Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

"A medida do amor é amar sem medida" - Matrimónio da Andreia Martins e do Filipe

Foto 1.jpg

E que felicidade este fim de semana! Deus abençoe estas duas vidas que se uniram com o Sacramento do Matrimónio, sábado dia 24 de Junho: a nossa querida Andreia Martins e o Filipe. A celebração decorreu em Casais Robustos (aldeia do distrito de Santarém), terra da Andreia.

 

 

 

Foto 2.jpg

"Feliz do homem que tem uma mulher virtuosa, porque será dobrado o número dos seus dias. A mulher forte é a alegria do seu marido: ele passará em paz os anos da sua vida. Como o sol que brilha no alto dos céus, assim é a beleza da mulher virtuosa, como ornamento da sua casa!" (citando excertos da 1ª Leitura, Livro do Eclesiástico 26, 1-4.16-21)

 

"Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus, e todo o que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor. (...) Ninguém jamais viu a Deus. Se nos amarmos mutuamente, Deus permanece em nós e o seu amor em nós é perfeito." (citando excertos da 2ª Leitura, 1ª S. João, 4, 7-12)

 

 

 

 

 

 

Que ambos juntos, unidos pelos amor de Cristo, "permaneçam no Seu amor, guardando os Seus mandamentos e amando-se como Ele os ama" (citando o Evangelho, João 15:9-12).

20170624_231826.jpg

Aproveitando a frase que tomava o seu lugar na boda, "A medida do amor é amar sem medida" (Santo Agostinho). Pois que se amem desmedidamente e que este amor gere vida ao vosso redor. Os Leigos Missionários Combonianos estão unidos a vós em oração e como família.

 

Com Amor, Carolina Fiúza.

Partilha da vida e de saberes

IMG_20170413_144317[1].jpgO que tem em comum uma senhora russa, com mais de 70 anos, com curso superior e uma senhora da Guiné-Bissau, com cerca de 50 anos, sem nenhuma escolaridade? Ambas encontram-se em Portugal, vivem num bairro periférico da grande Lisboa e desejam aprender o português.

E é na Quinta das Mós, num espaço cedido pela Câmara Municipal para uso da Paróquia de Camarate, a partir desta necessidade bem concreta de duas pessoas, que nasce o projeto de alfabetização de adultos.

Baseado no método de Paulo Freire, adaptando-o para esta realidade específica, iniciámos as aulas nas tardes. Os níveis de aprendizagem e as necessidades são bem diferentes. Porém, neste método que busca a aprendizagem a partir da realidade, e leva a pessoa a lançar um olhar crítico sobre si mesma, possibilita essa interação, e mais do que isso, a solidariedade entre as envolvidas.

IMG_20170322_152958[1].jpg

 

Aos poucos outras pessoas vão agregando-se ao grupo, e abre-se uma nova turma de manhã, pois algumas das interessadas trabalham à tarde. O movimento é constante. Há abandonos por questões de trabalho, de saúde, de casa.

As duas turmas são formadas por mulheres. Um grupo acaba, persistem três. As duas do início e uma outra rapariga, mais jovem, que estudou somente até à 2ª classe.

As aulas são mais do que letras e palavras. São conversas, partilha de dificuldades, apoios e encaminhamentos para tratar documentos, encontrar casa para arrendar, traduzir conversas, esclarecer dúvidas do quotidiano, melhorar as pronúncias... Uma precisa sair de onde está, pois vive de favor e já não dá! A outra tem um quarto para lhe arrendar; uma quer aprender costura, a outra sabe e dispõe-se a ensinar; uma recebe alimentos, partilha com a outra que está sem receber vencimento... E assim seguimos, partilhando a vida e os saberes, promovendo a aprenzidagem e a valorização da pessoa, a partilha e a solidariedade! "Salvar África com África"!

IMG_20170426_150228[1].jpg

LMC Flávio Schmidt

Animação Missionária - São Mamede Infesta

20170611_180819[234].jpgFoi no passado fim de semana, dia 11 de Junho, que decorreu a nossa animação missionária na Igreja Paroquial de S. Mamede Infesta, concelho de Matosinhos. O dia apresentou-se bem soalheiro e pelas 10h começamos o programa. Confesso que me sentia um pouco apreensiva em virtude de 70% dos paroquianos terem uma idade já avançada. Será que as palavras do Carlos e da Sandra fariam eco nestes corações? Mas o Senhor toca todos e na realidade , entre as mais duas celebrações em que estivémos presentes e o terço missionário que pudemos rezar, o saldo foi muito positivo. 

