioceses só acontecerá

quando existirem iniciativas missionárias."

 

Foram os 18, 19 e 20 de setembro que marcaram o início de um novo ano de percurso missionário. Neste encontro, em Fátima, na casa dos MCCJ, estavam presentes o Carlos, a Carolina, o Franklim, o Flávio, a Rufina, a Paula, a Marisa, a Neuza e a Sandra e ainda dois novos elementos que iniciam este ano a sua caminhada com os LMC: a Maria José e o Mário.

 

Este encontro foi marcado pela participação dos LMC nas Jornadas Missionárias cuja temátca Ad Gentes e Igrejas particulares foi refletida em conferências, workshops, testemunhos e diálogo em assembleia.

 

Cito algumas das conclusões das Jornadas

  • Portugal está convocado para a missão, mas a resposta é ainda muito ténue.
  • É fundamental ter claro que a missão ad intra não anula a missão ad extra.
  • Os participantes alegraram-se ao verem em vídeo os primeiros passos da comunidade cristã criada na Mongólia há 20 anos. Este vídeo pode ser visualizado através deste link
  • O Decreto Ad Gentes sobre a atividade missionária da Igreja, aprovado há 50 anos no fim do Concílio Vaticano II, apresenta desafios cruciais para hoje.
  • Assim:
    • A Igreja é missionária na sua natureza e, como tal, quando falta a missão, não há Igreja.
    • A finalidade da missão não pode ficar somente no anunciar ou no conhecer; é imprescindível fazer discípulos.
    • A renovação das paróquias e dioceses só acontecerá quando existirem iniciativas missionárias. 
  • As Obras Missionárias da Igreja (Infância Missionária, São Pedro Apóstolo, Propagação da Fé, União Missionária) são propostas que procuram envolver todo o povo de Deus na missão da Igreja. É preciso conhecê-las para entrarmos nesta rede universal de solidariedade espiritual e material.
  • A Igreja em Portugal celebra o 5º aniversário da Carta pastoral «Como Eu vos fiz fazei vós também». Para um rosto missionário da Igreja em Portugal que propõe a criação de Centros Missionários Diocesanos e Grupos Missionários Paroquiais. Estes caminhos levam as comunidades a descobrir que sair é uma riqueza e não um empobrecimento. 
  • A missão de alto risco foi-nos trazida, em primeira pessoa, pelo P. Paul Karam, libanês e Presidente da Caritas nacional. O Médio Oriente é hoje, para os cristãos, terra de mártires. Estamos comprometidos com este drama que gera milhões de refugiados. Salvar vidas é uma grande missão.

 

Pessoalmente, marcou-me a participação num workshop sobre Missão e Voluntariado. Confesso: ia desprevenida de expectativas. O workshop contou com o testemunho de elementos dos Jovens Sem Fronteiras (JSF) que partilharam connosco a sua experiência de 1 mês de Voluntariado Missionário no Brasil, com o projeto Ponte 2015. Fez-me ter uma visão diferente sobre as experiências missionárias de curta duração na medida em que permitem o discernimento pessoal sobre uma experiência missionária de longa duração. Além do mais, e apesar de serem de “curta duração”, permitem ao missionário que regressa para Portugal (neste caso) a sensibilização para determinados aspetos da sociedade, o adquirir de uma nova visão, uma visão mais simples, mais humilde, mais “ao estilo de Deus”, e, nesta medida, a missão não termina quando regressa a Portugal: simplesmente continua em Portugal no testemunho de que uma vida simples é possível, é feliz.

 

"Soube bem ter a mesa cheia com alguma diversidade

quer em termos de culturais, quer em termos de idade,

quer em termos de experiência missionária"

 

Marcou-me ainda o brilhante espetáculo à noite, particularmente a atuação do grupo “Jovem levanta-te” (parte da sua brilhante atuação encontra-se disponível aqui ). Marcou-me não só a atuação em si mas a história que levou ao nascer (e crescer) deste grupo: a história de uma jovem, hoje mulher, que cresceu com a avó que lhe ensinou valores cristãos. Uma jovem que se perdeu no caminho, tornando-se uma “mulher da noite”, citando-a no seu relato de vida que teve a coragem de contar de uma forma limpa – “nua e crua”. Mas Deus não dorme: assim como se perdeu, esta jovem encontrou-se. Cresceu e hoje, mulher, traduz Deus em dança e em arte.

 

IMAG1967.jpg

 

 

Por fim, senti que todo o encontro dentro da casa dos MCCJ foi uma excelente oportunidade de convívio, de partilha e de conhecimento da nossa comunidade, não só com os acima referidos, mas também com outros que participavam nas Jornadas e que foram por nós convidados para as refeições – 3 noviços combonianos (2 deles Moçambicanos) e 2 jovens que sentem dentro algo que os impele na caminhada missionária.

 

Soube bem ter a mesa cheia com alguma diversidade quer em termos de culturais, quer em termos de idade, quer em termos de experiência missionária – um ambiente de calor, um sentimento de estar em casa em família.

 

IMG_5433.JPG

 

 

Por: Carolina Fiúza