Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Uma viagem (in)esperada - Notícias da missão em Etiópia

Em missão, entre o Quénia e a Etiópia, a nossa LMC Carolina Fiúza escreve para a Revista Digital da Diocese de Leiria - Fátima (REDE). Convosco partilhamos o artigo.

No aeroporto, em Adis Abeba

Escrevo-vos já terminando uma semana de estadia em Nairobi, Quénia. Uma viagem turística que não era por mim desejada. Por motivos de força maior tive que sair do país (Etiópia): o visto que trazemos como missionários e que nos permite a entrada no país é um visto de negócios que apenas tem validade de um mês. Para estadias mais duradoiras (como a minha, de dois anos), ao chegarmos à Etiópia temos que conseguir obter nesse mês de validade do visto de negócios um outro visto - o de residência. No meu caso, esse mês não foi o suficiente para conseguir o visto de residência. O visto de negócios caducou e, por forma a não estar ilegal no país, tive que dar um salto até ao Quénia durante uma semana, para depois voltar a entrar e prosseguir o processo de obtenção do visto de residência de novo. Burocracias que traduzem uma exigente e difícil entrada neste país. Talvez possa dizer que, de uma maneira geral, a Etiópia é a tradução de uma história marcada por regimes e imperialismos exigentes, de grande controlo. É esta história que marca um povo! Não bastará dizer que viveram sob o regime de Imperadores até 1974 e que é dos únicos países africanos que nunca foi colonizado… a Etiópia tem história, uma grande história!

Sentimentos de tristeza e frustração assombraram o dia em que soube que teria que vir. Principalmente porque tinha começado as aulas de amárico há cerca de 2 semanas. Iria perder uma semana de aulas e todo um ritmo e envolvência na escola que é porta de entrada para esta cultura, que me põe estes sons das palavras em amárico a ecoar na cabeça, fazendo uma música pela qual me vou apaixonando. Não é uma língua fácil! Confesso sentir um paradoxo entre o entusiasmo de ser uma criança a aprender por imitação as palavras (como se dizem as cores, os alimentos, os animais, etc.), mas também um travo de receio. Receio por sentir que será tarefa complicada aprender rápido a língua.

Não me bastava já o amárico ser uma língua tão complicada, e agora tenho que ir para o Quénia, perder aulas, atrasar mais o domínio da língua! Assim nunca mais poderei prosseguir segura para o que vim – a missão! – pensava.

Temos a tentação de pensar que a missão é fazer, acontecer, programar e tudo o que seja do domínio prático. Porém, desenganemo-nos. Que me desengane eu também se penso que a missão propriamente dita apenas começará no dia em que viajar para permanecer na zona dos Gumuz e iniciar com os meus companheiros um projecto. Esquecemo-nos que não são, por vezes, as grandes coisas, aquelas que observarmos e palpamos, as que trarão mais vida. Não raras vezes, é no maior silêncio que mais operamos.

Poder-vos-ia dizer que é fácil conceber no meu íntimo este paradoxo de tempos de espera. Este que é agora um tempo de aprendizagem da língua faz-me sentir a falta de pôr em prática. Porém, relembro com carinho as palavras da minha amiga LMC Cristina Sousa (e que hoje se encontra em República Centro-África) quando dizia, em jogos de palavras, que partia em missão para pastar. Para pastar, parafraseando o nosso português tão maroto com a piada de que quem pasta nada faz. Mas também Para estar. P'astar. E é nestas palavras sábias que me digo copiosamente a missão, Carolina, já começou! Tal como vos digo a todos vós… para vocês, a missão já começou, a partir do momento em que são e estão no mundo como criaturas de Deus.

Primeiro estranha-se, depois entranha-se. Já diz o ditado. Tiradas as teimas de que o Senhor queria que aceitasse a descoberta de um novo e maravilhoso país como o Quénia, posso agora dizer que valeu a pena vir e que foi para mim uma necessária permanência. Nairobi pode dizer-se uma cidade Europeia (ou Norte Americana?) – verde e organizada, ainda que muito cheia de tráfico, carros, pessoas, mas nada que se compare com o ar pesado que transporta Addis Abeba. Além de estudar amárico através de áudios que os meus companheiros de comunidade me enviavam nos intervalos de existência de internet, aproveitei para conhecer o centro de Nairobi com dois Quenianos, membros do coro da missa do Parlamento, na qual participei a convite do Pe. Comboniano Giuseppe Caramazza. É uma cidade de negócios também, bastando para isso vislumbrar o grande (íssimo) Kenyatta International Convention Centre, um edifício de 28 andares, que é palco de várias conferências, seminários, exposições e cimeiras internacionais.

Igreja em Nairobi

A propósito de missas, pelas terras vermelhas a sua preparação é já a premonição de uma grande festa. Muitos e cedo vêm a compor aquele que será o verdadeiro festival. Dizia-me um dos membros do coro: quando vais para um festival, para um concerto, preparaste não é? Pois então, temos que fazer o mesmo (e até melhor) para a Eucaristia, pois não há maior festa que essa! E esta é a lei por aqui. Uma Eucaristia onde ninguém “vem” apenas, senão participa: desde miúdos a graúdos. Todos têm algo para contribuir para este banquete, com a voz, dança, palmas, etc. Uma realidade transversal, não só no Quénia, mas também na Etiópia. Eucaristias que não têm tempo. Não são elas um mero sopro de 50 minutos, ou 1 hora, no qual tantas vezes vemos os que conversam com o relógio, olhando-o na esperança (quem sabe) de que a Festa já esteja a terminar. Não! Aqui, paradoxalmente, a Eucaristia demora um intervalo de 1h30-2h. O ritmo é de danças e músicas alegres, um ritmo definido, que desperta as almas… quando me dou conta, também o meu corpo balança, acorda, desperta. E, de repente, quando estamos cheios deste banquete que nos anima para a vida, a festa dentro da casa do Senhor acaba e os convidados permanecem no seu átrio à conversa. Olho para o relógio e o tempo parece que voou!

