Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Nos confins do Tráfico de Pessoas

No passado dia 5 de março, na casa dos Missionários do Verbo Divino em Lisboa, pudemos participar no Seminário sobre o tema “Tráfico de Pessoas” organizado pelo CAVITP e orientado pela Missionária Comboniana italiana, a Ir. Gabriella Bottani.

 

O Tráfico de Pessoas é uma realidade complexa que violenta a vida de gente concreta, suas famílias e comunidades. Requer uma abordagem inteligente, com coração, corajosa, estruturada, profissional e sobretudo em rede.

 

Não foi por acaso que a frase escolhida para a abertura do encontro era: “Avançem para águas mais profundas e lancem as redes para a pesca.” (Lc 5,4)

 

Era caso para nos perguntarmos: Que águas mais profundas serão essas nas nossas vidas: a nossa confiança em Deus, os nossos medos e fragilidades, o nosso olhar para as feridas dos nossos irmãos, o amor a Deus e ao próximo?...

 

A rede apresentada, essa já era concreta. Fundada em 2009, a rede “Talita Kum” é a Rede Internacional da Vida Consagrada contra o Tráfico de Pessoas. (ver http://www.talithakum.info/ ). No fundo uma rede internacional de redes, que congrega quereres e saberes na luta contra este flagelo que destrói tantas vidas humanas.

 

A abordagem a este problema tem diversas facetas.

 

Na prevenção, mais do que alertar para os perigos que podem espreitar por de trás de uma oferta de trabalho aliciante do outro lado do mundo, importa dar perspetivas de vida feliz no meio em que as pessoas já vivem, propor alternativas que prendam positivamente as pessoas a um projeto de vida com Sentido.

 

O alerta deve ser lançado a vários níveis, especialmente na educação. Porque todos podemos ter qualquer coisa a ver com o assunto, em comunidade, desde a sinalização de situações, à denúncia, à proteção de vítimas e familiares (duas faces de uma realidade que podem estar separadas por milhares de quilómetros).

 

O estudo e pesquisa do fenómeno também é fundamental para uma luta metódica e cada vez mais concertada e eficaz, multidisciplinar… porque a resolução dos problemas trazidos à vida das pessoas nunca se limita ao âmbito policial. Requer uma visão psicológica, sociológica, espiritual, num acompanhamento integral que não se pode limitar ao curto prazo.

 

índice.jpg

 

Durante o encontro também foram apresentados alguns testemunhos reais de pessoas resgatadas das redes de tráfico. Histórias verdadeiras que relatam a grandeza de vítimas que atravessaram oceanos de dor e medo e foram capazes de voltar inteiras à vida… com certeza com muitas cicatrizes, mas de pé, exemplos de coragem e sinais de esperança para todos nós.

 

Impressionou-me especialmente o testemunho de uma mãe que ao ver que a sua filha regressada a casa continuava a ser rotulada e estigmatizada pela própria comunidade exclamava com dor: … mas ela é minha filha!

 

Como será diferente o mundo quando formos capazes de olhara assim para todas as vítimas… com um olhar de amor. Seremos então verdadeiros contemplativos porque, como diz o Papa Francisco, quem ama contempla (cf. EG 199).

 

Para finalizar, em jeito de desafio, partilho aqui o desafio da própria Talitha Kum sobre o que cada um de nós pode desde já fazer para se unir a esta causa. Mãos à obra!

 

O que pode fazer para ajudar:

  • Informar-se sobre o tráfico de pessoas no mundo e no seu país
  • Contatar e conhecer organizações em seu país que estão comprometidas contra o Tráfico de Pessoas
  • Envolver-se como voluntário em atividades de prevenção e incidência politica
  • Apoiar esta causa com a oração
  • Apoiar e participar em campanhas contra o tráfico de pessoas
  • Comprar produtos provenientes de centros de reintegração socio-econômica de sobreviventes do tráfico
  • Apoiar economicamente.

 

“Se você quiser ir rápido, vá sozinho.

Se você quiser ir longe, vá junto.“

(Provérbio Africano)

 

 Pedro Moreira, LMC