Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

A missão do outro lado do atlântico

8c3315db-834c-4667-b939-91f8972363ba-1.jpg

Ter fé é assinar uma folha em branco e deixar que Deus nela escreva o que quiser (Santo Agostinho). 

Assim também a missão é deixarmo-nos guiar pelo espírito santo que nos acompanha e espera. 

Chegamos a este caminho com tudo o que somos e assim também partimos. Trouxemos no coração todos os que amamos e nos completam, fizeram-nos chegar até aqui e acompanhar-nos-ão a vida toda, assim dita o amor. Saímos ao amanhecer e também num amanhecer chegámos ao Peru. Conscientes da longevidade da viagem fortalecemo-nos nos abraços que apertados se deram neste longo até jáChegámos à terra à qual chamaremos casa nos anos que se aproximam. 

53fb4635-3d4f-4f5c-8398-226a862ac80b.jpg

À porta do aeroporto já nos esperavam, nos sorrisos e na alegria de finalmente nos receberem. Partilhámos o nosso nome e o nosso carisma. 

Á saída, fomos recebidas pela chuva miudinha que se fazia sentir, e neste turbilhão de sensações percorremos pela primeira vez solo peruano. O período é de puro conhecimento, despojadas de nós damos os primeiros passos junto deste povo que nos acolheu de forma tão amável. Somos nós do outro lado do atlântico vivendo a missão bem ao estilo S. Daniel Comboni. 

c7aabc83-28ff-4b80-bf85-03dec9305f53.jpg

Conhecer os Leigos Missionários Combonianos foi conhecer a nossa família LMC Peruana. Cada um deles partilhou connosco um pouco de si e do seu testemunho de vida e de fé. Pudémos conhecer também os postulantes com quem convivemos e partilhámos bons momentos. Entre conversas, bebidas, comidas e gargalhadas recebemos um pouco deles e demos um pouco de nós, alegres, na certeza de saber que todas estas vidas convergem para Deus. 

Certas de que foi e é Deus quem nos chama a esta missão. Caminhamos juntas certas que chegaremos aonde nos esperam.

7292ae8f-1303-4893-beea-450a996116d0.jpg

 

Neuza y Paula

Primeiros dias da LMC Marisa em Moçambique (parte III)

21057114_1896890750575048_1923795155_o.jpg

Quinta feira, 17 de agosto de 2017

Esta manhã fui pela primeira vez ao bairro, à comunidade. No caminho de regresso o meu coração vinha cheio de alegria. Brinquei com as crianças. Àquelas que me falavam em macua, não consegui compreender o que me diziam. Assim como elas não me compreendiam também. Mas rimos e brincamos, e com esta alegria de sermos crianças conseguimos assegurar afetivamente alguma comunicação não verbal. Com as crianças, até agora, pelo menos, tem funcionado…

Ao passar na entrada da escola, à conversa com Sérgio estava uma senhora. Cumprimentamo-nos:

- Salama! Ihàli?

- Salama! Khinyuwo?

E não deu para mais. Se não contasse com a ajuda de Sérgio, não teria percebido o que a senhora me tentava comunicar. Por um lado, sentia-me agradecida: pela senhora que, mesmo compreendendo que eu precisava de tradução sistemática, não desistiu de falar comigo e de me contar como estava a família e saúde; pela pessoa que me acompanhou e traduziu pacientemente a conversa. Por outro lado, sentia-me envergonhada por não conseguir alcançar o que me estava a ser dito (não só ali, naquele bocadinho, mas durante toda a manhã, e noutros momentos singulares durante a semana, exemplarmente, na eucaristia de Domingo que fora celebrada em língua Macua).

“Depender de traduções exige paciência e humildade… ajoelha-te Marisa, faz-te pequena e sente-te grata”, consolei-me. 

-- -- -- --

Voltei a casa. Estava a arrumar umas coisas quando ouço uma voz jovem:

- Hoti? (Dá licença?)

- Hotìni (faça favor), respondi.

Abri a porta e uma jovem esperava-me com um sorriso. “Oh, bolas! Estou sozinha em casa… se me vem pedir ajuda para o que quer que seja, eu não sei como lhe responder porque ainda não conheço nada…”, pensava enquanto saía...