E assim é. O tempo aqui tem voado! Assim como voa este grande abraço que vos envio, muito cheio da minha boa saudade.

Com amor, Carolina de Jesus Fiúza (LMC)

 

in REDE - Revista Digital Diocese Leiria - Fátima, nº 26, 27 de Junho de 2016 (disponível em https://leiria-fatima.pt/noticias/uma-viagem-inesperada/ )

Ecos da missão em República Centro-África

DSCF7133.jpg

“Aqui envio um pouco da vida da missão.” É com estas palavras que a nossa querida amiga Maria Augusta nos abraça e nos escreve sobre os passos que se vão dando na missão em RCA.

A Ana [LMC polaca] tem andado com um problema no cotovelo. Fez uma ecografia e depois fomos com ela ao centro médico militar, em Bangui. Foram muito acolhedores e simpáticos, tal como da vez que eu lá fui. Iremos almoçar com eles amanhã, se Deus quiser. 
Os restantes membros da comunidade estamos bem,  graças a Deus. Temos tido notícias do padre Samuel, que também está bem, aproveitando as suas férias para descansar e visitar a família e amigos.

Nesta semana chegou até nós uma mãe com as suas duas filhas gémeas, que já tinha vindo à missão pedir leite, porque não tinha suficiente para as duas bebés. Nessa altura já estavam mal nutridas. Foram tratadas e voltaram para casa bem! Agora voltou com uma das gémeas muito magrinha, pesando apenas dois quilos, e tendo já nove meses... fiquei muito impressionada com a bebé e dirigi-me de imediato com a mãe aos cuidados dos mal nutridos para que ali fosse internada. Não sei se recuperará! Que o Senhor faça o melhor para ela.

O pequeno André, órfão, que encontrei em Novembro de 2015, e ao qual demos o leite, tem "mal de Pott" (tuberculose vertebral). Veio ao pediátrico a Bangui e agora está a ser tratado contra essa doença. Depois será operado também como o Gervelais*, que  até agora não caminhava e, passados dois meses de tratamento contra a tuberculose, já começou a dar os primeiros passos e vê-se que tem muita força de vontade para aprender depressa a andar.

Na escola começámos a dar aulas de recuperação**, de 90 minutos, dois dias por semana. Nos primeiros anos trabalha-se principalmente a leitura e escrita e nos anos mais avançados também a Matemática. Que o Senhor dê muita força e vontade aos alunos para não faltarem e que consigam melhorar o seu aproveitamento. Graças a Deus, temos alguns alunos com muita força... e é isso que nos encoraja a continuar. Agradecemos ao Senhor que nos dá saúde e também alegria e boa disposição para o fazer.
Desejo- vos a todos um tempo de Quaresma Tranquilo e de Crescimento no Amor a Deus e aos Irmãos.

Continuamente unidos pela oração e à missão! Bem hajam pelas vossas orações.

Maria Augusta Pires, LMC na RCA

 

* Gervelais é o nome de um "rapazinho" ao qual a Maria Augusta fez referência na publicação de 6 de Abril de 2018, in leigosmissionarioscombonianos.blogs.sapo.pt/noticias-da-lmc-maria-augusta-vindas-da-142151)

** em virtude de os resultados dos alunos não serem animadores, conforme nos informou na sua última carta, (in leigosmissionarioscombonianos.blogs.sapo.pt/2019/02/)

 

Notícias da missão de República Centro-Africana - Jornal Astrolábio

36686055_10217369769820908_8033659636231962624_o.j

Desde a Missão de Mongoumba (República Centro-Africana) a LMC Maria Augusta escreve para o Jornal da sua paróquia - O Astrolábio

Caríssimo Padre Orlando

Como está? Espero que tenha começado muito bem o novo ano e que assim seja até ao fim. Um bom 2019 para todos os seus paroquianos e sua família.

Eu tive malária na semana passada, mas, graças a Deus, estou já a recuperar. Os outros membros da comunidade estão bem.

O padre Samuel partiu, hoje, para passar as suas férias. Pedimos, ao Senhor que as passe bem e que possa voltar cheio de força e coragem para continuar a missão que lhe é confiada.

Nos dias 17 e 18 de Dezembro tivemos a visita do Cardeal. Toda a gente da paróquia ficou contente! A chegada era uma multidão... vieram muitas pessoas de outras confissões cristãs diferentes. A igreja ficou repleta de gente, para a Eucaristia, e fora dela havia quase outras tantas pessoas, demorou 5 horas! Ele falou muito bem sobre o problema de likundu* (feitiçaria) e outros problemas. A Ana e a Cristina estavam em Bangui e o Simone em Itália, eu estava com os padres para o receber. Graças a Deus correu tudo muito bem! Espero que as pessoas ponham em prática aquilo que escutaram! Visitou todas as dez paróquias da diocese. A nossa foi a penúltima, terminou a sua visita pastoral na catedral S. Jeanne d' Arc, em Mbaiki. Acabou cansado, mas muito contente com a participação que houve.

