Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Quero voltar!!

 DSC00037

 A ida de Jesus, relatada no evangelho do Domingo XXIII do tempo comum, até a um território fora da tradição judaica, diz-nos da preocupação que Deus tem com todos, não deixando ninguém de fora. Um surdo é encaminhado até Jesus, porque não ouvindo não sabe nada d'Ele e logicamente não o poderia procurar por própria iniciativa. A quem não conhece Jesus não temos de censurar, mas antes conduzir até Ele. 

 

Na caminhada que fazíamos para a ida a Moçambique íamos ao encontro do esquecido pela sociedade, falo dos sem abrigos e dos mais pobres, pois, por muito que as pessoas sejam solidárias, esquecemos do verdadeiro sofrimento destes nossos amigos, a solidão. Quantas vezes disseram-nos que eramos diferentes, levávamos um sorriso, um abraço, uma palavra amiga…pois foi esse sentimento que quis levar comigo para Carapira. Não sabia o que ia encontrar em concreto, mas, levei o coração aberto, alegre, cheio de amor para dar. Nós temos que aprender com Jesus a sentir os problemas dos outros e a envolver-nos na sua solução. Foi esse sentimento e objectivo que tentei realizar, e o grupo Fé & Missão executou. Abrimo-nos, escutamos, olhamos, envolvemo-nos e comprometemo-nos com os alunos da Escola Industrial de Carapira, com a família missionária existente, (Padres, Irmãos, Irmãs, Leigos) assim como na comunidade de Carapira. Onde saliento o belíssimo trabalho de todos, de especial modo os dos Leigos Missionários, os quais se encontram próximos das pessoas, das comunidades e dos seus problemas diários, assim como dos alunos da Escola Industrial de Carapira.

 

Todos os dias ia ao encontro da comunidade de Carapira, após ter rezado as laudes (06:00), ter “matado o bicho”, expressão engraçada que quer dizer tomar o pequeno almoço, ia entre 1:30 a 2:00 ter com as crianças, brincava com elas, levava um sorriso, ajudava a tirar água do poço ás mamãs…o estar com as pessoas, dar um abraço e uma palavra amiga a todos que encontrava. Aprendi que quem nada tem de bens materiais, são de facto os mais felizes, pois não se preocupam com o aspecto físico do outro, com a maneira de vestir e de estar, mas sim a alegria de estar e poder partilhar o pouco que se tem com o outro.

 

Foto

 

Saliento alguns momentos marcantes na minha estadia, numa sexta-feira fui visitar com o Padre Firmino a comunidade de Caserna, era o dia de baptismos, adorei participar nesta festa tão bonita e de uma cultura especial, enquanto o Pe. Firmino confessava os jovens que iam ser baptizados, eu fui dar uma volta na comunidade, e numa das casas, estava um jovem de 12 anos, o David, deitado na entrada da casa, gemendo com dores. Após ter questionado o que se passava e não ter obtido resposta do jovem, aparece a mamã do David, onde informa-me que foi mordido por um bicho. O David, tinha a mão muito inchada, ao ponto de eu ter ficado transtornado, tentei alertar a mamã para ir ao médico, mas, ela disse-me que não podia, era muito longe o centro de saúde, e não tinha dinheiro para ir de Chapa, o único transporte que poderia apanhar. Não consegui ficar impune a esta situação, entretanto levava na mochila água potável, onde limpei a mão do jovem, e ofereci-lhe uma fatia de bolo, que levava para comer caso tivesse fome, o David adorou comer algo doce e tão bom.
Quando cheguei à Escola de Carapira, dirigi-me à casa dos Leigos Missionários, e fui pedir ajuda à Márcia, uma das Leigas que trabalha nesta missão, Portuguesa e do Distrito de Aveiro, onde prontificou-se logo de auxiliar o David.

 

Na semana seguinte encontrava-me com um grupo de cinco jovens de Carapira, na rua a conversar, quando de repente vejo um homem a carregar nas suas costas uma mulher, a mesma estava doente com malária, e o senhor estava de rastos, não conseguia andar muito. Pedi ajuda aos jovens para auxiliar o senhor, mas a resposta foi negativa, pois era normal, a senhora estava com a malária…mas não pude ficar a ver esta situação sem fazer nada, então eu auxiliei o senhor, ele carregava a senhora nas costas, e ele apoiou-se em mim, nos meus ombros…onde não fiz muito, mas penso que ajudei, pois senti que fui útil. São pequenos gestos que podem mudar o mundo.

 

O que mais me impressionou em Moçambique foi a falta de condições em relação à saúde, à educação e aos direitos de igualdade, pois a mulher é considerada inferior ao homem. Mas a alegria, a simpatia, a simplicidade daquelas pessoas faz superar todo o negativismo existente, quero salientar a “educação daquele povo”, onde são educados (gostam de cumprimentar as pessoas), mesmo não terem direito à instrução escolar que muitos povos obtêm.

 

Todos nós tivemos várias responsabilidades, umas mais atarefadas, outras mais folgadas, mas todas muito importantes e com sentido de missão. Vivemos, trabalhamos como uma comunidade. Agradeço a todas as pessoas que nos receberam, nos acolheram, que confiaram em nós…mas de modo especial aos jovens da Escola Industrial de Carapira, ao 3º B, dos quais senti-me mais próximo e todos os dias lembro-me deles, rezo para que estudem, lutem por um futuro melhor e que não se esqueçam que podem ser o que quiserem, não são inferiores a ninguém.

DSC00026

Vivi um sonho do qual nunca esquecerei. Posso dizer que “Cheirei a Missão”, a qual realizou-me como homem e como cristão. Quero voltar!!
Por isso e para isso, peço ao Senhor que nos cure da surdez e da cegueira e nos coloque em comunhão sincera com o seu amor e com o mundo que nos rodeia.
Até breve Carapira - Moçambique!!

Por: Germano Ferreira, Fé & Missão