Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Notícias da missão de República Centro-Africana - Jornal Astrolábio

36686055_10217369769820908_8033659636231962624_o.j

Desde a Missão de Mongoumba (República Centro-Africana) a LMC Maria Augusta escreve para o Jornal da sua paróquia - O Astrolábio

Caríssimo Padre Orlando

Como está? Espero que tenha começado muito bem o novo ano e que assim seja até ao fim. Um bom 2019 para todos os seus paroquianos e sua família.

Eu tive malária na semana passada, mas, graças a Deus, estou já a recuperar. Os outros membros da comunidade estão bem.

O padre Samuel partiu, hoje, para passar as suas férias. Pedimos, ao Senhor que as passe bem e que possa voltar cheio de força e coragem para continuar a missão que lhe é confiada.

Nos dias 17 e 18 de Dezembro tivemos a visita do Cardeal. Toda a gente da paróquia ficou contente! A chegada era uma multidão... vieram muitas pessoas de outras confissões cristãs diferentes. A igreja ficou repleta de gente, para a Eucaristia, e fora dela havia quase outras tantas pessoas, demorou 5 horas! Ele falou muito bem sobre o problema de likundu* (feitiçaria) e outros problemas. A Ana e a Cristina estavam em Bangui e o Simone em Itália, eu estava com os padres para o receber. Graças a Deus correu tudo muito bem! Espero que as pessoas ponham em prática aquilo que escutaram! Visitou todas as dez paróquias da diocese. A nossa foi a penúltima, terminou a sua visita pastoral na catedral S. Jeanne d' Arc, em Mbaiki. Acabou cansado, mas muito contente com a participação que houve.

Quando viemos aqui a Bangui, na última vez, encontrámos no supermercado um polícia de Janeiro de Cima. Ele disse que já ouvira falar que estava aqui uma missionária de Janeiro de Baixo. Foi muito bom! Falou-nos que havia militares à beira do aeroporto e ontem fomos lá fazer uma visita. Receberam-nos muito bem e com grande alegria! Deram-nos medicamentos e convidaram-nos a ir la almoçar. Se Deus quiser iremos la amanhã.

Os resultados dos nossos alunos não são animadores, esperamos que melhorem neste trimestre.

Sei que tem visto e escutado muitas notícias, nada agradáveis, sobre este nosso pobre país. Graças a Deus aqui estamos em paz, mas sofremos com os nossos irmãos que estão a ser massacrados!

Ainda não sabemos quando voltamos para Mongoumba...

Continuamos unidos pela oração.

Um grande abraço missionário de todos nós, para si e todos aqueles que lêem o Astrolábio.

A LMC Maria Augusta

 in o Astrolábio

ANO V – Nº 139 – 3 de Fevereiro de 2019

Paróquias de Cabril, Dornelas do Zêzere, Fajão, Janeiro de Baixo, Machio, Pampilhosa da Serra, Portela do Fôjo, Unhais-o-Velho e Vidual

*O problema de likundu tem a ver com aqueles que são falsamente acusados de feitiçaria e brutalmente assassinados.

Encontro de Formação - «Comboni: Deus, a Cruz e a Missão»

DSC_0451[1].JPG

Nos dias 18, 19 e 20 de Janeiro tivemos o 5º encontro de formação deste ano, em Viseu. Foi a irmã missionária Comboniana Carmo Ribeiro que nos acompanhou neste fim de semana tão cheio, tão rico, tão intenso, sobre o tema Comboni: Deus, a Cruz e a Missão. Começámos por uma coisa que considerei relevante e que me fez logo ver como o fim de semana ía ser tão bom. A irmã Carmo começou por nos dar um título ligeiramente alterado, verdadeiramente mais completo: Comboni: Deus, o Coração do Filho na Cruz, qual Bom Pastor e a Missão. E aqui começámos logo a ver a grandeza de Comboni e do seu carisma.