Quando viemos aqui a Bangui, na última vez, encontrámos no supermercado um polícia de Janeiro de Cima. Ele disse que já ouvira falar que estava aqui uma missionária de Janeiro de Baixo. Foi muito bom! Falou-nos que havia militares à beira do aeroporto e ontem fomos lá fazer uma visita. Receberam-nos muito bem e com grande alegria! Deram-nos medicamentos e convidaram-nos a ir la almoçar. Se Deus quiser iremos la amanhã.

Os resultados dos nossos alunos não são animadores, esperamos que melhorem neste trimestre.

Sei que tem visto e escutado muitas notícias, nada agradáveis, sobre este nosso pobre país. Graças a Deus aqui estamos em paz, mas sofremos com os nossos irmãos que estão a ser massacrados!

Ainda não sabemos quando voltamos para Mongoumba...

Continuamos unidos pela oração.

Um grande abraço missionário de todos nós, para si e todos aqueles que lêem o Astrolábio.

A LMC Maria Augusta

 in o Astrolábio

ANO V – Nº 139 – 3 de Fevereiro de 2019

Paróquias de Cabril, Dornelas do Zêzere, Fajão, Janeiro de Baixo, Machio, Pampilhosa da Serra, Portela do Fôjo, Unhais-o-Velho e Vidual

*O problema de likundu tem a ver com aqueles que são falsamente acusados de feitiçaria e brutalmente assassinados.

Notícias da missão, Brasil

Piquiá de Baixo.jpg

 

Recebemos notícias da nossa LMC Liliana Ferreira, em missão no Brasil.

Boa noite missionári@s, 
Tudo bom? Aqui as coisas correm normalmente. Agora chegou o inverno e eu já gripei. Penso que já sabem da novidade: o primeiro passo para a construção do Piquiá da Conquista foi dado, o terreno está sendo limpo. No dia 23 de Novembro ocorreu uma celebração ecuménica no terreno para dar inicio à limpeza. Foi um momento bastante emocionante que coloca mais próxima a realização do sonho de muitas famílias de terem uma casa digna, longe da poluição.  
Desde agosto que já não acompanho a comunidade de Piquiá de Baixo de forma tão próxima, pois agora estou colaborando na Casa Familiar Rural. Voltei de novo para uma escola com internato. Em muitos momentos parece que tenho "dèjá vu", voltando à escola de Carapira. É bom estar no meio de jovens e adolescente. Difícil, mas muito gratificante!

LMC Liliana Ferreira

Lili.jpgCasa Familiar Rural.jpg

Através de vocês Deus faz-me acreditar ainda mais no amor!

DSC_0073.JPGSão muitas as manhãs em que desperto pronta a fazer diferente, pronta a dar de novo o melhor de mim, pronta a deixar-me guiar em mais um dia de descoberta.

Não nego a vontade que tenho dentro de mim de mudar o mundo, não posso dizer-vos que o que se passa aqui, me é indiferente mas, em cada nova caminhada em terras peruanas desperto em mim o desejo de Deus por um mundo com mais amor.

Não, não vim aqui para trazer-lhes a fórmula secreta para a felicidade ou dizer-lhes o secredo de uma vida sem sofrimentos, até porque a fórmula é uma vida com Deus. Vim, anunciar-lhes que o amor é possível na luta diária pelas suas sobrevivências e nas sucessivas histórias de superação, que o sofrimento faz parte do caminho mas que Deus nos chama a ser felizes. Vim para partilhar convosco o que sou e pouco que sei de Deus. Vim para ser convosco. E se alguma dúvida houvesse eu aprendo convosco todos os dias que esse amor pouco a pouco transforma o nosso coração, dá vida às nossas vidas.

É nas visitas à Melchora e ao Policarpo que encontro um Cristo que espera sempre a nossa chegada, é na Maria que vejo um Deus que nos envia aos mais frágeis e abandonados, é no Leonardo que vejo o quanto Deus ama, atravessando os mundos humanamente construídos, ama a diferença de cada um de nós e está nessa mesma capacidade de sermos diferentes, de sermos nós. É na Soledade que vejo diariamente um testemunho de vida de serviço e entrega aos outros. É na Raquel que vejo um verdadeiro testemunho de Maria, mãe que apesar dos obstáculos duros leva a vida adiante só com os seus quatro filhos. No Juan encontro um Deus que espera o teu abraço e o teu sorriso, na alegria do anúncio do Evangelho com a vida, um Deus que te envia a ser vida na vida dos outros. Na Janet encontro a força no constante cuidar a família com amor. E é no olhar de esperança da pequena Ariana que encontro o sentido da minha presença aqui.

DSC_0275.JPG

É nos abraços que dou e recebo que todos os dias sinto os braços de Deus que me incentivam a levar dia após dia o Seu olhar misericordioso ao sofrimento dos meus irmãos e plantar neles a esperança não de um caminho sem dor, mas de uma presença que está, e se faz presente, em cada momento das nossas vidas juntos.

Estes são para mim os pequenos milagres da vida. Aqueles que nem sempre com a rotina dos dias conseguimos ver ou sentir. Sinto no silêncio das noites a presença misteriosa de Deus numa cultura que desconhece o amor como expressão bélica do dicionário mas que todos os dias são testemunho vivo de um amor que se doa e vive gota a gota.

E, no levar a vida em conjunto convosco encontro o sentido da minha missão. O sentido da partilha da vida e do querer em cada dia crescermos juntos num amor que não vive para ser falado mas para dar testemunho no serviço e entrega ao outro, no desafio de sermos nós e nos deixarmos moldar pela presença do outro.

DSC_0246.JPG 

E, muitas vezes sem dizer uma palavra, ser parte da construção de um mundo melhor, de um mundo com mais amor possível e concretizável de dentro para fora.

