Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Relações humanas e vida em grupo - 4ª Formação FEC

IMG-20180501-WA0005.jpg

Relações humanas e vida em grupo, foi o tema da formação da FEC no fim-de-semana de 14 e 15 de Abril de 2018, ministrado pela formadora Paula Silva.

O tema foi muito interessante uma vez que nos fez reflectir sobre vários temas musicais e nos colocou questões com perguntas sobre a letra das mesmas projectando-as para a nossa vida e para a missão.

Por exemplo; a “Lista” de Oswaldo Montenegro na qual colocou 10 perguntas referentes a nós que nos fizeram relembrar o passado e reflectir no presente.

Outra foi os “Contentores” do Xutos & Pontapés com 7 perguntas que nos fez reflectir sobre a nossa partida para a missão, questionando-nos sobre o que levávamos, o que deixávamos, o que conhecíamos do lugar para onde íamos e como achávamos que nos iríamos sentir à chegada para recomeço de vida partindo do zero com o objectivo da possibilidade de se poder ir mais além e estabelecendo os objectivos da nossa permanência no voluntariado.

IMG-20180501-WA0007.jpg

Ouvimos o testemunho da Susana Querido que esteve 6 meses em Angola e pertence ao grupo missionário Ondjoyetu.

Terminamos com a Eucaristia seguida do almoço e partida para as nossas casas.

IMG-20180501-WA0002.jpg

 

LMC Nelly Gomes

 

 

 

Jornal “Caminho - um testemunho

Carlos e Sandra (1).png

Partilhamos mais um pedaço do Jornal Caminho de Abril da Paróquia de Cristo Rei da Vergada. Hoje com o testemunho do casal LMC Sandra Fagundes e Carlos Barros.

 

Um testemunho

 

Os Leigos Missionários Combonianos (LMC) são um Movimento de cristãos que, tocado pelo chamamento de Deus e segundo o Carisma de S. Daniel Comboni, se sentem impelidos a anunciar Jesus Cristo àqueles que ainda O não conhecem. Sendo um sinal da missionaridade das Igrejas locais, partem para outros povos ou culturas, por períodos de 2 anos ou mais, num compromisso apaixonado que se mantém após o regresso.

Veio o SENHOR, pôs-se junto dele e chamou-o, como das outras vezes: «Samuel! Samuel!» E Samuel respondeu: «Fala, SENHOR; o teu servo escuta!» 1.º Samuel 3, 10

O Senhor, ao longo das nossas vidas, chama-nos repetidamente. Às vezes é difícil “ouvir” este chamamento, ou porque estamos distraídos, ou porque simplesmente tapamos os ouvidos.

A nossa experiência, como casal comprometido com a Missão, iniciou precisamente com o “sim” que cada um de nós, individualmente, deu como resposta à vocação à qual o Senhor nos chamou.

Sem medo de arriscar, deixámos aqui os amigos, a família e o trabalho e partimos para o Norte de Moçambique, mais concretamente para a Missão Comboniana de Carapira. (A Sandra de Novembro de 2006 a Janeiro de 2009, o Carlos de Novembro de 2008 a Dezembro de 2011). Em períodos diferentes ali vivemos alguns anos com o povo Macua. Apenas depois namorámos e casámos, agora vivemos a nossa vocação de Leigos Missionários Combonianos e também a vocação do matrimónio não na missão além-fronteiras mas na missão em Portugal, no nosso dia-a-dia.

Partilhámos com o povo Macua, as suas vidas, suas alegrias e tristezas, que apesar de ser um povo que sofre com a falta de cuidados de saúde básicos, com a falta de qualidade no ensino, e de viver com quase nada, é capaz de repartir entre si, e desinteressadamente, o pouco que tem. Ali não existe lugar para o egoísmo nem preocupação em acumular riquezas pessoais e apesar de viverem com dificuldades têm uma alegria contagiante.

Carlos e Sandra (2).png

 Esta alegria de Jesus e da sua Boa Nova que levámos connosco, que, na verdade já lá estava, que descobrimos e redescobrimos com aquele povo maravilhoso que tanto nos deu!