Fomos vendo ao longo do Sábado aqueles que são e que se tornaram os grandes pilares da vivência de Deus em Comboni. Em primeiro a Confiança em Deus e o profundo sentido de que a sua vida é de Deus. Um Comboni que sempre deu tempo à oração, ao silêncio e que mesmo nas tribulações confia plenamente e entrega a sua vida nas mãos de Deus. É daqui que vem a vocação de Comboni e é sempre a Ele que recorre, é sempre n’Ele que vive e que vai fazendo luz ao seu caminho. É muito profunda esta relação, fascina-me e faz-me ver como ainda estou tão longe desta vida entregue e de confiança.

Em segundo, o Amor do Coração Trespassado de Cristo Bom Pastor, que deu a identidade e o carisma Comboniano. É de uma experiência mística de oração que surge esta forte ligação ao coração trespassado de Cristo Bom Pastor, é deste coração que Comboni bebeu e se fortaleceu e foi daqui que cresceu a sua vocação e entrega à missão. Este coração que moldou a forma como Comboni viveu e que deverá sempre moldar a nossa vida. Sejamos nós capazes de tal confiança e entrega.

IMG_9877.JPG

Em terceiro, o Amor à Cruz, a cruz que nos salva! Este sentido de que a cruz, o sofrimento, as dificuldades mas que ao ser vivida, gera vida! Comboni experimentou o ser pequenino, abraçou a cruz como sua esposa e foi salvo por Deus, pelo seu Amor.

Depois, o Cenáculo dos Apóstolos, ou seja, a comunidade como centro onde a missão se realiza, dentro das suas riquezas, fragilidades e dificuldades. Com aquilo que cada um é e aquilo que cada um é capaz de dar de si. E o saber que a comunidade começa em mim e que a vulnerabilidade faz-nos fazer mais comunhão do que as nossas qualidades.

Em quinto, Maria, como Mãe da Igreja e Mãe da África. Maria, que preparou e acompanhou sempre o seu filho Jesus, ela é parte do cenáculo também. É em Maria que Comboni vê a mãe dos negros e o conforto dos missionários.  E é nela também que devemos buscar a nossa inspiração, as nossas dúvidas e colocar nas suas mãos a nossa vida.

Depois é São José também um dos pilares do carisma Comboniano, aquele que guardou o maior tesouro, o melhor que Deus tinha: Jesus e Maria. São José que sempre guardou e geriu os bens que Deus lhe deu e que nunca foram dele, com silêncio, intenção reta e um cuidado para que nada lhes faltasse.

É também na oração e no zelo que se estabelece um outro pilar da vida de Comboni em Deus, o sentido da importância e da força da oração permanente e sempre no sentido de zelar e cuidar da missão.

E finalmente, e não menos importante, o sentido de Igreja, de pertença, de ser um com os outros. E acima de tudo obediência e respeito pelas decisões que a Igreja tomava, mas sem nunca esquecer a missão que Deus lhe tinha dado, para levar a cabo o Plano para a Regeneração da Nigrícia.

Bom, acima de tudo guardo no coração todos estes pilares Combonianos, e que sinto que os devo procurar também para a minha vida. Foi um dia intenso, muitas coisas partilhadas, muitas aprendizagens e é preciso rezar tudo isto a Deus para que se ilumine o caminho à luz de Comboni.

Terminámos a tarde com uma oração, com um gesto sobre alegrias e cruzes, uma oração comunitária, onde senti este cenáculo que Comboni nos falava, onde as nossas fragilidades, alegrias, cruzes e medos foram postos em comunhão com Jesus e uns com os outros. Foi uma oração muito marcante, intensa e onde consegui ver o rosto de Jesus ali espelhado.

À noite vimos o filme “Dos Homens e dos Deuses”, sobre uma comunidade de monges na Argélia, que vivem a difícil escolha de fugir ou continuar junto do povo e da missão a que foram enviados. É um filme muito intenso, muito vivido, sobre fé, comunidade, entrega, missão… Sobre o Amor de Jesus que se faz presente em cada um e sobre uma entrega total e desmedida, dentro das fragilidades de cada um. Um filme que ajudou de certa forma a visualizar toda a vivência Comboniana que passamos o dia a falar e a aprender.