Vocês são a prova viva de que o amor é possível e capaz, em nós e através de nós.
Com amor e gratidão
Neuza Francisco

"Tudo posso n'Aquele que me dá força" (Fl 4, 13)

IMG_20180914_102709_BURST001_COVER-COLLAGE.jpg

Que bonita é aquela África de madeira que se encontra aos pés de Cristo. E quanto do olhar de São Daniel Comboni deixo que me penetre, deixo que me contemple. E quanto de mim entra naquele olhar. Recordo as palavras de alguém que um dia me disse "é impossível que aquele olhar não te penetre, não nos interpele". E confirmo-as a cada vez que enxergo esta imagem do nosso incansável São Daniel Comboni.

Esta é a imagem sobre o altar que contemplo na capela da casa dos MCCJ de Madrid (onde hoje me encontrarei até por volta das 16h, hora a que o LMC David me virá buscar para, juntos vivermos o fim de semana em Arenas de San Pedro, a cerca de 160 km daqui) na qual não resisto a entrada para um momento de estar com o Senhor. A Ele lhe peço pela missão. Não somente pela "minha" mas a de cada um. A dos que partem. A dos que ficam. É na partida que está o amor também. A partida, o deixar o que temos para ganharmos algo maior: a liberdade da entrega a Cristo.  E falar de partida não é somente a partida física. Mas também a partida de nós mesmos. O sair de ti próprio todos os dias. A cada momento. É isso que hoje continuo a procurar, mas que hoje se torna fisicamente mais "fazível". Parto da minha terra em busca da sabedoria e graça necessárias para que, de futuro, melhor possa colocar os meus dons a render. Assim nos próximos meses estarei em Madrid junto da família que escolhi, a família Comboniana, num curso de Missiologia (cujo programa desde cedo me deixou de coração ardente e de olhos brilhantes... confesso até que, arde em mim aquela ansiedade miudinha comum nas crianças nos dias antes de tornarem às aulas). É isso que hoje aqui, diante desta África aos pés de Cristo, também agradeço: a possibilidade de crescer mais em sabedoria e graça.

IMG_20180914_102723-COLLAGE.jpg

Na certeza de que sou frágil mas que, no seio de uma comunidade que vive pelo e para o amor, me torno mais forte. Porque "tudo posso nAquele que me dá força" (Fl 4, 13).

"Tudo posso nAquele que me dá força" - repito. Ecoa isto em mim. Só com Ele e através dEle poderei ter esta capacidade de sair de mim, ir ao encontro do amor, ser livre na medida em que confio nEle e nas suas mãos, amar sem medida. "Deus não escolhe os capacitados mas capacita os escolhidos". Hoje entendo tão bem isto... e rezo a Deus para que me capacite para a missão para a qual fui destinada. A mim e a todos quantos vêem comigo! A família. O namorado. Os amigos. As pessoas. Cada uma, à sua maneira, é parte desta missão e sinto-me responsável por trazê-las também comigo.

 

"Tu tornas-te eternamente responsável por aquilo que cativas." (Antoine de Saint-Exupéry)

Assim é... Rezo por cada um, pela missão de cada um. Rezem por mim também, peço-vos. Obrigada do fundo do coração pela confiança... E mais do que em mim, em Deus. Tudo isto - e toda eu - só somos possíveis através dEle.

Tomai, Senhor, e recebei 
toda a minha liberdade
a minha memória
o meu entendimento 
e toda a minha vontade
tudo o que tenho e possuo
Vós mo destes; 
a Vós, Senhor, o restituo
Tudo é vosso
disponde de tudo, 
à vossa inteira vontade. 
Dai-me o vosso amor e graça
que esta me basta.

(Santo Inácio de Loyola)

Estamos juntos, sempre.

 

LMC Carolina Fiúza

Jornal Astrolábio - A Maria Augusta já está entre nós

Comunidade.jpg

A Leiga Missionária Comboniana Maria Augusta Pires já está em Janeiro de Baixo, para passar algum tempo do Verão entre nós, à semelhança do ano passado, para depois regressar à Missão de Mongoumba. Mas, antes de chegar, enviou uma mensagem que nos faz bem ler: Cheguei ontem à tarde a Bangui, para amanhã prosseguir viagem até aí. Dou muitas graças a Maria e a seu Filho Jesus, que estiveram ao meu lado, cada dia, nas alegrias e nas tristezas, sobretudo nos momentos de maiores dificuldades.

Bem hajas a toda a minha família, a todos os que oraram por mim e por todos os missionários que trabalham comigo. Muito obrigada! Peço muito ao Senhor pela Paz neste nosso país e também pelos outros países, que tanto a anseiam também! Que Nossa Senhora de Fátima interceda por todos afim de terminarem as guerras. O Senhor toque os corações daqueles que atacam os inocentes, que destroem tudo o que aparece à sua frente.