- Sou Ancha, ouviste falar de mim? Vim me apresentar e dar as boas vindas…

Lá conversamos durante um bocado. «Tempo» … as pessoas aqui conversam e “gastam” tempo uns com os outros - desinteressadamente. Aquele preliminar foi mais uma lição. Aprende, Marisa.

À despedida disse-me qualquer coisa em macua. Não compreendi nem consegui devolver-lhe uma resposta. “Tenho que aprender qualquer coisa de macua… é o mínimo que sinto que posso fazer, para já, como reconhecimento a tamanha hospitalidade do povo…”, disse para mim mesma ao entrar em casa.

Ainda assim… apesar do desconforto que podemos sentir quando não sabemos alguma coisa, não saber «nada» também traz alguma saúde interior e criatividade.

Primeiros dias da LMC Marisa em Moçambique (parte II)

20747580_1891753374422119_1349918073_o.jpg

Sexta feira, 11 de agosto de 2017

Esta tarde, eu e a Kasia, retomamos caminho, agora para Carapira, onde está a nossa missão, a nossa casa. Pelo caminho deliciei-me com a paisagem. A minha primeira ou ‘maior’ impressão de África, de Moçambique, é o espaço – um espaço a perder de vista e em que todos os caminhos são longos, em que há um silêncio da própria paisagem que se faz sentir dentro de nós. Uma paisagem infinda que pede um tempo paciente e demorado para a contemplação. Confio que seja impossível não se ficar extasiado com esta poesia que habita o mundo e que é uma imensidão, o horizonte de Deus.    

-- -- -- --     

À noite, depois do jantar, recebemos em nossa casa um casal de leigos locais, os Professores Martinho e Margarida, as Irmãs Combonianas (Irmãs Clarinda, Eleonora, Maria José e Teresinha), o Irmão Luigi e o Padre Firmino. Foi um momento bonito e alegre de convivência que provou, uma vez mais, o sentido de hospitalidade, sobretudo, que aqui se vive.

 

Quarta feira, 16 de agosto de 2017

Acordei esta noite a pensar que a hora para me levantar estaria próxima. A falta de luz, dentro e fora do quarto, diziam-me que não. Peguei na lanterna, apontei para o relógio pousado junto à cama e os ponteiros confirmaram-me que era noite, e bem noite. Tinha, pelo menos, umas três horas até aos primeiros sinais do dia.  Não consegui adormecer. Sentei-me na cama, encostei-me à parede e descansei na quietude tão singular que aqui se encontra em horas como aquela. “Que paz!”, pensava, enquanto lembrava aquela bonita expressão que tanto sentido me fez de S. João da Cruz - “a noite é o tempo da casa sossegada”.

 

Primeiros dias da LMC Marisa em Moçambique (parte I)

20807063_1892183461045777_162414678_o.jpg

Quinta feira, 10 de agosto de 2017

São 5:00 horas da manhã e a agitação dentro do avião sugere que a aterragem em solo moçambicano esteja para breve. Alguns ainda dormem. Está a ser um voo tranquilo, com tempo para tudo: descanso, assistir filmes, impaciência, vontade de esticar as pernas, beliscões – “isto está mesmo a acontecer!”. O senhor que viaja à janela, à minha esquerda, abre a “cortina”. Uau! O dia está a amanhecer, sou uma abençoada: o primeiro, primeiríssimo milagre que testemunho nesta terra é o nascer do Sol. Magnífico. Nada mais vejo senão um quadro pincelado com cores quentes. É impossível ficar estéril a tamanha beleza, aquelas cores enchem-me de alegria e aquecem-me. Fazem-me ter vontade de aterrar agora mesmo.

-- -- -- -- --

Estou em Moçambique! Cheguei a Maputo. Está quente e os cheiros notam-se ainda mais com o calor. As cores contrastam entre si mas o azul da baía parece unir-se ao céu. As pessoas são sorridentes e curiosas. Há alma nova aqui. A vida acontece num ritmo bastante singular.