Cada reencontro com Deus é uma grande festa para este povo. São pobres e necessitados nos caminhos da vida, mas alegres e felizes na relação com Deus. As danças, os cânticos, os símbolos, os silêncios (especialmente os silêncios)... foi algo de tão eterno, que muitas vezes, compreendemos que ainda somos muito pobres na nossa relação com o Pai...

Voltando ao nosso país não faria sentido deixar de anunciar esta boa nova que Jesus nos deixou, de partilhar e levar a missão a quem encontramos no nosso caminho principalmente o que vivemos como Leigos Missionários Combonianos além-fronteiras, o que sentimos e partilhámos com o povo Macua, as suas alegrias e tristezas! Simplesmente não podemos reter dentro de nós tudo isto!! Continuando a dar resposta à nossa vocação laical, tentamos ser o reflexo do rosto de Cristo, para as pessoas que também aqui sentem essa inquietação do chamamento de Deus. Não podemos deixar de O testemunhar.

Como casal, tentamos viver a nossa vocação como Leigos Missionários Combonianos, sendo testemunho do Amor de Cristo por toda a Humanidade, pela partilha da nossa vida, no seio da nossa família, no nosso meio profissional, com os amigos, com as pessoas com quem nos cruzamos no dia-a-dia, ajudando a formar leigos para a missão, levando um pouco da missão a cada um, que pode não partir mas pode ser missionário na sua paróquia, na sua vida.

Carlos e Sandra (1).jpg

 Este anúncio, através da vocação matrimonial, nem sempre é fácil… mas Ele nunca nos abandona. Sentimos que podemos ser um pequenino farol. Sentimos que Deus nos encoraja a trazer um pouquinho destes povos até às nossas comunidades, dando-lhes a conhecer as suas dores, as suas alegria e a sua cultura. Mesmo estando do outro lado do mundo fazemos comunhão através da oração.

Agora não estamos lá… estamos cá, mas a missão continua e leva-nos a sonhar com uma Igreja cada vez mais aberta ao outro.

Sandra Fagundes e Carlos Barros

Leigos Missionários Combonianos

Fim de semana de animação Missionária na Paróquia de Vergada

20180422_113739.jpg

No fim semana de 20 a 22 de Abril realizou-se mais uma animação missionária, desta vez na paróquia da Vergada à qual pertence a Sofia Coelho que está a fazer formação connosco.

Sofia Coelho, formandaLMC Márcia Costa

Um fim semana de uma alegria enorme, onde fomos muito bem acolhidos pela comunidade e pelo pároco, o Pe. António Machado.

Pe Francisco de Medeiros, Missionário CombonianoDesde sexta feita que iniciámos as nossas atividades com o grupo de jovens e acólitos, passando pelas catequeses no sábado e as eucaristias de sábado e domingo na qual também tivemos a presença do Pe. Francisco de Medeiros, Missionário Comboniano assistente do nosso Movimento.

 

Os fins semana de animação missionária são sempre momentos muito enriquecedores, entramos na vida da comunidade paroquial onde falamos da nossa experiência e tentamos trazer até eles um pouco da missão, o que vivemos e sentimos pelos locais onde estivemos! São momentos de partilha que nos enriquecem de uma forma incrível e nos fazem sentir que o amor de Cristo, o Bom Pastor, vive em nós e nos que nos rodeiam sempre (mesmo quando achamos que não)! Podemos perceber como esta paróquia é missionária e aberta aos outros, aos que mais precisam, não é uma paróquia fechada! E isso é uma graça tão grande!!! Estes momentos fazem-me recordar que também estou em missão em Portugal e que apesar de uma forma diferente é tão valida e importante como uma missão além-fronteiras. Este fim-de-semana também se celebrou o dia das vocações, e como me sinto feliz de partilhar a minha vocação de Leiga Missionária Comboniana com os que encontro!

20180422_085934.jpg20180422_101109.jpg

Tenho que partilhar de como fomos mimados!!! A D. Rosa, a Sofia e o Pároco não deixaram faltar nada, ficámos muito bem instalados e as refeições foram uma maravilha! Não posso esquecer os Malucos por Jesus (grupo de Jovens) e os catequistas que nos deram sempre apoio no que precisámos! Obrigada de coração!