No Domingo [1 de Julho], celebrámos a festa do 50º aniversário da Paróquia de S. George de Mongoumba, e foram realizados 249 crismas. Graças a Deus que eram dois bispos: Monsenhor Rhino, nosso Bispo (Bispo de Mbaiki); e Monsenhor Jesus [Bispo auxiliar de Bangasso, e que, antes, foi padre em Mongoumba]. Estava a Igreja repleta de gente e fora dela quase que havia outras tantas pessoas. Foi uma celebração muito longa (quase 6 horas) mas vivida com muita alegria e entusiasmo. Os fiéis não saíram da Igreja sem terminar. Estiveram presentes representantes de todas as autoridades e também das diferentes igrejas cristãs. No final da Santa Missa, D. Rhino falou sobre a morte do enfermeiro acusado de "likundu" [feitiçaria] e leu os artigos da constituição que defendem a Vida. Espero que as autoridades e todos os cristãos, tenham ouvido e guardado dentro dos seus corações as suas palavras para que vivamos todos como irmãos, verdadeiros filhos de Deus. Os crismados de Mongoumba percorreram os bairros da vila, cantando cânticos, e à noitinha vieram à igreja rezar e cantar em Acção de Graças por este dia. Peço ao Senhor que os ajude a todos a serem anunciadores do Evangelho, a seguirem Jesus fielmente e a não se deixaram enganar pelas "seitas", que existem muito aqui.

O ano escolar terminou no dia 27 com a proclamação dos resultados. Graças a Deus, este ano foram um pouquinho melhores que no ano passado. A Cristina começou a ir visitar os acampamentos pigmeus, acompanhada pelo senhor Bob, a fim de fazerem animação (prevenção de doenças, higiene ...) e tratarem aqueles que estão doentes e tardam a ir ao hospital. Muitas vezes, só vão ao hospital quando já estão muito mal e alguns acabam por falecer. A Ana voltou de férias no dia 8 de Junho bem animada, cheia de força para continuar a Missão. O Simone e o Padre Samuel estão bem, mas o Padre Fernando veio ontem e tem malária resistente... Ficará na paróquia de Fátima até Agosto, mês em que irá de férias. Que o Senhor o ajude!

Partirei amanhã e chegarei a Lisboa quinta-feira [5 de Julho] pelas 15h35. Sempre unidos pela oração.

Um abraço para todos da LMC Maria Augusta

- in o Astrolábio

ANO V – Nº 124 – 22 de Julho de 2018

Paróquias de Cabril, Dornelas do Zêzere, Fajão, Janeiro de Baixo, Machio, Pampilhosa da Serra, Portela do Fôjo, Unhais-o-Velho e Vidual

Jornal “Caminho - um testemunho

Carlos e Sandra (1).png

Partilhamos mais um pedaço do Jornal Caminho de Abril da Paróquia de Cristo Rei da Vergada. Hoje com o testemunho do casal LMC Sandra Fagundes e Carlos Barros.

 

Um testemunho

 

Os Leigos Missionários Combonianos (LMC) são um Movimento de cristãos que, tocado pelo chamamento de Deus e segundo o Carisma de S. Daniel Comboni, se sentem impelidos a anunciar Jesus Cristo àqueles que ainda O não conhecem. Sendo um sinal da missionaridade das Igrejas locais, partem para outros povos ou culturas, por períodos de 2 anos ou mais, num compromisso apaixonado que se mantém após o regresso.

Veio o SENHOR, pôs-se junto dele e chamou-o, como das outras vezes: «Samuel! Samuel!» E Samuel respondeu: «Fala, SENHOR; o teu servo escuta!» 1.º Samuel 3, 10

O Senhor, ao longo das nossas vidas, chama-nos repetidamente. Às vezes é difícil “ouvir” este chamamento, ou porque estamos distraídos, ou porque simplesmente tapamos os ouvidos.

A nossa experiência, como casal comprometido com a Missão, iniciou precisamente com o “sim” que cada um de nós, individualmente, deu como resposta à vocação à qual o Senhor nos chamou.

Sem medo de arriscar, deixámos aqui os amigos, a família e o trabalho e partimos para o Norte de Moçambique, mais concretamente para a Missão Comboniana de Carapira. (A Sandra de Novembro de 2006 a Janeiro de 2009, o Carlos de Novembro de 2008 a Dezembro de 2011). Em períodos diferentes ali vivemos alguns anos com o povo Macua. Apenas depois namorámos e casámos, agora vivemos a nossa vocação de Leigos Missionários Combonianos e também a vocação do matrimónio não na missão além-fronteiras mas na missão em Portugal, no nosso dia-a-dia.

Partilhámos com o povo Macua, as suas vidas, suas alegrias e tristezas, que apesar de ser um povo que sofre com a falta de cuidados de saúde básicos, com a falta de qualidade no ensino, e de viver com quase nada, é capaz de repartir entre si, e desinteressadamente, o pouco que tem. Ali não existe lugar para o egoísmo nem preocupação em acumular riquezas pessoais e apesar de viverem com dificuldades têm uma alegria contagiante.

Carlos e Sandra (2).png

 Esta alegria de Jesus e da sua Boa Nova que levámos connosco, que, na verdade já lá estava, que descobrimos e redescobrimos com aquele povo maravilhoso que tanto nos deu!

Cada reencontro com Deus é uma grande festa para este povo. São pobres e necessitados nos caminhos da vida, mas alegres e felizes na relação com Deus. As danças, os cânticos, os símbolos, os silêncios (especialmente os silêncios)... foi algo de tão eterno, que muitas vezes, compreendemos que ainda somos muito pobres na nossa relação com o Pai...

Voltando ao nosso país não faria sentido deixar de anunciar esta boa nova que Jesus nos deixou, de partilhar e levar a missão a quem encontramos no nosso caminho principalmente o que vivemos como Leigos Missionários Combonianos além-fronteiras, o que sentimos e partilhámos com o povo Macua, as suas alegrias e tristezas! Simplesmente não podemos reter dentro de nós tudo isto!! Continuando a dar resposta à nossa vocação laical, tentamos ser o reflexo do rosto de Cristo, para as pessoas que também aqui sentem essa inquietação do chamamento de Deus. Não podemos deixar de O testemunhar.