IMG_9871.JPG

No Domingo tivemos o testemunho da irmã Conceição, que partilhou a sua vivência missionária e comunitária. Guardo no coração a sua intensidade a falar da missão, da beleza da comunidade, das maravilhas que Deus foi trabalhando nas missões onde esteve e o sentido de arriscar em nome da missão. Este arriscar que por vezes parece loucura mas sempre na confiança em Jesus Cristo e em Comboni.

Além de tudo isto, que é tanto e tão bom, tivemos um fim de semana muito afortunado, com direito a café em casa das irmãs missionárias Combonianas, que com tanto carinho nos receberam.Tivemos a presença do Padre Luís Filipe que nos acompanhou em todo o fim de semana e que foi deixando o seu testemunho como missionário Comboniano e a irmã Conceição que nos deu o seu testemunho e que partilhou tanto de si connosco. Tivemos também a alegria de viver a Eucaristia com o Artur Valente, com o Padre Luís Filipe e com a irmã Conceição e assim, de certa forma, comemorar as origens e inícios dos Leigos Missionários Combonianos.

Poderia continuar a escrever coisas que vivi, senti e aprendi neste fim de semana mas acima de tudo fica a certeza de que a vida de Comboni é intensa e impactante e que a sua fé o levou nos caminhos mais bonitos da vida e da missão. Que consiga eu digerir todas estas aprendizagens e rezar a Deus para tornar claro o caminho a seguir.

Ana Isabel Sousa

21 anos de Vida, “e Vida em abundância”

Encontro LMC (6 jan).jpg

É dia de agradecer ao Senhor o caminho que temos feito como Leigos Missionários Combonianos. Hoje completamos 21 anos de História e Missão; 21 anos desde aquele 25 de Janeiro de 1998 no qual iniciámos este caminho de discernimento e formação para Leigos, animados pelo Espírito Santo e por São Daniel Comboni, na Maia.

 

Tem sido um caminho muito bonito. Um caminho feito aos pés da Cruz, diante do Senhor. E é deste caminho que brota a missão – aquela que é feita de obras de Deus que “nascem e crescem aos pés da Cruz”. Um caminho como família, inspirados por São Daniel Comboni que nos conduz a “Salvar África com África” – esta maravilhosa África que hoje em dia já não tem limites, que está nas nossas periferias.

Muitos foram os que connosco caminharam. Uns foram, outros continuam comprometidos como LMC, mas todos, de algum modo, fomos deixando tragos e gotas que completam hoje este oceano de amor que somos e que une continentes. A todos os nos acompanharam e continuam acompanhando agradecemos do fundo do coração.

21214319_6QybW.jpeg21277179_DWTpJ.jpeg

Lili.jpeg20810655_tm3Ea.jpeg

Nestes 21 anos foram vários os LMC que viveram a sua vocação além-fronteiras: em Moçambique, no Brasil, na República Centro-Africana e no Perú . Hoje continuamos difundindo a nossa alma missionária nestes mesmos países: a Marisa em Moçambique; a Liliana no Brasil; a Maria Augusta e a Cristina na República Centro-Africana; a Paula e a Neuza no Perú. Sem esquecer todos quantos somos os que estão comprometidos e que se encontram em Portugal, nas periferias, nas suas famílias, na vida, procurando habitar a missão que Deus lhes pede, e todos os formandos que buscam o discernimento encontrando no Carisma de São Daniel Comboni o chamamento de Deus.

Missionários em Cristo e pelo baptismo, avançamos como nos animava São Daniel Comboni:

«tenham sempre os olhos postos em Jesus Cristo, amando-o ternamente e procurando entender cada vez melhor o que significa um Deus morto na cruz pela salvação das almas» (Escritos 2721).