Sandra Fagundes

Leiga missionária Comboniana

Ecos da 8ª Unidade Formativa - A rezar é que a gente se entende

1B3A996D-4247-41E3-AE42-31915D161478.jpeg

“A rezar é que a gente se entende” foi o mote para a 8ª unidade formativa que decorreu no fim-de-semana de 13 a 15 de abril. Como de costume, os Missionários Combonianos abriram-nos a sua casa em Viseu, onde sempre nos sentimos bem acolhidos e em nossa casa. Damos graças a Deus por essa dádiva. A formação foi orientada pelo Carlos Barros e pela Susana Vilas Boas.

Esta unidade formativa assume uma importância à parte das restantes. Sem oração, a missão torna-se estéril e sem sentido, fragiliza-se nos momentos difíceis; sem oração, podemos ser voluntários mas não verdadeiros missionários. O nosso santo Daniel Comboni alude insistentemente à necessidade da oração, seja a sós seja em comunidade. A relação íntima com o Sagrado Coração de Jesus impregna toda a sua ação evangelizadora, a missão “nasce aos pés da cruz” e concretiza-se com o envio dos seus apóstolos por Cristo ressuscitado.

9C32E44B-F7A1-4FDC-8BA4-96425B7048E8.jpeg

O centro desta formação foi a Liturgia das Horas, a base da oração em comunidade e que os leigos missionários devem saber muito bem manusear para bem a praticar. As orientações da Igreja encontram-se na “Instrução Geral Sobre a Liturgia das Horas”, emanada do concílio Vaticano II, de que os excertos mais significativos se encontram no início do breviário. A sua leitura é imprescindível, dispensando-nos de aqui a resumir ou sublinhar aspetos mais relevantes.

O sino da minha infância, na Vacariça, também marcava o compasso do tempo. O sacristão (ou um familiar) não se esquecia de tocar o sino todos os dias ao nascer do sol, as “matinas” (e acordávamos), ao meio-dia (e interrompia-se o trabalho no campo para a refeição) e ao pôr-do-sol, as “trindades” (e o trabalho terminava e regressava-se a casa). E em cada um desses momentos as pessoas faziam alguma curta oração silenciosa. Nesse tempo os cristãos eram convocados, alto e bom som, a orar ao ritmo das horas; mas isto são memórias do passado que a sociedade contemporânea vai apagando.

Que esta formação constitua também um sino que nos desperta e nos convoca à oração, diálogo íntimo com o Pai, como seiva da nossa vocação e ação missionária!

615750C5-36BE-40F4-A116-7CFB27FC418F.jpeg

Mário Breda

Notícias da LMC Maria Augusta vindas da RCA

IMG-20180311-WA0000.jpg 

Faço votos para que todos os leigos e leigas se encontrem bem e que tudo esteja a correr na normalidade. Nós, comunidade Apostólica, estamos bem, graças a Deus.

Cá estamos de novo em Bangui, desta vez para trazer um rapazinho que tem um problema na coluna, devido a uma tuberculose óssea,” chamada “Mal de Pott”, a fim de ser operado em Dakar, pelo dr- Omnimus, o médico francês  ortopedista, que costuma vir operar  a Mongoumba. Partirá, acompanhado pelo seu pai, no dia 12, amanhã. Iremos acompanhá-los ao avião pelas 5 da manhã. Damos muitas graças ao Senhor por estarmos aqui a acompanhar o Gervelais e o pai.

Esta foi uma viagem com muitas incertezas. Tínhamos programado viajar na quinta-feira a fim de podermos fazer as compras e depois voltarmos para Mongoumba no dia 13, mas o batelão avariou na terça-feira e só recomeçou a trabalhar na sexta à tarde. Chegámos a pensar que seria necessário vir algum missionário de Bangui para transportar e conduzir Gervelais e seu pai ao aeroporto. Ontem, estando no batelão, houve um momento em que tivemos dúvidas se poderíamos continuar viagem porque um camião não conseguiu sair, foi preciso ser rebocado por um camião bem carregado. Como diz o ditado “o homem propõe e Deus dispõe”. O Senhor faz tudo bem feito! É Ele que sabe o que é melhor para nós. Rezo a Maria que interceda pelo Gervelais e peço para ele orações para que possa recuperar a saúde, que possa ficar bem!

