Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Notícias dos LMC Liliana e Flávio - Festa da colheita em Piquiá, no Brasil

19756887_1568901163166994_6795483671616133596_n.jp

No passado domingo 9 de Junho realizou-se a Festa da Colheita na comunidade São José do assentamento João do Vale da paróquia Santa Luzía de Piquiá (Brasil), que contou com a presença de mais de 1000 pessoas das diferentes paróquias da cidade de Açailândia e do Bispo da Diocese de Imperatriz D. Vilson Basso.

19756818_1568891863167924_2319970864606972311_n.jp

 

O objetivo desta grande festa, que já vai na 10ª edição, é celebrar o dom da colheita e refletir sobre a terra como local de trabalho e meio de subsistência das famílias, lembrar as suas lutas e fazerem-se um num grito que clama pela justiça no direito à terra e no respeito pela criação.

19961168_1569143959809381_1893027770877931787_n.jp

 

O tema deste ano foi “Agricultura familiar em defesa da vida” e o lema “Cultivar e guardar a criação” Gn 2: 15.
A festa iniciou com o acolhimento na quadra desportiva do assentamento e com um café da manhã especial preparado com base nos produtos retirados da terra (macaxeira (mandioca), abóbora e diversas frutas) provenientes da partilha das diferentes comunidades que se fizeram presentes. Depois, seguiu-se a celebração da eucaristia, onde o bispo D. Vilson Basso falou da importância da agricultura familiar e do dever de lutar pela terra e denunciar aqueles que a querem usurpar. Reforçou a importância de não desistir por se tratar de uma luta justa e a necessidade de todos estarem unidos. Relembrou os 10 trabalhadores rurais assassinados numa fazenda no Estado do Pará (https://www.cptnacional.org.br/index.php/publicacoes-2/destaque/3794-chacina-em-redencao-pa-deixa-pelo-menos-10-posseiros-mortos) e todos aqueles que são perseguidos e pressionados para deixarem as suas terras.

19983821_1569043263152784_5267751052606355925_o-1.

No momento do ofertório as diferentes comunidades apresentaram alguns dos seus produtos agrícolas no altar do Senhor em sinal de agradecimento e na esperança de uma relação mais respeitosa entre a humanidade e a criação.

19990110_1568900866500357_3301076590565608400_n.jp

 

Depois de um almoço partilhado seguiram-se várias apresentações culturais, desde teatro, danças tradicionais e brincadeiras, terminando com a entrega de uma muda de Ipê a cada comunidade e o anúncio da comunidade onde será realizada a festa da colheita no próximo ano.

19990260_1568901383166972_2771861042403584139_n.jp

 

LMC's Liliana Ferreira e Flávio Smitch

Lágrimas

Lágrimas 1 (Paula Junho).jpgLágrimas 2 (Paula Junho).jpg

As lágrimas que choramos e as que ficam petrificadas no olhar seguro de Ti, seguro em Ti.

São minhas. São tuas. São nossas. É a humanidade na sua essência e à flor da pele. Pequenas partículas de um amor que suporta, em tudo crê, e em tudo vêem gestos reveladores de Deus. São metáforas de sorrisos que se olham nos olhos, fazem parte real do que somos e do que trazemos em nós de mais belo, de mais frágil, de mais verdadeiro… São essência, são expressão feliz de que, fruto de um Amor transcendente aceitamos, vivemos e somos apenas o que levamos dentro.

Lágrimas 3 (Paula Junho).jpgLágrimas 4(Paula Junho).jpg 

 

É alma a transbordar de sentimento. São momentos, são pessoas e lugares que nos fizeram casa no coração. É o corpo a preparar-se, a tomar asas para voar quando os pés não bastarem. Lágrimas, lágrimas são também o abraço ao irmão que podemos ser nós. É olhar a miséria, a guerra, as tragédias e sentindo a dor de Deus, ser as suas lágrimas. Lágrimas fazem caminho.

São pureza, uma mística vivida de um amor em comunidade. Um amor que se deixa revelar e em tudo se reveste de silêncios e espaços de liberdade. Que em tudo se ampara e dá sentido. Porta aberta para o outro. Gotas de mútua compreensão de amargura, de esperança multiplicadas por quatro. São encontros de almas, abraços ao coração. São bilhetes de ida ao coração do outro, aos seus mundos indizíveis e invisíveis. São tantas vezes o toque de Deus. É Deus que nos purifica, nos faz missionários e nos prepara para a missão.

São fruto da experiência do simples viver e da entrega diária a Deus. Fazem parte do risco e em tudo moldam os nossos passos. Em tudo fazem parte de duas vidas entregues nos braços de Deus.

São lágrimas.

Serão sempre lágrimas…

(lágrimas de Deus)

 

LMC'S​ Neuza Francisco e Paula Ascenção

PORTUGUÊS COM SOTAQUE

Poucos dias após a minha chegada ao Brasil, fui a uma rádio comunitária juntamente com um dos padres. Apresentei-me, disse que vinha de Portugal e que ficaria naquela comunidade por dois anos. No dia seguinte, passaram por casa um rapaz e duas raparigas que me tinham ouvido na rádio e queriam conhecer-me. O rapaz perguntou-me, espaçando cada sílaba: «Vo-cê fa-la por-tu-guês?» E eu respondo: «Eu sou de Portugal. Claro que falo português!!!» E continuei explicando que estava a falar português com um sotaque brasileiro para me fazer entender. Aqui muita gente pensa que em Portugal se fala uma língua completamente diferente da variante brasileira do português.

 

Rapidamente consegui ultrapassar esta pequena diferença entre as duas variantes da língua portuguesa. Já me encontro no Brasil há mais de um ano e graças a Deus não senti grandes dificuldades na minha adaptação. Desde o primeiro dia que me sinto em casa, porque tanto a comunidade comboniana, como as pessoas daqui, me receberam com muita alegria e carinho. Também não foi difícil adaptar-me ao clima (quase sempre acima dos 30 graus) nem à alimentação (à base de arroz com feijão e carne de vaca ou de frango).

 

A minha missão situa-se no estado do Maranhão, no Nordeste interior, numa cidade chamada Açailândia.  

Álvaro

LMC - Açailândia

 

Continue a ler aqui.