E salvar almas Comboni afirmava-o como muito mais além de uma simples Evangelização: a salvação da humanidade na paixão e na morte de Cristo, que nasce e vive da identificação do missionário com este mistério pascal, neste morrer para nascer, para viver. "Se o grão de trigo que cai na terra não morre, ele fica só. Mas, se morre, produz muito fruto." - (Jo 12,24)

É com muito ânimo que seguimos o caminho, as pegadas de São Daniel Comboni, de mãos entrelaçadas para que a sua obra não morra, um caminho de árdua e entusiasmante missão entre os povos e nações sedentos do amor de Cristo.

Este Natal

DSC_0136.JPG

Ainda me lembro do cheiro molhado do Natal, do casaco vestido, das luzes cintilantes, reflexo da interioridade daqueles que vivem pelo espírito do mais amor.

Aqui é verão, o sol alumbra a magia dos sorrisos e das lágrimas partilhadas entre as vistas e os convites a ficar um pouco mais. O sol queima a paisagem e deixa transparecer a humanidade de um povo não esquecido mas lutador, deixa resplandecer o coração e a alma de todos os que me recebem de todos os que me chegam.

Aqui não sinto o cheiro dos pinheiros verdes nem o fumo da lareira acesa. Aqui o cheiro é de gente humana e humilde que partilha tudo o que tem contigo. Vivo rodeada de gente que, com o testemunho das suas vidas, acrescenta a minha e juntos somos mais de Deus. Um cheiro de espera e esperança que o amanhã, embora com dificuldades, será bem melhor que o hoje e uma vontade enorme de seguir em frente, sorrindo. Cheira a cozinha de quem prepara não uma grande ceia mas, o seu coração para receber a Jesus.

DSC_0045.JPGDSC_0052.JPG

Tenho tanto a aprender deles.

Deixo-me todos os dias comover com o testemunho das suas vidas. Vidas compostas por pessoas de carne e osso pessoas que com nada partilham o tudo e me moldam as lágrimas e os sorrisos desde aurora ao pôr do sol. Pessoas que me tocam o coração e me transformam. Não desejaria eu um Natal diferente se aqui, encontrei a família que Deus sonhou para mim. Este Natal desejo apenas ser abrigo dos corações que andam em busca de paz em busca de Deus.

DSC_0291.JPG

É, às vezes, esquecemo-nos que a verdadeira essência do Natal e da nossa vida está no reconhecimento diário que a nossa vida é um dom e que, o que fazemos dele, deveria ser uma opção diária pelo amor.

Neste Natal esquece os presentes com grandes invólucros e doa-te, como tempo para viver e partilhar com os que amas e busca o perdão junto daqueles que foram ao longo do ano um desafio para ti. Por aqui andarei de casa em casa a visitar aqueles que são e dão vida aos meus dias.

Neste Natal que a tua mesa seja farta, não de uma quantidade infindável de doces mas, de amor, esperança, carinho e união. Neste Natal, deixa-te ser luz na vida dos outros e agente de reconciliação e paz. Deixa-te pertencer e povoar por todos os que amas e que juntos possam agradecer o dom da vida. Neste Natal, permite que o teu coração humilde seja o berço onde renascerá Jesus.

É Natal onde quer que existe a coragem de sonhar, onde existe a ousadia de manter acordados os sonhos dos olhos fechados. Que a certeza do silêncio interior te inspire a viver uma descoberta de Deus em ti, nos outros e no mundo.

Neste Natal, farei como faço todos os dias e levarei o melhor de mim à Milágros e aos seus filhos, à Marcelina, à Célia, há Maria, à Valentina, à Ariana e os seus irmãos, ao Martim, ao Luís e a tantos outros aos quais o meu coração ardentemente me chama.

 

Votos de um Santo e Feliz Natal

Com amor e gratidão,

Neuza Francisco

Encontro de Natal LMC

48359359_1215986458548717_3346088413336961024_n.jp

Porque onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, aí Eu estarei no meio deles” (Mateus 18,20).