À minha espera no aeroporto estava o Padre Paulo, Missionário Comboniano. Aguardava-me com uma revista “Audácia”, sorri assim que me apercebi do “código de localização/ identificação” – “menos é mais” e “para bom entendedor meia palavra basta”.

Levou-me até à Casa Provincial. Pelo caminho mostrou-me uma e outra coisa. Passei a manhã com aquela Comunidade de Maputo.

Depois de almoço seguirei para o aeroporto. Se Deus quiser, ao final da tarde estarei em Nampula com a Kasia.             

-- -- -- --

Estaria mais ou menos a meio da viagem de Maputo para Nampula quando Samuel, de 6 anos, começou a percorrer o avião de um lado para o outro repetidamente. A almofada com que brincava caiu perto do meu lugar. Apanhei-a e estiquei o braço para a devolver.

- English? Abanou a cabeça para a esquerda. Português? Abanou a cabeça para a direita.

- Português, abanei a cabeça para o lado concordante. Rimos e fizemos “mais cinco!”. 

Brincamos e conversamos um pouco sobre tudo e sobre nada.

A dada altura contou-me:

- Vou encontrar a minha família, os meus irmãos. E tu?

- Eu também – respondi sem pensar.

Apercebi-me instantes depois da resposta que lhe dera: “eu também” … Deus queira e me ajude para que assim seja!

 

Aterrei em Nampula ao final da tarde. Estava já escuro. Ainda estava à procura das malas quando a Kasia entrou na «sala» ... Que bom sentir-me acolhida e recebida com aquele entusiasmo que a fez “invadir” aquele espaço para vir ao meu encontro!

Dali seguimos para a casa das Irmãs. Jantamos, conversamos, descansamos. Ao ir para o quarto dei-me «realmente» conta da novidade que estava a acontecer: rede mosquiteira na cama. Não há como enganar, “isto está mesmo a acontecer!”.

Deitei-me feliz e agradecida a Deus por todas as graças que tive até agora, particularmente, ao longo do dia de hoje. O resto, que seja como Ele quiser. 

 

LMC Marisa Almeida

Visita do Geral MCCJ ao Piquiá, no Brasil

 Família Comboniana Piquiá e comunidade MCCJ de Balsas/MA

No dia 31 de Julho recebemos aqui na missão de Piquiá, no Maranhão, a visita do geral dos missionários combonianos, o Pe. Tesfaye Tadesse, acompanhado do provincial do Brasil, Pe. Dário Bossi. Juntou-se a nós para este momento a comunidade comboniana de Balsas, que também fica no Maranhão.

Sinto que foi um momento importante para o geral "tocar com as mãos" a realidade desta missão, sobretudo do povo do Piquiá de Baixo, que busca o reassentamento do bairro.
Também foi momento oportuno de convivência e partilha como Família Comboniana! Tivémos a oportunidade de partilhar sobre as nossas atividades e perspectivas.
A visita encerrou-se com uma missa solene no dia 02 de Agosto à noite, com a grande participação das comunidades, não somente da paróquia Santa Luzia, mas também de São João Batista, antiga paróquia Comboniana. Após a celebração, houve um momento de convívio entre todos.
Foi bonito ver o carinho das pessoas pela presença e história dos missionários Combonianos nesta missão.
Rezemos sempre mais pelas vocações, combonianas e de toda a igreja!

Visita à comunidade de Piquiá de Baixo

Flavio Schmidt 

Um Inesperado plano de Deus para mudar e melhorar os meus planos!

14962553_1213393075388112_8518525290559193764_n.jp

O meu nome é Filipe Oliveira, sou estudante universitário e tenho 19 anos e, ao fazer a caminhada com o grupo "Fé e Missão" do Movimento J IM -Jovens em Missão. Decidi abraçar uma das propostas desse caminho que era a de uma experiência missionária de um mês, na missão comboniana de Carapira, no Norte de Moçambique.