 

20170611_192927[232].jpg

 

A missa das 19h foi celebrada pelo Padre Dário, que deu um cunho diferente às habituais celebrações.

Identificar-me perante a minha comunidade paroquiana, como fazendo parte da Familia Comboniana deixou-me feliz. É a sensação de me encontrar no caminho certo, no caminho que o Senhor me indicou.

Obrigada Familia Comboniana por me terem recebido no Vosso seio com tanto carinho e amor fraternal.

 

 

20170611_190655[233].jpg

 

Maria José Martins

 

 

Dia da Família Comboniana

IMG_10062017_104154_HDR.jpg

 

Foi no passado dia 10 de Junho, dia do Anjo de Portugal, que nos reunimos com vários membros das diversas realidades da Família Comboniana -  Missionárias Seculares Combonianas, Irmãs Missionárias Combonianas e Missionários Combonianos - para, com muita alegria, celebrarmos pela primeira vez o DIA DA FAMÍLIA COMBONIANA. O evento decorreu em Óis da Ribeira (Fermentelos - Águeda) e éramos cerca de 50 missionários e missionárias. 

Após abraços de quem se reencontra e revê em espírito de família, o programa começou com a Eucaristia que decorreu numa das divisões da casa dos Combonianos de Fermentelos. Confesso, um local que a mim tanto me fez lembrar um verdadeiro cenáculo de Jesus pela simplicidade que primava em todo o espaço! 

 

IMG_10062017_130125_HDR.jpg

 

Seguiu-se o almoço de farnel partilhado e um convívio na Pateira de Óis da Ribeira, onde pudémos desfrutar do agradável dia solarengo entre conversas, partilha de vida, músicas e muita natureza. Engraçado foi assemelhar também toda a beleza da Pateira, na qual existe um vasto lago, ao Lago do Garda junto do qual São Daniel Comboni cresceu.

 

 

 

 

 

 

IMG_10062017_115020_HDR.jpgIMG_10062017_143711_HDR.jpg

 Um dia de convívio para celebrar a fertilidade do carisma comboniano nos 150 anos da fundação dos Missionários Combonianos. E "como são belos os pés que anunciam a paz", poder estar mais perto de cada pessoa que constitui esta grande Família e apaixonar-me ainda mais por ela, pela grandiosidade do coração de cada um que ali esteve naquele dia. 

 

Clica aqui e aqui para visualizares mais imagens deste dia.

 

com Amor, Carolina Fiúza

Lágrimas

Lágrimas 1 (Paula Junho).jpgLágrimas 2 (Paula Junho).jpg

As lágrimas que choramos e as que ficam petrificadas no olhar seguro de Ti, seguro em Ti.

São minhas. São tuas. São nossas. É a humanidade na sua essência e à flor da pele. Pequenas partículas de um amor que suporta, em tudo crê, e em tudo vêem gestos reveladores de Deus. São metáforas de sorrisos que se olham nos olhos, fazem parte real do que somos e do que trazemos em nós de mais belo, de mais frágil, de mais verdadeiro… São essência, são expressão feliz de que, fruto de um Amor transcendente aceitamos, vivemos e somos apenas o que levamos dentro.

Lágrimas 3 (Paula Junho).jpgLágrimas 4(Paula Junho).jpg 

 

É alma a transbordar de sentimento. São momentos, são pessoas e lugares que nos fizeram casa no coração. É o corpo a preparar-se, a tomar asas para voar quando os pés não bastarem. Lágrimas, lágrimas são também o abraço ao irmão que podemos ser nós. É olhar a miséria, a guerra, as tragédias e sentindo a dor de Deus, ser as suas lágrimas. Lágrimas fazem caminho.

São pureza, uma mística vivida de um amor em comunidade. Um amor que se deixa revelar e em tudo se reveste de silêncios e espaços de liberdade. Que em tudo se ampara e dá sentido. Porta aberta para o outro. Gotas de mútua compreensão de amargura, de esperança multiplicadas por quatro. São encontros de almas, abraços ao coração. São bilhetes de ida ao coração do outro, aos seus mundos indizíveis e invisíveis. São tantas vezes o toque de Deus. É Deus que nos purifica, nos faz missionários e nos prepara para a missão.

São fruto da experiência do simples viver e da entrega diária a Deus. Fazem parte do risco e em tudo moldam os nossos passos. Em tudo fazem parte de duas vidas entregues nos braços de Deus.

São lágrimas.