Eram as palavras que ecoavam em mim, ao chegar ao encontro de Natal dos LMC, na casa dos MCCJ em Viseu, que decorreu no passado fim de semana de 14 a 16 de Dezembro. Assim nos sentíamos: poucos, mas reunidos em Seu nome e em comunhão com os que não estavam presentes pelos mais diversos motivos. Foi este também um encontro para dar graças: dar graças pela nossa união onde as distâncias são encurtadas pelo nosso desejo comum de ser missão, onde quer que estejamos, através da oração.

No sábado, e uma vez que estávamos reunidas diferentes gerações de LMC (com a presença da Milú, Graciete, Sandra, Carolina, Filipe e Mónica), tivemos um momento de apresentação, no qual cada um partilhou um pouco do seu caminho como LMC. E foi bom ter esta perspectiva mais ampla, uma visão de cima, do quanto temos caminhado como Movimento de LMC (justamente no momento em que em Roma se reúnem alguns LMC na Assembleia Geral para ultimar que passos dar nos próximos anos).

Após este momento de partilha, a Sandra conduziu-nos a um percurso de reflexão sobre o porquê de fazer o que fazemos, de viver o que vivemos… o porquê e o sentido de muitos Movimentos de Natal, alguns deles impostos pela sociedade.  E, neste contexto, partilhou connosco alguns excertos do livro de Joana Pedro "Até outro dia – Mpakha Nihiku Nikina”. Neste livro Joana testemunha aquele que foi um ano de Voluntariado Missionário Espiritano em Itoculo, no norte litoral de Moçambique. Do livro a Sandra partilhou os relatos da Joana sobre o que foi para ela o Natal em Itoculo, um Natal de “sem” muitas coisas, mas “com a presença do essencial”, este essencial que muitas vezes nós que “tudo temos”, nos esquecemos. Partilhou ainda os relatos da Joana sobre os imprevistos que vão surgindo na missão (vistos que não são aprovados, tempos que se alongam, etc.) e sobre a importância que teve para a Joana o contacto com outras pessoas em missão, entre as quais, a Sandra (sim… a Sandra e a Joana cruzaram-se em missão!!).

E deste percurso, fizemos uma ponte nosso percurso entre o estar em missão (lá fora) e a FEC. É na FEC (Fundação Fé e Cooperação) que acabamos por estabelecer contacto com outros carismas, pessoas que, quem sabe iremos encontrar em missão, e aqui também nasce a riqueza da missão: o saber que todos temos o ser missão presente nas nossas almas. Falou-nos de um Projeto que está a ser desenvolvido pela FEC – Projeto EaSY (Evaluate Soft Skills in International Youth Volunteering).

48397755_1979045118877312_4142828370280841216_n.jp48357633_1082636688563759_7178628563535396864_n.jp48357892_971141383087378_5491065492653211648_n.jpg

Ao encontro foram chegando mais LMC e formandos, e assim, terminada esta viagem, tivemos um momento de oração: de dar graças e de recordar LMC em missão, a Assembleia Geral em Roma, as nossas famílias… e rezá-los. Após o jantar, um momento de convívio com a partilha de um presente que cada um de nós trouxe.

48397870_378417476067563_2607284915221299200_n.jpg

48375172_553261438481999_8397630674021908480_n.jpg

 

Já no Domingo, dia de receber algumas famílias – a minha, a da Cristina, a da Marisa -, iniciámos o dia com oração. Depois, partilhei com os presentes aquela que tem sido a minha caminhada como LMC: o caminho de formação e discernimento, o que foi para mim o Curso de Missiologia em Madrid nestes últimos 3 meses e que expectativas tenho sobre Etiópia. Confesso que me foi difícil transmiti-lo… quando te sentes apaixonado pelos presentes que Deus te tem dado e com esta “alma a cantar de gozo”, torna-se difícil resumir o que te vai dentro. Sobretudo, queria agradecer, louvar este caminho que sinto que não poderá ficar-me dentro; terá este “grão de trigo que morrer na terra”. Partilho também convosco, que sobre a partida para a Etiópia, prefiro não criar expectativas… se não, “descalçar-me” e passear (ou pa’star, como diria a nossa Cristina Sousa, juntando duas palavras metaforicamente – para estar) pelo povo em primeira instância. Prefiro não levar ideias estruturadas de nós ocidentais; prefiro não levar nada. Em vez disso, que seja Deus a levar-me, a guiar-me. Na verdade, Ele já lá está, Ele vai ante mim.