A Belvia foi operada, tiraram-lhe todo o peito. Ainda não se sabem os resultados das análises feitas a esses tecidos. Espero que não seja cancro… Ela, agora sente-se melhor, já terminou os tratamentos e agora toma alguns medicamentos. Está muito contente, estava a sofrer muito… que o Senhor a ajude.

A Ana partiu para a Polónia e, em princípio, voltará em Maio. Que o Senhor a recompense com umas boas férias.

A Cristina está bem e animada. Ela começou o sango. Já saúda toda a gente na língua local e as pessoas ficam muito contentes. Está já enamorada pela missão! Deus permita que seja até ao fim do tempo que estiver a servir a missão!

No próximo mês a nossa paróquia vai festejar o 50º aniversário da sua criação, vamos fazer uma grande festa, se Deus quiser.

Estamos sempre unidos pela oração.

Um abraço missionário de toda a comunidade, para todos vós.

LMC Maria Augusta

 

Notícias da LMC Cristina Sousa vindas da RCA

IMG-20180311-WA0003.jpg

Olá queridos amigos !

Espero que se encontrem todos bem.
Faz dois meses que cheguei RCA, ainda não desfiz a mala mas o meu coração está completamente rendido por Mongoumba.
As emoções aqui são de uma intensidade que nos transcendem.
Nos momentos que penso "vou embora" sinto que a minha vida ganha raiz aqui!
Não é fácil gerir o desconhecido, não é fácil aceitar o diferente, não é fácil controlar a impotência a revolta... Mas é na dificuldade que deixamos de ser cegos, surdos, mudos...
O processo de adptação tem sido "yeke, yeke"* (como se diz em sango), faço desta expressão "palavra de ordem" no meu pensamento.
Num só dia o meu coração bate de várias maneiras, de manhã choro, à tarde riu e à noite , talvez as duas coisas.
 

IMG-20180311-WA0002.jpg

Já comecei as aulas de sango. O Simone diz que o prof. monsieur Dominique já começou a falar muito bem o português. Apesar de tudo isto, tenho um segredo a revelar: estou completamente apaixonada por cinco pequenos pigmeus - Paul, Dimanche, Albert, Pauline e François. Ao virem para a escola tomam o pequeno-almoço e almoçam em nossa casa. São o meu balão de oxigénio, onde respiro e alimento o meu corpo e alma. Brincamos, rezamos e conversamos (É verdade! Conversamos.). Já me perguntaram como nós comunicamos! Gosto muito quando passo a ser objeto de estudo. Sou investigada ao pormenor: mãos, veias, marca do elástico no braço, fazem autênticas reuniões à volta da minha cabeça e o meu cabelo é assunto de muita discussão. Pauline neste último dia descobriu um buraco na minha barriga - o meu umbigo. Tem sido grande tema de conversa! (hehehe)

Como não me apaixonar??!!

Assim termino, desejando a todos uma boa Páscoa.
Que a Quaresma seja um momento de grande reflexão e conversão, mas principalmente de acção "humanitária" e que esta accão seja o reflexo das nossas orações.

Beijinhos de todos nós na RCA.
Que Jesus nos proteja e Ilumine a todos, em particular aos meninos da RCA que são os verdadeiros diamantes de África.
 
LMC Cristina Sousa
 
* yeke, yeke - "devagar, devagarinho"

“Sou pedrinha, sou Igreja” – 6ª Unidade Formativa LMC

001.JPG

Nos dias 17 e 18 de Fevereiro tivemos a formação “Sou pedrinha, sou Igreja”, em Viseu. No Sábado, tivemos como formador o Pe. José Augusto Duarte Leitão, do Verbo Divino, que ao longo do dia nos foi falando de princípios da doutrina da Igreja: a centralidade da pessoa humana, o bem comum, o princípio da subsidiariedade e o princípio da solidariedade. Fomos vendo, refletindo e participando, momentos da vida da Jesus em que estes princípios se fizeram presentes e tão notórios. Fomos percebendo que estes princípios se interligam quase sempre e que nos mostram como devemos agir e relacionarmo-nos no mundo, à luz de Jesus Cristo e da Igreja. Dá-me confiança e esperança perceber que muitas das coisas que me fazem sentido e que tento ter presentes no meu dia-a-dia são consideradas pela Igreja como estruturais de uma doutrina social e caritativa. Percebi que aquilo em que acredito e para a forma como vejo a vida e a minha relação com os outros e com o mundo que me rodeia é aquilo que a Igreja defende e promove.