Serão sempre lágrimas…

(lágrimas de Deus)

 

LMC'S​ Neuza Francisco e Paula Ascenção

"Reler e reler-me - a família e o projeto de vida"

Formador Dr Miguel Villas Freitas

Foi nos passados dias 19, 20 e 21 de Maio que decorreu a 9ª unidade Formativa LMC em Viseu, com o tema “Reler e reler-me – a família e o projeto de vida”, orientado pelo psicólogo Dr. Miguel Villas Freitas.

A formação teve início no fim da tarde de dia 19, Sexta-feira. Depois de uma calorosa receção, lá nos fomos juntando, com troca de sorrisos, beijos, abraços e novidades! Sim, são abraços à LMC, como eu lhes chamo, por serem bem apertados e genuínos de quem anseia encontrar-se para partilhar momentos únicos e muito enriquecedores!

 

Iniciámos o dia de Sábado com uma breve abordagem do formador, para que entendêssemos melhor o que é reler-me: fazer uma leitura pormenorizada dos acontecimentos passados e das minhas características; tomar consciência de que ninguém o faz por mim; é um tornar-me presente diante da “Presença” para um encontro comigo próprio! E como “cada um de nós se define pelas relações que mantém com o outro”, este encontro foi feito em grupo e assim encontrámos juntos os sinais desta “Presença”.

 

Em seguida, com a orientação do formador, cada elemento do grupo foi incentivado a fazer uma viagem ao seu passado, localizando-se num período da vida onde fora muito feliz! Depois de uma pausada análise dos motivos impulsionadores dessa felicidade, fomos solicitados a transportar esse estado de espírito de paz, sucesso, bem-estar, alegria, realização e felicidade, para o momento presente. Cada um foi ao encontro da sua pérola de sabedoria que desencadeou tanta felicidade nesse período que cada um reviveu. É necessário recuperar esta pérola, trazê-la para o hoje, cuidar dela!

 

Analisámos experiências bíblicas de um reler interior como por exemplo, o encontro de Jesus com os discípulos de Emaús e o encontro de Jesus com Nicodemos. São experiências onde se passa inevitavelmente pelas seguintes etapas: (1) Reformar; (2) Conformar; (3) Transformar; (4) Confirmar.

 

Quem passa por elas analisa as zonas do seu ser que precisam de ser convertidas, procura tomar a forma de Jesus, transforma-se e passa a viver em conformidade com esta transformação. Assim, sai de si, abandona as falsas seguranças e vai para uma lógica de entrega e serviço. Passa a procurar não só o que dá bem-estar, que satisfaz, mas sobretudo o que realiza e deixa marcas mais profundas no seu caráter!

 

Ao logo da manhã foram-nos proporcionados momentos de reflexão individual, seguidos de partilha a dois e, depois, com todo o grupo. Concluímos a manhã de reflexão com o visionamento do documentário “Celebrando o que o mundo tem de bom” da National Geographic, riquíssimo em mensagens relacionadas com a procura do que há de mais belo neste mundo.

 

Durante a tarde refletimos sobre as 24 forças de caráter, escolhendo cada um, aquelas que o impulsionam à ação com toda a naturalidade. Questionamo-nos, individualmente, sobre quais as energias que precisam de ser mais trabalhadas em nós próprios e quais as mais indispensáveis em terreno de Missão como LMC.

 

De seguida fizemos a reflexão individual, com questões muito concretas para responder e partilhar depois, sobre dois pontos: (1) A minha paixão; (2) O meu propósito.IMG_20052017_193108.jpgOração da Tarde

Na oração da tarde tivemos momentos de grande interioridade e partilha. Ele, Jesus Cristo, está ali connosco e o seu Espírito fala em cada um. Como é bom estarmos ali reunidos no cenáculo!

 

 

 

 

À noite, e para relaxar, sem perdermos o espírito de interiorização, vimos o filme: “O Mordomo”.

 

No Domingo surgiram mais momentos de oração e partilha.

Foram-nos apresentados 3 quadros à volta dos quais, deveríamos colocar nossa atenção e reflexão:

 

“Jesus mostra as suas feridas a Tomé!”

Quais as minhas feridas? Como assumi-las em vez de as esconder?

 

“Pegadas na areia!”

Reler momentos da minha vida em que Jesus me pegou ao colo. Com quem e através de quem?

 

“Diminuir o tamanho da minha cruz não é solução.”

Tenho consciência de que sempre que tento diminuir a minha cruz perco a oportunidade de crescer a nível humano e espiritual?

        

Individualmente definimos um propósito para ser levado para casa como desafio e ponto de esforço, tendo em vista que só comprometendo-nos com a mudança poderemos ser felizes!