Após o testemunho, seguiu-se a Eucaristia, e terminámos o nosso encontro, à mesa do Senhor, com um almoço convívio entre todos os presentes.

LMC Carolina Fiúza

VI Assembleia Internacional dos Leigos Missionários Combonianos em Roma

329119112.jpeg

Está a decorrer de 11 a 17 de Dezembro, na Casa Generalícia dos Missionários Combonianos, em Roma, a VI Assembleia Internacional dos Leigos Missionários Combonianos (LMC), evento que se realiza cada seis anos. No total, são 51 participantes. Além dos representantes dos LMC e dos combonianos que os acompanham nos seus respectivos países, vindos de 20 países de África, Europa e América, participam também a irmã Ida Colombo, do conselho geral das Missionárias Combonianas e a Maria Pia Dal Zovo, do conselho central das Seculares Missionárias Combonianas.

110129-303.jpg

A Assembleia iniciou-se com as palavras de boas-vindas proferidas pelo Alberto de la Portilla, coordenador do Comité Central dos LMC, e pelo P. Pietro Ciuciulla, em nome do Conselho Geral comboniano [ver anexo em italiano e espanhol].

A manhã do primeiro dia, 11 de Dezembro, foi dedicada à oração, à reflexão e à partilha, guiados pelos Gonzalo Violero García e Maria Carmen Polanco Delgado, LMC da Espanha. Da parte da tarde, os participantes estiveram reunidos por continentes.

Ontem, dia 12, no qual se recorda a Nossa Senhora de Guadalupe, cada continente apresentou o relatório das actividades realizadas durante os últimos seis anos e apresentaram os seus principais desafios em relação ao futuro. Na mesma linha, seguiu- se a apresentação do relatório do Comité Central e o relatório económico de 2012 a 2018.

1177441263.jpeg110129.jpg

De tarde, deu-se início à reflexão do primeiro tema da Assembleia, que está relacionado com a organização dos LMC (composição, estrutura, comunidades internacionais e economia).

Hoje e nos próximos dias, os LMC irão debater, entre si, outros três grandes temas: formação e espiritualidade, a missão dos leigos e os documentos fundamentais dos LMC. Dar-se-á ainda tempo para falar de um modo especial sobre as comunidades internacionais, para partilhar as experiências da vida dos LMC, nos diversos contextos continentais, e informar sobre a actual relação dos LMC com a Família Comboniana.

Nos momentos de oração e na Eucaristia, estão também presentes todas e todos os LMC e, em especial, os que se encontram a trabalhar em contextos difíceis como, por exemplo, na República Centro-Africana. Que a luz do Espírito Santo seja o farol que ilumine os participantes nesta Assembleia e os LMC em geral, para que sejam capazes de dar continuidade à obra e ao carisma iniciados por São Daniel Comboni!

1177441263.jpeg

 

Terceira Unidade Formativa – Espiritualidade laical é missionária

46439173_1196970383783658_7280136421904482304_o.jp

Nos passados dias 17 e 18 de Novembro, na casa dos Missionários Combonianos em Viseu, encontrámo-nos mais uma vez para um encontro de formação, orientado pelo LMC Carlos Barros, com o tema “espiritualidade laical e missionária”.

O que é espiritualidade? Espiritualidade, epiritualidades ou espiritualidades dentro de uma espiritualidade maior? O que significa ser leigo, hoje, na Igreja? Qual o lugar e as formas concretas de vivência espiritual da vocação laical? Quais os aspetos que marcam o ser e viver enquanto Leigo Missionário Comboniano, à luz do Diretório dos LMC e dos recém aprovados Estatutos?