Como casal, tentamos viver a nossa vocação como Leigos Missionários Combonianos, sendo testemunho do Amor de Cristo por toda a Humanidade, pela partilha da nossa vida, no seio da nossa família, no nosso meio profissional, com os amigos, com as pessoas com quem nos cruzamos no dia-a-dia, ajudando a formar leigos para a missão, levando um pouco da missão a cada um, que pode não partir mas pode ser missionário na sua paróquia, na sua vida.

Carlos e Sandra (1).jpg

 Este anúncio, através da vocação matrimonial, nem sempre é fácil… mas Ele nunca nos abandona. Sentimos que podemos ser um pequenino farol. Sentimos que Deus nos encoraja a trazer um pouquinho destes povos até às nossas comunidades, dando-lhes a conhecer as suas dores, as suas alegria e a sua cultura. Mesmo estando do outro lado do mundo fazemos comunhão através da oração.

Agora não estamos lá… estamos cá, mas a missão continua e leva-nos a sonhar com uma Igreja cada vez mais aberta ao outro.

Sandra Fagundes e Carlos Barros

Leigos Missionários Combonianos

Jornal “Caminho - notícias da missão no Peru

Neuza (2).jpg

Partilhamos mais um pedaço do Jornal Caminho de Abril da Paróquia de Cristo Rei da Vergada.  Hoje com notícias do Peru pela LMC Neuza Francisco. 

Amar é a partida

 

 

Desde que cheguei aqui, tenho descoberto a cada dia que passa, o amor. Um amor que exigiu e exige continuamente uma partida, uma partida de nós próprios, uma partida de tudo o que já conhecemos, uma partida que exige que te ponhas a caminho. Precisamos amar o mundo e tudo o que n’Ele espelha o amor de Deus. Aqui encontrei uma outra forma de amar, encontrei um amor disponível, um amor simples, um amor que brota da honestidade do que tenho e do que partilhando permitimos doar e receber do outro. Assim de forma desinteressada. Um amor que brota de um crescer juntos, como irmãos. É aqui que sinto ardentemente que tenho que estar. É neste irmão que sinto todos os dias o chamamento de Deus. É nas subidas e descidas dos grandes montes que me rodeiam que encontro constantemente sorrisos, lágrimas, encontro braços que me esperam, olhos que refletem história, muita história.

É por estes caminhos de terra que todos os dias caminho, que encontro testemunhos que me convertem e me fazem agradecer a Deus, o milagre da vida. Agradeço, ter sido uma das suas escolhidas. Pouco a pouco, vou conhecendo não apenas os seus rostos, a sua expressão, vou conhecendo cada nome, cada casa, cada família. Já são muitas as vezes em que escuto de longe que me chamam “Andrea, hermanita Andrea”. Sim aqui todos somos irmãos e irmãs.

Um dia vos contarei a história do meu nome. Sinto-me um deles. Somos uma família.

Ai Peru, que roubaste o meu coração!

Neuza (1).jpg

Na partilha do que têm, sim, dão-te muitas vezes do pouco que têm e do muito que são. Fazem questão. São muitas as vezes em que no regresso, trago o regaço cheio com meia dúzia de maçãs do senhor que vem ao encontro de idosos, com uma banana que durante o caminho o senhor da pequena mercearia me ofereceu, com os grãos de milho que me ofereceu uma das famílias que visitei ou com duas ou três batatas, da senhora que estava doente, me ofereceu.

Aceitamos a cada dia crescer juntos. Aceitamos a cada visita, ajudar-nos a carregar a cruz de cada um. Somos palavras de aconchego mútuo, somos sorrisos, somos silêncios que se confessam, somos lágrimas. Somos, na consequência do ser-se, frágeis e muitas são as vezes em que de joelhos nos reconciliamos com o amor.

Na humildade de cada pessoa que cruza o meu caminho que encontro o rosto de um Deus, um Deus misericordioso.

Na alegria e na dor do dia a dia encontro o sentido da vida. E cada vez que ao longe, avisto uma família, um conjunto de crianças que me esperam, avisto dois braços, os braços de Cristo.

Neuza Francisco, LMC

Em Missão, no Peru

Jornal “Caminho” – a entrevista a Márcia Costa

DSC00225.JPG 

Foi em Abril que os LMC estiveram presentes na Paróquia de Cristo Rei da Vergada. Como tal, o seu Jornal Caminho de Abril, foi especialmente dedicado ao Movimento dos LMC. Neste especial edição, podemos ler uma entrevista à LMC Márcia Costa, um Testemunho do casal LMC Carlos e Sandra e notícias do Peru pela LMC Neuza Francisco. 

 

A entrevista a Márcia Costa, por Sofia Coelho

Márcia Costa, Leiga Missionária Comboniana, natural de Aveiro, nasce a 18 de julho de 1982. Conheci Márcia, em Moçambique, em agosto de 2015 e é lá que tenho o privilégio e consigo realizar este trabalho, mais um testemunho missionário. Já se passaram mais de dois anos e chegou a hora de publicar estas páginas de Missão. Mais um rosto de missão!

 

Sofia Coelho: Como encontraste Comboni? Conta-me um pouco do teu percurso.