Quando penso nesse mês ... não sei o que acontecerá! Esta antecipação do concretizar de um desejo que me arde no coração enche-me de uma série de emoções! Posso dizer, resumindo o que me vem cá dentro, que estou muito entusiasmado e ansioso! Será, sem dúvida, uma oportunidade fantástica para me poder doar inteiramente; e crescer, recebendo tudo aquilo com que irei sendo tocado, como dizia o poeta: "Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós." (Saint-Exupéry)

Não posso dizer, contudo, que tenho expetativas (nem boas, nem más). Não as tenho - e ainda bem, porque as coisas só fazem sentido se surgirem como uma surpresa - por isso, vou deixar-me surpreender.

20245678_10155417737485900_4725727600556783306_n.j

 

E isto de me deixar surpreender leva-me a falar dos motivos que me levam a partir. Eu gosto de fazer planos: mas raramente os cumpro, ou raramente os concretizo. Muitas vezes o que se planeia é fantástico, é bom, mas não é o plano certo. E, embora tivesse um grande desejo de viver uma experiência destas; e, assim que esta oportunidade me apareceu eu a tenha aceitado sem hesitar muito; talvez não seja aquilo que eu, quando pensava viver algo assim, tivesse pensado. E é esse o motivo que me leva a Carapira: porque eu sei que alguém pensou nisto antes de mim e quis dar a volta aos meus planos. Esse alguém é Deus. Acredito e sinto que é Ele que me "empurra" a Carapira.

A vida de um cristão é um caminho. Esse caminho, não o desenho sozinho: Deus desenha-o comigo. E houve partes do caminho que eu trilhei; e outras que foi Deus quem trilhou. E, não sei mesmo, mas olhando para esses pedaços do caminho ... a sua travessia é desconcertante! Mas, quando chegamos ao fim desse trilho, olhamos para trás e vemos que crescemos tanto ... que somos tão diferentes no fim..., mas, porque mais configurados com Deus, estamos muito melhores, felizes!

Carapira é uma parte do meu caminho que Deus me propõe; uma parte do caminho sobre a qual não tenho expetativas, porque não a planeei ao pormenor, mas que apenas sei uma coisa -que algo de muito maravilhoso terá esse trilho, porque não será atravessado sozinho.

20292625_10155417737670900_4897963697197070340_n.j

 

Preparo-me para partir com um coração vazio: pronto para receber aquilo que Deus, através das pessoas que comigo vão e com as que já lá estão e com quem farei comunidade quiser nele colocar. Assim, parto para fazer um caminho onde espero encher o coração. Um inesperado plano de Deus para mudar e melhorar os meus planos ...

 

Filipe Oliveira

Vou, sigo-O, mas não vou só!

IMG_16072017_110756_HDR.jpgFoi no dia 16 de Julho que celebrámos em comunidade, em Viseu, na paróquia de Rio de Loba, o envio da nossa LMC Neuza Francisco juntamente com a sua família e amigos, que parte em breve para a missão de Arequipa, no Peru. Partilhamos convosco o seu sentir após este grande dia de festa.

 

É com amor e gratuidade que partilho, mais um “Sim”, mais um, por entre tantos já dados até então, nesta caminhada que é a minha vida. Mais um sim, a simplesmente deixar tudo e segui-Lo. Falo-vos de um sim que nada tem de fácil, mas tudo tem de disponível, um sim que está repleto de entrega e de amor. Um “sim”, dado na humildade do que sou, e do que trago em mim. Um sim completo de perseverança na certeza de que “Deus não escolhe os mais capacitados, capacita aqueles que escolhe” (Dom António Couto)

            Este sim de que vos falo, implica deixar tudo, família, amigos deixar o conforto de uma vida que para mim, assim, não tinha sentido. E numa atitude de desapego, porque só através dele conseguimos experienciar uma relação pessoal com Cristo, sem as dependências e seguranças criadas naturalmente ao longo da nossa vida, confio no chamamento que Ele me faz a ser feliz, aqui ou por onde quer que Ele me leve. É a certeza de que caminho cada vez mais dentro de mim, para me conhecer, para poder chegar ao outro, numa relação que só é possível na certeza de que, caminhe eu por onde caminhar, Deus vai de mão dada comigo.