46496094_1196970293783667_4096840068088463360_o.jp

Através dos momentos de formação orientados pelo Carlos, das partilhas e discussões em grupo, da reflexão pessoal e da oração, procurámos responder a estas questões e – sobretudo – perceber para cada um de nós o sentido concreto de tudo o que escutámos e refletimos neste encontro e, daí, retirar propósitos concretos para darmos passos em direção a uma relação cada vez mais profunda e íntima com Cristo e a uma comunhão maior com todas as pessoas.

Acima de tudo, retiramos deste encontro que todos fomos feitos, criados, sonhados para o mesmo: perceber a presença de Deus, abraçá-la e moldar a nossa vida para que esta presença seja cada vez mais profunda e vivida. Cada um por seu caminho; e no concreto da vida de cada um. Mais íntimos com Cristo, testemunhamos mais genuinamente e caminhamos para a santidade.

O Domingo foi um dia diferente: em grupos, discutimos e refletimos propostas concretas no contexto dos trabalhos preparatórios da Assembleia Geral dos LMC que será em Roma, de 11 a 16 de Dezembro. Foi uma ótima oportunidade para cada um partilhar ideias, aprender mais sobre o Movimento dos Leigos Missionários Combonianos e cada um poder contribuir com aquilo que pensa e refletiu e, de algum modo, para a caminhada deste Movimento.

Filipe Oliveira

Notícias da missão, Brasil

Piquiá de Baixo.jpg

 

Recebemos notícias da nossa LMC Liliana Ferreira, em missão no Brasil.

Boa noite missionári@s, 
Tudo bom? Aqui as coisas correm normalmente. Agora chegou o inverno e eu já gripei. Penso que já sabem da novidade: o primeiro passo para a construção do Piquiá da Conquista foi dado, o terreno está sendo limpo. No dia 23 de Novembro ocorreu uma celebração ecuménica no terreno para dar inicio à limpeza. Foi um momento bastante emocionante que coloca mais próxima a realização do sonho de muitas famílias de terem uma casa digna, longe da poluição.  
Desde agosto que já não acompanho a comunidade de Piquiá de Baixo de forma tão próxima, pois agora estou colaborando na Casa Familiar Rural. Voltei de novo para uma escola com internato. Em muitos momentos parece que tenho "dèjá vu", voltando à escola de Carapira. É bom estar no meio de jovens e adolescente. Difícil, mas muito gratificante!

LMC Liliana Ferreira

Lili.jpgCasa Familiar Rural.jpg

A beleza da missão imperfeita

DSC_0400.JPG

“A grandeza da missão não está em nós, mas n’Aquele que nos envia”

(Pe. Ivo)

 

Um ano de missão. Quanto tempo cabe neste tempo? Quantas vidas couberam nas nossas vidas? Quantos braços couberam nos nossos braços? Quanta vida demos. Quanta vida recebemos. Deixamos de planear a vida para permitir que a vida nos planeasse, para deixar que Deus nos tocasse e as pessoas nos encontrassem. Deixamo-nos encontrar tal e como somos nas nossas feridas, cicatrizes e imperfeições. Assim somos, assim nos entregámos à missão juntas e imperfeitas. Caminhámos certas que “todos estamos feridos, é por aí que entra a luz” não quisemos nunca ser perfeitas. Pelo contrário deixámos que Deus tocasse na nossa imperfeição e dela fizesse caminho até aos irmãos, agora amigos e vizinhos. Agora a nossa família.

DSC_0260.JPG

DSC_0288.JPG

 

A beleza de uma missão imperfeita está em nós, reside em nós. A beleza não está no momento instantâneo em que te apercebes que a tua missão és tu mesmo e a tua vida mas sim, na capacidade de fazer caminho contigo e pouco a pouco sem medo e deixando que as tuas feridas, cicatrizes ou fragilidades transpareçam como algo que também constitui o teu ser, algo que faz parte. A missão é assim, um caminho a um, contigo mesmo, a dois, porque tu sabes que foste escolhido por um amor maior, a três tu Deus e o outro, na certeza de que o outro existe para fazer caminho contigo.