Márcia Costa: Bem, eu digo que encontrei Comboni, um bocadinho por acaso, eu estava na universidade em Viseu e na altura era animadora de Juventude Operária Católica (JOC). E umas amigas em partilha…falaram-me de Comboni e do grupo Fé e Missão, convidaram-me para participar numa semana de animação missionária e lembro que na altura coincidia com o acampamento anual da JOC. Com esforço consegui conciliar e fui participar nessa semana, mas não conhecia Comboni, o que sabia ainda era muito pouco. Quando estamos a fazer uma caminhada, estás no teu caminho, respeitas naturalmente as caminhadas dos outros, mas vais passando ao lado. E como dizia, participei, gostei muito da experiência, passamos uma semana a trabalhar num lar de idosos e com outros jovens e foi aí que comecei a conhecer um pouco Comboni.

SC: E depois…?

MC: Depois resolvi fazer a caminhada do Fé e Missão para conhecer melhor, um pouco mais de Comboni. Porque eu sempre quis partir para outros países, mas eu pensava…partir ligada à Cruz Vermelha, ou a alguma instituição. Sempre quis esta parte social, trabalho social, ajudar as pessoas. Mas ao ir caminhando e avançando na espiritualidade começou a fazer sentido fazê-lo num serviço a Cristo. Como uma vocação…

SC: Márcia e Comboni fez sentido?

MC: Sim. À medida que eu fui conhecendo um bocadinho melhor, fez sentido, o seu carisma. O seu lema de “Salvar com África”, é naquilo em que eu acredito, penso que nós devemos trabalhar para formar líderes, deve ser o próprio povo a proclamar a sua autonomia, o seu desenvolvimento e o seu reino de justiça e paz. Ajudar as pessoas a acreditarem em si mesmas, a acreditarem que Deus está no meio deles. Entendi que era por aqui o meu caminho.

SC: E esse caminho? Dúvidas? Como chegaste aos LMC’S (Leigos Missionários Combonianos)?

MC: Claro que tive muitas dúvidas. Sabes ainda por cima existe aquela célebre frase, “Para as Missões, Santos e Capazes…” E eu pensava muitas vezes nem santa, nem capaz, e se é isso que querem então não é para mim…(risos…)

SC: Entendo bem (risos…)

MC: Mas fui querendo conhecer melhor e mais Comboni. E depois da caminhada do Fé e Missão fui então para os LMC´s.

Márcia (1).jpg

SC: Márcia os nossos leitores, na sua maioria, talvez nunca tenha ouvido falar dos Leigos, queres explicar, um bocadinho, para todos entendermos?

MC: Um Leigo, é uma pessoa comum… um Cristão comum que decide dedicar um bocadinho a sua vida para uma Vocação. No nosso caso, partilhamos a Espiritualidade Comboniana…este Salvar África com África, estar disponível a partir ao encontro de outros povos de outras culturas e de aprendermos um caminho de salvação/de conversão, o ter a certeza que não caminhamos para salvar, mas que somos salvos com o povo. Porque é Deus quem nos salva. Ser Leiga então é fazer este caminho de Cristo.

SC: Que idade tinhas quando assumiste este caminho?

MC: Upss…dois anos de formação…eu tinha uns 26 anos, quando fiz o meu compromisso. Parti em seguida para França para aprender o francês e só depois fui para a República Centro África.

SC: Muito bem. Antes de contares a tua experiência missionária na República Centro África e mesmo antes de falares desta que hoje vives aqui em Carapira, Moçambique, diz-me o que é a Missão?

MC: Ui…(hesita…) o que é a Missão? (risos…) Não é uma resposta fácil, porque a Missão tem vários aspetos na Missão. Tem a dimensão do eu; a dimensão dos Outros e a dimensão de Cristo. A Missão é Cristo! E dentro da dimensão que é Cristo, tem o encontro com o Outro. E dentro do encontro com o Outro, tens o caminho de conversão pessoal. E Sofia, digo isto porque por vezes quando pensamos na Missão, pensamos só no que vamos dar, porque queremos dar e nós somos assim, gente que gosta de dar, e quando chegamos à Missão encontramos outros povos que vivem de outra maneira, que vivem com diferentes formas e que vivem com diversas dificuldades mas que são felizes e vivem Cristo, não à tua maneira mas à maneira deles vivem Cristo, e é complicado porque quando vês Cristo é a maneira correta, foi a maneira que te transmitiram, a maneira como o vês desde pequenina e por isso é correto. E é difícil por vezes aprender esta abertura. É todo um caminho que é preciso fazer, parece fácil quando fazemos o curso de missiologia, quando falamos de inculturação, nós somos “super disponíveis”, “super tolerantes”, “capazes de amor incondicional”, e aqui falo por mim naturalmente não é assim tão simples, na prática, chegas e vês-te confrontado com uma realidade toda ela diferente e naturalmente tens reservas… Não é assim tão linear, por isso falo em conversão pessoal, porque vais aprendendo as tuas limitações e à medida que estás a “lavar os pés aos outros” eles estão a lavar os teus também e assim mostrar-te que também têm Deus. E percebes que Deus é muito mais do que aquele Deus que conheceste desde pequenino, Deus é muito maior. E nós somos a Imagem de Deus! Não sei se me estou a fazer entender, não te consigo falar em missão numa palavra, ou numa frase.

SC: Sim entendi, e penso que foste muito clara, e creio que o/a leitor/a também irá perceber, agradeço a forma sincera como respondes à questão, sem frases feitas, contando de facto uma realidade. Márcia tenho aqui mais algumas perguntas, mas antes dá-me alguns exemplos em que vês Deus, em que vês esta Imagem de Deus de que falas, consegues dar-me exemplos concretos? A partir da tua experiência pessoal?