 

Em conclusão: Só me encontrando comigo, vendo como sou realmente, quais as minhas feridas, que cruz carrego eu e colocando tudo nas mãos de Deus, deixando-me transformar, é que aprenderei a ser o melhor de mim para o mundo, percorrerei o caminho que me levará à Missão e a ser feliz nesta missão à qual estou destinada!

Foto Grupo

 

Glória Rocha

“Todo tiene su tiempo y sazón, todas las tareas bajo el sol” Ecl 3, 1

18485475_1519187974800421_4140687975895732154_n.jp

O amor em comunidade cresce como a fermentação do pão. O principal ingrediente é o tempo. O tempo que amassa com a disponibilidade que cada um dá de si em prol do outro. Não basta sabermos os ingredientes. Não basta conhecer a receita. Não basta ter bons cozinheiros. É preciso tempo. É preciso dar tempo ao tempo ou então todo o resultado será vazio, sem sentido, fútil.  Deixemo-nos moldar por Deus e ao partir do pão tornemo-nos família.

 18447313_1519187561467129_924321831793718301_n.jpg18425337_1519187311467154_8224108988565275148_n.jp18447595_1519186698133882_4239878696056835960_n.jp

 

Comunidade “Lisanga”: Neuza y Paula

Envio da Márcia

Neste fim-de-semana de 24 e 25 de Outubro, pudemos estar presentes na Paróquia da Márcia, Valongo do Vouga, para celebrar o seu envio para a missão de Mongumba na Republica Centro Africana, juntamente com a sua Comunidade Eclesial.

 

No Sábado, começamos por participar em vários encontros de catequese onde falamos da partida da Márcia e apresentamos vários aspectos da Missão da Igreja. Estivemos presentes na Missa para as crianças, muito participada, onde se percebeu a animação da sua Paróquia. À noite, fizemos uma vigília de oração com um bom número de pessoas.

 

No Domingo foi o grande dia, a igreja estava cheia para participar na Missa de envio presidida pelo Pe. Luís Filipe Dias, Missionário Comboniano que, para além de já ter trabalhado naquela paróquia, foi um dos responsáveis pela construção das fundações do nosso Movimento em Portugal.

 

A Eucaristia foi carregada de sentido e vivida com muita emoção. Para alem do significado que tem a partida da Márcia, foi sublinhado o papel dos que ficam, especialmente dos familiares e amigos mais próximos, que também são convidados a olharem para este acontecimento com os olhos da fé e a entregarem todas as dificuldades a Deus para participar desta forma tão especial na Missão da Igreja.

 

Foi muito bom poder ter participado neste fim-de-semana missionário, por tudo o que representa a partida de mais uma missionária de Jesus para o Mundo, mas também pelo convívio com todos aqueles que se sentem próximos da Márcia e participaram da festa.

 

A forma como a família da Márcia nos abriu as portas foi tocante, dando-nos o privilégio de assistir, tanto à alegria de vê-la a dar um passo tão importante, como à saudade que o afastamento que se aproxima promete a todos.

 

Agradecemos a hospitalidade de toda a comunidade de Valongo do Vouga que foi maravilhosa pelo entusiasmo demonstrado nas Eucaristias. Agradecemos ao Pe. João Paulo, pároco de Valongo do Vouga, pela disponibilidade, abertura e participação sentida. Finalmente agradecemos à Família da Márcia pela alegria e hospitalidade com que nos recebeu. 

 

Todos juntos pedimos ao Senhor que, por intercessão de Maria e Comboni, acompanhe sempre a Márcia pelos caminhos da Missão, que mantenha o seu coração aberto aos Seus Desígnios e os nossos fervorosos na oração para que tudo corra segundo a Sua vontade.

 

                                                                                                          Pedro Moreira

LMC       

 

Ecos dos Encontros de Setembro e Outubro

Encontro de Setembro
 

O novo ano de formação teve início no fim-de-semana de 12 e 13 de Setembro. Foi bom reencontrar amigos (infelizmente nem todos conseguiram estar presentes) e dar as boas vindas à Graciete e ao Carlos, os nossos mais recentes companheiros de caminhada.

O tema deste primeiro encontro foi Jesus Cristo e o Reino, onde debatemos conteúdos como: o Reino de Deus e a Missão, O Reino de Deus e a Igreja e ainda a conferência do Pe. Carlos Carneiro sobre a Vida.