Permites-te ser, permites conhecer um pouco mais de ti e deixares-te descascar pouco a pouco, e chegar ao outro sempre pronto a caminhar com ele. E, neste seres tu frágil de mão dada com Deus, chegas ao outro e outro chega-te da forma mais imperfeita e completa. É neste caminho a três que encontramos os outros, os irmãos. Os que agora são a nossa casa e caminham connosco. São eles que de forma imperfeita nos completam, aumentam e acrescentam. É o ser imperfeitos que nos faz encontrar os outros caminhando e crescendo com cada pessoa que cruza o nosso caminho. Desta maneira, missão não é somente ensinar ou aprender mas caminhar e crescer juntos sabendo que a imperfeição das partes forma a perfeição do todo. Assim é a lógica de Deus que nos fez de tal maneira que necessitássemos do outro para amar, ser, viver e ser feliz.

DSC_0299.JPG

LMC Paula e Neuza

“Eu morro mas a minha obra não morrerá. ” (São Daniel Comboni)

IMG_20181006_164748.jpg

E para que a obra não morra, permanecemos juntos num momento tão importante como é este em que nós, Leigos Missionários Combonianos, caminhamos passo a passo no sentido de nos tornarmos uma Associação (que, se Deus quiser, nos permitirá ir mais além na missão). Assim, nos passados dias 5, 6 e 7 de Outubro os LMC reuniram-se para a Assembleia Geral LMC de Portugal, na casa dos MCCJ em Viseu. A nós se juntaram também o grupo de formandos com a Missionária Secular Comboniana Clara para a sua 2ª unidade formativa deste ano, sobre o tema “A palavra como con-vocação”.

Em toda a Assembleia o sentimento dos LMC era unânime: vivíamos um grande momento de inspiração, iluminados pelo Espírito Santo. Entre deliberação de Estatutos, análise, reflexão e reformulação do Diretório, conversas, discussões, eleição de novos cargos para os Orgãos Sociais da Associação de Leigos Missionários Combonianos, algumas (poucas e curtas) pausas, tudo foi fluindo. Sempre sentíamos que o espaço para acolher as diversas (e algumas vezes, divergentes) opiniões pautava a Assembleia, o que tornou este fim de semana um momento muito bonito e de forte crescimento! É impossível negar a presença das mãos de Deus e de São Daniel Comboni entre/em nós!

Vários foram os momentos de oração que nos foram permitindo manter-nos a caminho e, acima de tudo, encarnar esta presença de Deus, entregando o trabalho que íamos fazendo – mais que a opinião individual de cada um, que tudo fosse fruto e em prol da obra de Deus.

IMG_20181005_093428.jpgIMG_20181005_102153.jpgIMG_20181005_120136.jpg

Criados os Estatutos, reformulado o Diretório e eleitos os novos Orgãos Sociais, sinto dentro uma enorme gratidão a Deus pelas maravilhas que fez em nós. Colocamos agora o trabalho nas mãos de Deus e que, acima de tudo, o progresso da aprovação da Associação seja marcado pelos tempos de Deus (que tantas vezes são descompassados dos nossos). Rezamos juntos isto!

«As obras de Deus nascem e crescem aos pés da cruz». Assim, aos pés da cruz, rezamos, não só pelos frutos desta Assembleia, como também pelo trabalho dos novos Orgãos Sociais da Associação.

Como sabeis, continuamos juntos (longe ou perto).

Vossa LMC Carolina Fiúza

Momento de Oração - dia 6 de OutubroMomento de convívio

 

Orgãos Sociais

ASSEMBLEIA GERAL
- Presidente: Susana Vilas Boas
- Vice-presidente: Carlos Barros

- Secretário: Pedro Moreira

DIREÇÃO
- Presidente: Márcia Costa
- Vice-presidente: Élia Gomes
- Tesoureiro: Sandra Fagundes
- Suplente: Mário Breda

CONSELHO FISCAL
- Presidente: Vânia Costa
- 1º Vogal: Nelly Gomes
- 2º Vogal: Artur Cruz
- Suplente: Franquelim Lopes