MC: Eu lembro, esta imagem que temos de Deus, da Criação do mundo, olha por exemplo na RCA, tinha um Pigmeu, o Gabriel, e eu gosto muito dele, bastante sorridente, sempre a sorrir ele era fantástico. E ia lá muitas vezes a casa. E nós tínhamos uma mangueira (árvore de fruto) que estava seca lá na frente da nossa casa, e então pensei vamos cortar para depois plantarmos uma outra árvore. Então falei com Gabriel, “Gabriel podes cortar a árvore, nós pagamos”, ele disse que sim. E demorou dias para cortar a árvore e a mim fascinou-me o respeito dele pela criação de Deus, estranho como disse a árvore estava seca, mas ele muitas vezes parava e falava com a árvore, o respeito, o pedir-lhe desculpa e o agradecer-lhe por tudo o que ela já nos tinha dado. Aí está a imagem de Deus, quando estás lá (no teu país) a lutar com o mundo porque estás zangada com umas quantas coisas e porque tens a tua maneira de pensar… tu tens ali uma pessoa a falar-te de Deus, não aquele “teu” Deus tradicional, da Igreja, do batismo, mas aquele Deus que nos criou a todos, aquele Deus que criou toda esta natureza fantástica para nós. Por exemplo quando o homem ia apanhar o mel, enquanto o homem subia a árvore as mamãs faziam uma dança de agradecimento cá em baixo, para agradecer a árvore que acolheu a colmeia, para agradecer as abelhas que produziram o mel. Ali com os Pigmeus, aprendi esta simplicidade, vi a Laudato Si, ali ao vivo e a cores. Porque nós quando partimos, por vezes dizemos que vimos ajudar os “coitadinhos”, os “mais desfavorecidos”, ajudar a “miséria humana” e aqui volto a dizer-te que falo por mim, quando chego na missão entendo que a “miséria humana” existe realmente, mas muitas vezes ela vive dentro de mim, com as minhas limitações, com as minhas dificuldades de saber amar os outros, ou de saber escutar o Outro com o respeito que ele merece. Ou de promover mais a sua dignidade. Muitas vezes parece que estamos com um pé a cima, porque estamos com uma atitude de quem está para ensinar, quando nós devemos estar na atitude de aprender. E isto às vezes é complicado, ainda mais quando partes pela primeira vez, e nós vamos para dois anos, o teu primeiro pensamento é muitas vezes o de querer “salvar o mundo”, somos todos muito capazes…(risos…) muito sonhadores (mais risos…). Então tu queres chegar e “fazer” e antes de tudo mais é preciso escutar. Dar tempo de perceber a cultura. E tempo para não te zangares. Eu na RCA no início zangava-me muito. Não foi fácil, nós vivíamos numa situação muito pesada a nível social. O Povo Pigmeu era escravo, existia um sentimento de posse. A criança Pigmeia, não nasce livre. Então depois tem toda a questão da feitiçaria então quase que é impossível não te zangares. Mas precisas de aprender que mais do que falar é melhor ouvir. E é preciso caminhar juntos. Depois é verdade, são os teus católicos que estão a matar aquela pessoa que foi acusada de feitiçaria, é verdade, mas a pergunta é: “E se eu tivesse nascido aqui?”. “Qual era a minha atitude?” Então é preciso este caminho. E não é mais do que um caminho de amor. E Deus é amor. Mas o amor tem diferentes maneiras de ser interpretado. Então a maneira como experimento o amor é diferente, será diferente no Povo Macua, diferente no Povo Pigmeu…Então é preciso aprender como se vive o amor.

Márcia (3).jpg

SC: Muito bem, RCA, teu primeiro destino de Missão, tinhas portugueses? Conta um bocadinho?

MC: Fui sozinha. Mas fui ao encontro e fazer comunidade com Susana Vilas Boas e Maria Augusta, ambas portuguesas e Leigas Missionárias Combonianas. Depois eu fui para casa das Irmãs, para aprender a língua local, e fiquei lá uns três meses, então quando regressei, já não estava a Maria Augusta, e fiquei a fazer comunidade com a Susana. Depois a Susana regressou e chegou a Élia também portuguesa e Leiga Missionária Comboniana. Nós não nos conhecíamos antes, mas era a mesma cultura.

SC: Quais eram as tuas funções na RCA? Aqui em Moçambique já vi que existe uma mistura, auxilias na escola, trabalhas na cantina, efetuas tarefas na enfermaria, na pastoral, trabalhas com grupos de Infância Missionária, na consciencialização e evangelização e na República Centro África como era, porque já senti que são realidades diferentes e se me permites senti uma certa paixão da tua parte pela Missão RCA?

MC: Lá nós tínhamos funções concretas, mas depois precisávamos de entrar todas um pouco em tudo. Mas lá existiam escolas de integração para as Crianças Pigmeias, uma no centro da missão e as outras ficavam no meio da Floresta. O meu trabalho era então acompanhar um bocadinho o trabalho realizado nas escolas e acompanhar também os pais, pois tentávamos incluir os pais no processo da educação, mostrar a importância de aprenderem a ler e a escrever até por uma questão de defesa do próprio povo.

SC: Vives a Espiritualidade Comboniana, tens alguma frase assim com a qual te identificas?

MC: Tem vários pensamentos de Comboni que fazem muito sentido, mas como te disse antes concordo muito com o lema de “Salvar África com África!”

SC: Márcia eu agradeço a tua disponibilidade em aceitares responder a estas questões, tinha outras, claro está, mas fica para uma próxima oportunidade. E quem sabe talvez em Portugal ou num outro país de Missão. Obrigada! E em nome da minha equipa jovem, agradeço o testemunho.

Márcia (2).jpg

 

Obrigado Márcia.

Por: Sofia Coelho