 

Tivemos depois um momento de oração, um pouco diferente, com recurso ao Passo a Rezar e foi tão bom! Guardo as palavras “És precioso aos meus olhos”, tento não me esquecer deste Amor que Deus tem por mim, desta valorização da minha pessoa aos seus olhos. Haverá maior alegria do que esta, de me saber amada pelo Senhor? Só Ele me salva, só Ele me conhece e é Ele que me chama pelo nome e me faz correr ao seu encontro nos outros, naqueles que se cruzam comigo. É Ele que me chama a servir, a amar, a dar. É Ele que me chama a ser Amor, como é comigo. Sei que muitas vezes estou longe deste amor pleno, sou frágil… Mas sei que sou uma pedrinha nesta Igreja do mundo, tenho o meu lugar e vou tentando dia após dia torná-lo num sítio melhor.

 

À noite vimos o filme Germinal, um filme francês que retrata a luta pelos direitos de uns trabalhadores numa mina. Foi intenso, tanto pela história que retratava, como em termos de imagem. Foi duro! Mas foi também empolgante, e fez-me pensar em tantas desigualdades e em como muitas vezes temos de nos sujeitar a certas coisas que podem não parecer bem à primeira vista, mas em que, no fundo, não perdemos a nossa integridade como pessoas, e que apenas estamos a lutar por um bem maior.

004.JPG

No Domingo, tivemos connosco o ir. José Manuel que nos veio falar da urgência de unir a mente com o coração, para conseguirmos voltar à essência do Amor de Deus, que Jesus nos veio trazer. E só unindo a mente com o coração podemos olhar o mundo e podemos encontrar este Amor que transforma. O ir. José Manuel falou-nos das situações que tem acompanhado desde que está em Portugal, como a situação do Bairro da Torre ou uma comunidade de ciganos que está desalojado e sem condições, em Beja. Essencialmente falou-nos do sofrimento de pessoas que habitam no nosso país e com o qual não consegue ser indiferente. Retive a ideia de que é importante ir à causa do problema, escutar as pessoas, perceber a origem das situações de sofrimento e agir em conformidade, sempre à luz do que Jesus Cristo faria. Sempre à luz do Seu Amor.

 

Foi bonita a forma como o testemunho do ir. José Manuel veio trazer para a vida os ensinamentos que o Pe. José Augusto nos transmitiu no sábado. Foi bonito ver esta unicidade entre a “teoria” e a “prática”, como os ensinamentos da Igreja se fazem presentes no nosso dia-a-dia e principalmente se devem fazer presentes no mundo em que vivemos. Sinto que quero ser uma pedrinha viva desta Igreja e que não dá para ficar indiferente ao sofrimento do mundo. Há que agir, há que lutar, há que fazer a nossa parte! E para terminar, guardo uma ideia que o irmão nos deixou “vais para onde manda a agenda de Deus”… E é essa agenda, aquela em que reina o Amor de Deus, que comanda a nossa vida e a nossa missão no mundo. Saiba eu deixar-me levar para onde me leva a agenda de Deus.

 

Ana Isabel Sousa

Teatro solidário - uma fonte de vida

IMG_05032018_100235_HDR.jpg

Partilho convosco aquela que é a minha imagem matinal. Aquela imagem da minha cidade, Linda Leiria, que funciona agora como pano de fundo sobre a minha manhã de desporto na qual encontro também Deus e com Ele converso. Dialogamos sobre aquilo que decorreu no dia 4 de Março na “minha” paróquia de Santa Eufémia - um Teatro Solidário levado ao palco pelo TASE (Teatro de Animação de Santa Eufémia): Comédia a partir das Lendas de Leiria. E quão grata estou ao nosso Pai. N’Ele confiei este Teatro. E quantas não foram as vezes que me achei incapaz. Á memória muitas vezes me vinha o meu compromisso de Quaresma que assumi numa oração shemá (orações que decorrem em Leiria, onde se privilegia o canto e a oração meditada, com inspiração nos métodos de Taizé). Confiar. Confia pois “tudo podes n’Aquele que te dá força (Filipenses 4:13)”. Confia pois “Deus nunca pede nada que antes Ele já não te tenha dado”.