IMG_16072017_101247_HDR.jpg

            Hoje tenho uma profunda certeza de que Comboni caminha comigo no sonho de Deus para nós, e sou eu também, uma das mil vidas para a missão.

            Hoje, Ele chama-me a mais uma vez deixar o meu barco na praia e com Ele encontrar outro mar. Vou, sigo-O, mas não vou só. Levo em mim a oração de todos aqueles que cruzaram o meu caminho e semearam em mim pequenas sementes de um amor profundo que germinou e germina ainda aqui, bem dentro do meu coração. Vou, mas não vou só. Levo em mim todos os corações que cruzaram o meu caminho e me ensinaram a amar, mais e mais. Levo comigo todos aqueles, cuja história de vida se entrelaçou na minha e me levaram a conhecer um Deus misericordioso e compassivo. Guardo em mim os abraços dados no decorrer de um caminho fecundo e fértil, guardo com amor as mãos estendidas, que apesar das muitas quedas, sempre me ajudaram a levantar. Vou, mas não vou só. E como muitas vezes diz a minha avó: “vou com Deus”.

            Neste momento, sou chamada ao Perú. Sinto que mais uma vez Ele me convida a amar, a partilhar, a estar, a entregar-me, a confiar, para que com o povo ao qual sou chamada, possamos ser juntos. Ele chama-me a ir aos mais pobres e marginalizados das periferias de Arequipa. Chama-me a ser eu, e a deixar que o tesouro que trago em mim frutifique com o outro. Abraço a missão de Arequipa, como quem abraça um sonho, um sonho sonhado e esperado desde sempre. Um sonho ao qual me entreguei e entrego todos os dias. E não, não falo de uma utopia ou de algo surreal; falo sim, de um sonho de ser por inteiro, abrace eu a realidade que abraçar.

            Vou, não porque quero salvar o mundo, mas porque também eu, quero fazer parte dessas feridas abertas no mundo, ferida, composta de pessoas de carne e osso que num lugar distante, também trazem dentro de si, um pedacinho de Deus. Quero ser com eles, quero ver o rosto de Deus, na desumanidade que busca um sentido com os pés na terra e as mãos cheias de nada. Quero ver Deus nos sorrisos espontâneos de quem desconhece o amor, mas vive diariamente para louvar.

IMG_20170731_174045.jpg

            Caminho, na confiança, entrega e alegria de saber, que é a Cristo que eu sigo, é a Cristo que eu levo e é a Cristo que eu irei sempre encontrar. Caminho e em cada passo que dou, dou-o com a liberdade de saber que serão sempre os Seus braços misericordiosos onde me vou refugiar em cada pôr-do-sol, e será Ele a esperança que me fará erguer a cada amanhecer.

            Parto em nome de uma comunidade, em nome da Igreja, em nome de Jesus Cristo, vou anunciar o Evangelho do Amor. E neste profundo crescer em mim, em Deus e no outro peço-vos: rezem por mim!

IMG_16072017_145910_HDR.jpg 

Com Amor e gratuidade,

Neuza Francisco

Notícias dos LMC Liliana e Flávio - Festa da colheita em Piquiá, no Brasil

19756887_1568901163166994_6795483671616133596_n.jp

No passado domingo 9 de Junho realizou-se a Festa da Colheita na comunidade São José do assentamento João do Vale da paróquia Santa Luzía de Piquiá (Brasil), que contou com a presença de mais de 1000 pessoas das diferentes paróquias da cidade de Açailândia e do Bispo da Diocese de Imperatriz D. Vilson Basso.

19756818_1568891863167924_2319970864606972311_n.jp

 

O objetivo desta grande festa, que já vai na 10ª edição, é celebrar o dom da colheita e refletir sobre a terra como local de trabalho e meio de subsistência das famílias, lembrar as suas lutas e fazerem-se um num grito que clama pela justiça no direito à terra e no respeito pela criação.