Em síntese:

- A missão é de Deus Pai que se realiza no Filho pelo Espírito Santo, o que faz de nós missionários por participação;

- Para viver em missão, mais importante que o FAZER é o SER, pois é fundamental que nos conheçamos bem, que nos aceitemos na nossa totalidade, só assim conseguimos ter uma relação mais próxima com Deus e com os outros. Como nos diz o Pe. Carlos Carneiro na sua conferência: “Ninguém pode viver fora de si… quanto mais perto de Deus mais perto de cada um de nós.”

- A Igreja é um meio ao serviço do Reino que tem como missão: difundir a Palavra de Deus, anunciar o Reino de Deus e fomentar a força da actividade missionária.

Ninguém melhor para definir o Reino de Deus que Jesus Cristo, foi o que fez nas Suas parábolas: Mc.4,26 - O Reino de Deus é como uma semente; Lc.14, 21 - O Reino de Deus é como o fermento; Mt.13, 44 - O Reino de Deus é como um tesouro escondido. O Reino de Deus é comparado a coisas pequenas e que nos podem parecer insignificantes, mas que nos conseguem surpreender de forma positiva e maravilhosa. 

 

Liliana
 

 

Encontro de Outubro

 

Mais um encontro se realizou no fim-de-semana de 17 e 18 de Outubro, que teve como tema a Assertividade. Neste novo encontro juntou-se ao grupo mais um elemento, a Sofia, que vem da zona do Porto (Vila do Conde).

No dia 17, começamos por partilhar um momento bonito que nos aconteceu nos últimos tempos, passando depois para a definição de assertividade, que não é mais que um “acto de defender os direitos pessoais e exprimir pensamentos, sentimentos e convicções de forma apropriada, directa e honesta, de modo a não violar os direitos dos outros” em suma significa afirmar-se.

Como nos diz S. Mateus no seu evangelho “Seja este o vosso modo de falar: sim, sim, não, não.” (Mt.5, 37). É essencial cultivar a simplicidade no modo de falar. Para nós cristãos é importante que tenhamos coragem de uma auto-avaliação na oração a Jesus Cristo, sobre o modo como nos afirmarmos perante os outros e nós próprios de modo a crescer no amor e na humildade.

A assertividade pode não ser uma característica inata ou um traço de personalidade que alguns de nós possuem e outros não, mas é uma aptidão que pode ser aprendida e trabalhada ao longo da vida.

Ser assertivo é ser empático e torna-nos mais feliz. E é algo que devemos procurar, por mais difícil que possa parecer, apenas temos de ser persistentes e sempre nós próprios.

Um aspecto que é importante ter em conta é que ninguém é 100% asserti vo com todas as pessoas e em todas as situações.

 

 

Depois da discussão sobre a temática dedicámo-nos à preparação da Festa Missionária da Casa de Coimbra e ao já tradicional jogo da canastra. Após do jantar participamos na Vigília Missionária na Sé Nova de Coimbra, presidida pelo Bispo de Coimbra D. Albino Cleto. E no dia 18 tivemos a Festa Missionária.

 

Sandrina e Liliana

 

 

 


 

Moçambique

 Estive em Moçambique nos anos de 2004 e 2005 na missão de Mangunde como Leiga Missionária Comboniana. A missão fica a 300kms da cidade da Beira para interior. Colaborei como professora no Projecto ESMABAMA dando aulas na escola da missão, trabalhando com os professores no aperfeiçoamento da sua prática pedagógica, ajudando no lar feminino e dando-me sempre que possível e oportuno.  

Este ano tive a graça de puder voltar a Moçambique e fiquei muito contente de constatar que o país está crescendo a todos os níveis: político, económico, social e no número e no empenho das suas comunidades cristãs. Foi com imensa alegria que verifiquei também que a maioria dos meus antigos alunos se encontram a estudar, ou até já são meus colegas, e continuam activos nas suas paróquias. Que gratificante para a missão de Mangunde e para todos os que lá se deram e continuam a dar das mais diversas formas!

Não quero com isto dizer que já não são precisos mais missionários em Moçambique, bem pelo contrário! Ainda há comunidades que não sentiram o Amor e a Misericórdia do Senhor, jovens que buscam uma luz para seguir, crianças que se querem sentir amadas incondicionalmente pelo Pai.

Peço orações e coragem para que aumente o número de missionários e para que os que se encontram em missão sejam sinal de simplicidade, fervor e total disponibilidade, à semelhança do nosso fundador São Daniel Comboni.

Tabonga! (Obrigada na língua local)

 

Maria Lucília Marques

 

Encontro com antigos alunos, hoje a fazer uma licenciatura, na Beira