 (https://www.youtube.com/watch?v=tlvJehSct4g)

Enquanto corro, reavivo os momentos em que desanimei porque as coisas não estavam a correr tão bem quanto queria. Mas queira eu o que Deus quer, e acima de tudo, que este evento traga os frutos necessários à obra do Senhor, à missão em Arequipa (Projeto Ayllu) e não mais que isso.

E é difícil agradar a todos. Quero crer que tudo o que fiz foi pela Obra do Senhor. Afinal de contas, Jesus nem sempre agradou a todos. E quão difícil é, por vezes, encarcerar em nós as críticas (construtivas ou não) e acatá-las em silêncio. “Podias fazer a, ou b. Mas também poderias fazer c. Ou talvez d”. E peço perdão pelas reacções menos positivas que tive para com aqueles que, embora eu não visse de forma nítida, me queriam somente ajudar. E devo-lhes tanta graça!

 

Agarrar este evento em nome dos Leigos Missionários Combonianos foi vida. Foi vida que se gerou, não só em mim, mas também vida que se gerou em torno de relações humanas, de pessoas que querem dar(-se). E vejo com este meu olhar crente no mundo que todos (TODOS) somos capazes de amar, todos temos uma ALMA MISSIONÁRIA e (ainda que muitas vezes nos nossos recônditos) esta necessidade de amar e ser amados. E é este Amor que deve ser o motor da vida!

 

Nas semanas precedentes ao teatro fomos convidando pessoas. Muitos "Não posso", alguns "Não vou, mas compro o bilhete", uns quantos "Não sei se vou", "Eu vou", “Afinal não posso ir". Um misto de altos e baixos que foram tecendo uma plateia. Na verdade, estava com receio que a plateia também não fosse apelativa ao próprio TASE (afinal de contas, actuar num palco faz-se com mais gosto e empenho se o público for numeroso e recetivo). Contas feitas, rezava para que, pelo menos 50 pessoas preenchessem os bancos daquele auditório.

Confia Carolina. Ecoava em mim esta frase.

Soubessem a emoção contida no meu coração quando, nesta tarde de Domingo que já ansiava há tanto tempo, surgem para ver o teatro cerca de 130 pessoas. E não posso deixar de agradecer aos presentes, mas também aos que estavam de outra forma, em oração, espiritualmente, em pensamento. Agradeço também ao TASE que de forma tão gratuita e generosa se dispôs a pôr o seu talento teatral a render, colocando a plateia a rir às gargalhadas (eu própria chorei a rir!). Agradeço aos vários patrocinadores (uns mencionados nos flyers, outros que preferiram o seu anonimato). E acima de tudo, agradeço a Deus pelos frutos deste Teatro Solidário que, muito além de financeiros*, são frutos vivos nas relações que se estabeleceram, no diálogo envolvido para a sua concretização, nos pensamentos que surgiram na cabeça de cada um dos colaborantes quando decidiram contribuir. Muito obrigada a todos!

Do fundo do meu coração, o meu mais profundo obrigada. E aqui nasceram mais “mil vidas para a missão”! Estou certa que em tudo o que fizemos teve a mão de Deus e de um amigo nosso, São Daniel Comboni.

LMC Carolina Fiúza

*1020€ de receita conseguida na venda de bilhetes, patrocínios, donativos e venda de artigos

 

Notícias da República Centro-Africana

Comunidade.jpg

Todos os membros da comunidade apostólica estamos bem, graças a Deus. Já há muito que não comunico convosco, porque, como as estradas estão muito más, evito vir a Bangui. Hoje a viagem, com as paragens que se fazem, durou 8 horas. Tornam-se muito cansativas... Hoje, chegou uma nova LMC [Leiga Missionária Comboniana], é a Cristina que vem de Gueifães. Ela irá estudar um pouco mais o francês e, de seguida, o sango [dialecto local]. Peço ao Senhor para que ela se adapte bem e aprenda depressa o sango, para depois ir servir este nosso povo, principalmente os mais desfavorecidos que são os pigmeus. Trouxemos connosco uma rapariga de 17 anos que desde 2016 lhe começou a crescer o peito direito. Veio fazer exames mas não lhe fizeram mais nada, agora parece uma bola de futebol... No domingo começou com dores no outro e como vieram pedir ajuda, acompanhou-nos. Em princípio vão tirar-lhe todo o peito, espero que seja um fibroma e não seja canceroso, que possa ficar bem!