19961168_1569143959809381_1893027770877931787_n.jp

 

O tema deste ano foi “Agricultura familiar em defesa da vida” e o lema “Cultivar e guardar a criação” Gn 2: 15.
A festa iniciou com o acolhimento na quadra desportiva do assentamento e com um café da manhã especial preparado com base nos produtos retirados da terra (macaxeira (mandioca), abóbora e diversas frutas) provenientes da partilha das diferentes comunidades que se fizeram presentes. Depois, seguiu-se a celebração da eucaristia, onde o bispo D. Vilson Basso falou da importância da agricultura familiar e do dever de lutar pela terra e denunciar aqueles que a querem usurpar. Reforçou a importância de não desistir por se tratar de uma luta justa e a necessidade de todos estarem unidos. Relembrou os 10 trabalhadores rurais assassinados numa fazenda no Estado do Pará (https://www.cptnacional.org.br/index.php/publicacoes-2/destaque/3794-chacina-em-redencao-pa-deixa-pelo-menos-10-posseiros-mortos) e todos aqueles que são perseguidos e pressionados para deixarem as suas terras.

19983821_1569043263152784_5267751052606355925_o-1.

No momento do ofertório as diferentes comunidades apresentaram alguns dos seus produtos agrícolas no altar do Senhor em sinal de agradecimento e na esperança de uma relação mais respeitosa entre a humanidade e a criação.

19990110_1568900866500357_3301076590565608400_n.jp

 

Depois de um almoço partilhado seguiram-se várias apresentações culturais, desde teatro, danças tradicionais e brincadeiras, terminando com a entrega de uma muda de Ipê a cada comunidade e o anúncio da comunidade onde será realizada a festa da colheita no próximo ano.

19990260_1568901383166972_2771861042403584139_n.jp

 

LMC's Liliana Ferreira e Flávio Smitch

Encontro de "avaliação" e convívio - 11ª unidade formativa LMC

IMG_09072017_111133_HDR.jpg

Foi nos passados dias 7, 8 e 9 de Julho que decorreu na casa dos Missionários Combonianos do Coração de Jesus – MCCJ – de Viseu a 11ª unidade Formativa LMC.

O sábado, dia 8, deu lugar a uma “avaliação” dos formandos, ou melhor afirmando… uma conversa entre cada um dos formandos e a equipa coordenadora sobre os passos que se vão traçando neste caminho de descoberta da vida LMC. A formação de dois anos que é proposta aos formandos que aceitam o convite de conhecer o que é ser LMC não se limita a dois meros anos. É uma formação que leva a vida. É a própria vida. Um caminho de avanços e recuos mas que, de x em x tempo merece uma atenção e uma “avaliação”, quer de cada um para consigo mesmo, quer em comunidade na partilha sobre “pontos de situação - em que ponto estou no caminho como LMC”. Ao fim do dia abraçámos uma maravilhosa chegada das LMC’s Neuza e da Paula, acabadinhas de chegar da comunidade de Granada. E connosco partilharam a sua experiência na comunidade Lisanga, que viveram com com os LMC espanhóis Aitana e David. Partilharam ainda um projeto – o projeto que irão abraçar durante os dois anos que estarão em Arequipa em missão. Este projeto terá como pano de fundo a pastoral social e serão trabalhadas situações de violência familiar, a aproximação da população ao novo centro de saúde, bem como a formação de líderes (aproveitando os que já se encontram a trabalhar na paroquia).

 Aqui deixamos um vídeo sobre o projeto em Arequipa de nome Ayllu, o nome que se designa a cada grupo familiar de uma comunidade indígena da região dos Andes.

 

FB_IMG_1500746083132.jpg

Já no domingo pudemos receber a nossa família e amigos e juntos celebrar está família que temos. A Paula e a Neuza uma vez mais falaram da sua experiência na comunidade de Lisanga, desta vez não só para LMC's mas para os restantes presentes (familiares e amigos). Seguiu-se a Eucaristia, o almoço convívio e uma tarde animada de músicas, jogos e dança.

FB_IMG_1500746072608.jpg

A todos temos a agradecer a presença (física e/ou em oração). Foi um dia muito bom no qual se fez marcar a presença da união que São Daniel Comboni propôs a todos os povos. É um orgulho pertencer a uma família assim. Estamos juntos na e para a vida.

