Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Encontro de Natal LMC

48359359_1215986458548717_3346088413336961024_n.jp

Porque onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, aí Eu estarei no meio deles” (Mateus 18,20).

Eram as palavras que ecoavam em mim, ao chegar ao encontro de Natal dos LMC, na casa dos MCCJ em Viseu, que decorreu no passado fim de semana de 14 a 16 de Dezembro. Assim nos sentíamos: poucos, mas reunidos em Seu nome e em comunhão com os que não estavam presentes pelos mais diversos motivos. Foi este também um encontro para dar graças: dar graças pela nossa união onde as distâncias são encurtadas pelo nosso desejo comum de ser missão, onde quer que estejamos, através da oração.

No sábado, e uma vez que estávamos reunidas diferentes gerações de LMC (com a presença da Milú, Graciete, Sandra, Carolina, Filipe e Mónica), tivemos um momento de apresentação, no qual cada um partilhou um pouco do seu caminho como LMC. E foi bom ter esta perspectiva mais ampla, uma visão de cima, do quanto temos caminhado como Movimento de LMC (justamente no momento em que em Roma se reúnem alguns LMC na Assembleia Geral para ultimar que passos dar nos próximos anos).

Após este momento de partilha, a Sandra conduziu-nos a um percurso de reflexão sobre o porquê de fazer o que fazemos, de viver o que vivemos… o porquê e o sentido de muitos Movimentos de Natal, alguns deles impostos pela sociedade.  E, neste contexto, partilhou connosco alguns excertos do livro de Joana Pedro "Até outro dia – Mpakha Nihiku Nikina”. Neste livro Joana testemunha aquele que foi um ano de Voluntariado Missionário Espiritano em Itoculo, no norte litoral de Moçambique. Do livro a Sandra partilhou os relatos da Joana sobre o que foi para ela o Natal em Itoculo, um Natal de “sem” muitas coisas, mas “com a presença do essencial”, este essencial que muitas vezes nós que “tudo temos”, nos esquecemos. Partilhou ainda os relatos da Joana sobre os imprevistos que vão surgindo na missão (vistos que não são aprovados, tempos que se alongam, etc.) e sobre a importância que teve para a Joana o contacto com outras pessoas em missão, entre as quais, a Sandra (sim… a Sandra e a Joana cruzaram-se em missão!!).

E deste percurso, fizemos uma ponte nosso percurso entre o estar em missão (lá fora) e a FEC. É na FEC (Fundação Fé e Cooperação) que acabamos por estabelecer contacto com outros carismas, pessoas que, quem sabe iremos encontrar em missão, e aqui também nasce a riqueza da missão: o saber que todos temos o ser missão presente nas nossas almas. Falou-nos de um Projeto que está a ser desenvolvido pela FEC – Projeto EaSY (Evaluate Soft Skills in International Youth Volunteering).

48397755_1979045118877312_4142828370280841216_n.jp48357633_1082636688563759_7178628563535396864_n.jp48357892_971141383087378_5491065492653211648_n.jpg

Ao encontro foram chegando mais LMC e formandos, e assim, terminada esta viagem, tivemos um momento de oração: de dar graças e de recordar LMC em missão, a Assembleia Geral em Roma, as nossas famílias… e rezá-los. Após o jantar, um momento de convívio com a partilha de um presente que cada um de nós trouxe.

48397870_378417476067563_2607284915221299200_n.jpg

48375172_553261438481999_8397630674021908480_n.jpg

 

Já no Domingo, dia de receber algumas famílias – a minha, a da Cristina, a da Marisa -, iniciámos o dia com oração. Depois, partilhei com os presentes aquela que tem sido a minha caminhada como LMC: o caminho de formação e discernimento, o que foi para mim o Curso de Missiologia em Madrid nestes últimos 3 meses e que expectativas tenho sobre Etiópia. Confesso que me foi difícil transmiti-lo… quando te sentes apaixonado pelos presentes que Deus te tem dado e com esta “alma a cantar de gozo”, torna-se difícil resumir o que te vai dentro. Sobretudo, queria agradecer, louvar este caminho que sinto que não poderá ficar-me dentro; terá este “grão de trigo que morrer na terra”. Partilho também convosco, que sobre a partida para a Etiópia, prefiro não criar expectativas… se não, “descalçar-me” e passear (ou pa’star, como diria a nossa Cristina Sousa, juntando duas palavras metaforicamente – para estar) pelo povo em primeira instância. Prefiro não levar ideias estruturadas de nós ocidentais; prefiro não levar nada. Em vez disso, que seja Deus a levar-me, a guiar-me. Na verdade, Ele já lá está, Ele vai ante mim.

Após o testemunho, seguiu-se a Eucaristia, e terminámos o nosso encontro, à mesa do Senhor, com um almoço convívio entre todos os presentes.

LMC Carolina Fiúza

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.