A Ordenação Episcopal do Padre Jesus decorreu muito bem! De Mongoumba vieram 80 pessoas e de Espanha chegaram os dois irmãos, a cunhada, dois sobrinhos e quatro amigos. Dos familiares mais próximos só faltaram os pais, porque já têm 86 anos, irão festejar o 63º aniversário de casamento no mês de Fevereiro e será o filho a celebrar a missa de Acção de Graças. Foi uma festa inesquecível! Passada uma semana foi a festa de Acção de Graças em Mongoumba. A igreja estava repleta de gente e havia muitas pessoas fora dela.

A preparar a vinda de Jesus, fizemos a novena de Natal, tendo tido uma boa participação dos fiéis.

No início de Janeiro, tivemos umas noites bem frescas, chegou aos 10 graus, que é muito frio para as pessoas, que não têm casas bem protegidas nem agasalhos para se cobrirem. Eu nunca tinha sentido aqui temperaturas tão baixas...

Sempre unidos pela oração.

Um grande abraço de amizade para todos da LMC Maria Augusta

Partida da LMC Cristina Sousa para a RCA

IMG_20180116_142810.jpg

Esta tarde a nossa Cristina partiu em Missão para Mongoumba, na República Centro Africana, onde se juntará à comunidade de LMC's ali presentes (a nossa Maria Augusta de Portugal, a Anna da Polónia e o Simone da Itália).

Como seria de esperar, foi um momento de fortes emoções, onde se misturavam os problemas burocráticos do peso das malas com a agitação interior natural que provoca a despedida de familiares e amigos por um período de tempo significativo como são 2 anos.

 

 

IMG-20180116-WA0002.jpg

Ao ver a Cristina a despedir-se e a aproximar-se das escadas rolantes que cortariam o contacto visual connosco, senti claramente que os olhares se torvavam e ainda se abraçavam, como se quiséssemos permanecer juntos mais um bocadinho, mas as escadas lá começaram a subir e a Cristina partiu.

No caminho para casa vinha impressionado pela cena (como se já não tivesse tido a graça de testemunhar outras despedidas igualmente intensas) e pensava em que tipo de força estaria no cimo daquelas escadas rolantes para atrair a Cristina com mais força que os nossos desejos de permanecer juntos mais um bocadinho.

Olhando para dentro acho que a resposta não pode ser outra que Jesus.

É Jesus que, a partir da nossa interioridade, nos chama a deixar tudo e segui-Lo... para onde Ele quiser.

É Jesus que quer sempre dar a Boa-Nova especialmente aos pobres e que, ao fazê-lo connosco, nos desafia e envolve num encontro cada vez mais profundo com Ele.

Esta decisão de partir poderá parecer a alguns egoísta.

Mas não é.

Esta decisão vem da escuta que põe a nu um imperativo de consciência de que é aquilo que devemos fazer.

É Ele que nos chama!

IMG-20180116-WA0000.jpg

A dor da separação dos nossos familiares e amigos virá justamente comprovar de que não se trata de uma decisão egoísta, mas sim altruísta, maior do que nós.

Quanto a nós, os que ficamos, apesar da saudade estamos felizes porque vemos aqueles que amamos a viver a vida em pleno... cheia de sentido.

Participaremos nesta missão de pleno direito através da oração, da saudade e do apoio que damos à decisão (mesmo que por vezes não compreendamos).

Agradeço do fundo do coração o testemunho da Cristina e da sua família, bem como a todos os LMCs e familiares que vão passando pelo aeroporto a demonstrar de forma viva que o Espírito continua a soprar onde quer e a ter impacto nas nossas vidinhas tão ocupadas do dia-à-dia.

 

Um grande abraço a todos.

Até breve Cristina!

LMC Pedro Moreira