 

Com amor, Carolina Fiúza

Fim de Semana de Espiritualidade Missionária Comboniana

Nos dias 23, 24 e 25 de junho teve lugar na casa dos Missionários Combonianos, da Maia, o fim de semana de Espiritualidade Missionária Comboniana, que se realiza anualmente. Entre consagrados (as), LMC´S, colaboradores, membros dos cenáculos de oração, jovens do Fé e Missão, simpatizantes da Família Comboniana, reuniu-se uma vasta equipa – com participantes de norte a sul do país.

received_468612490155231.jpeg

Um grupinho de nove Leigos Missionários Combonianos, marcou presença. Eu participei, e agradeço a Deus a oportunidade. Foi bom!

Com a temática: “Com Maria, missionários de Jesus”, o encontro subdividiu-se em três grandes subtemas, dois apresentados durante o sábado e um terceiro que através de um painel surgiu na manhã de domingo.

 

"É de Maria que se aprende o verdadeiro sentido de ser discípulo."

O primeiro subtema denominado: “O caminho missionário de Maria”, a cargo pelo Padre Dário, Missionário Comboniano, que nos apresentou Maria como a primeira discípula, como a primeira missionária, disponível a “levar” Jesus aos outros, como exemplo de Misericórdia, contemplando a ação de Maria, o “SIM”, a visita à prima Isabel e a cada momento intervindo com pequenos cânticos de Maria. Sem dúvida um momento muito bom! E citando Papa Francisco, ficou-me esta certeza:

 

 «É necessário aprender com Maria, reviver o seu «SIM», a sua disponibilidade total para receber o Filho de Deus na sua vida, que a partir daquele momento a transformou.»

de Papa Francisco

 

Com divisão dos participantes, em grupos, foram diversos os momentos de partilha, o que nos ajudou a interagir e a conhecer outras experiências, bem como, verdadeiros testemunhos.

FB_IMG_1498340685545.jpg

 

O segundo subtema, chegou-nos pelas palavras da Irmã Arlete, Missionária Comboniana - “O caminho missionário de Daniel Comboni, com Maria”Vimos o percurso de São Daniel Comboni desde da entrada dele no Instituto Mazza até à sua paixão pelo povo africano, passando pela sua entrega e devoção também ao Sagrado Coração de Jesus e Maria.Com auxílio, aos escritos de Comboni, conseguimos perceber melhor esta devoção.

 

«Foste tu, divina Mãe, que me inspiraste, para o novo Plano para a Regeneração da África,(...)».

de São Daniel Comboni

 

MARIA, adotou-nos como filhos no Calvário. E como diz o Santo Padre: "Temos Mãe!" - uma mãe que nos protege e acolhe no Seu manto. Uma Mãe que tem de ser um exemplo de vida. Uma Mãe que nos mostra como seguir Jesus.

Com tempos definidos, a reflexão, os cânticos, o espaço para convívio, os momentos de oração não faltaram.

Já no domingo de manhã, depois da oração da manhã, organizada pelos Leigos Missionários Combonianos, surgiu o terceiro subtema, não menos importante: “O Lugar de Maria, no nosso Caminhar Missionário”, a jeito de um painel muito diversificado, vivemos um bocadinho o trabalho desempenhado pelos cenáculos de oração, o trabalho realizado pelos Grupos da Infância Missionária e por sua vez, esteve representado também o grupo JIM - o Movimento Jovem da Família Comboniana.

Os participantes do painel mostraram aos presentes o quanto Maria está presente em suas vidas. E como é vivida a devoção por Maria nos grupos.

received_468612523488561.jpeg

 

Entre os temas e reflexões, o acolhimento, surgiu com a participação de Helena Laranjeiro, Missionária Secular Comboniana.

 

Alegria e boa disposição não faltaram, até porque era fim de semana de São João!!! Os motivos para fazermos festa também não faltaram, em dia de São João, Padre Claudino, completou 44 anos de Sacerdócio, no dia 25 foi a vez de Padre Dário estar de parabéns com os seus 45 anos de Sacerdócio. Parabéns a ambos...Votos de muitos mais anos de Missão!!

 

 

received_468612410155239.jpeg

Sofia Coelho