Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Leigos Missionários Combonianos

Servindo a Missão ao estilo de S. Daniel Comboni

Jornal “Caminho - notícias da missão no Peru

Neuza (2).jpg

Partilhamos mais um pedaço do Jornal Caminho de Abril da Paróquia de Cristo Rei da Vergada.  Hoje com notícias do Peru pela LMC Neuza Francisco. 

Amar é a partida

 

 

Desde que cheguei aqui, tenho descoberto a cada dia que passa, o amor. Um amor que exigiu e exige continuamente uma partida, uma partida de nós próprios, uma partida de tudo o que já conhecemos, uma partida que exige que te ponhas a caminho. Precisamos amar o mundo e tudo o que n’Ele espelha o amor de Deus. Aqui encontrei uma outra forma de amar, encontrei um amor disponível, um amor simples, um amor que brota da honestidade do que tenho e do que partilhando permitimos doar e receber do outro. Assim de forma desinteressada. Um amor que brota de um crescer juntos, como irmãos. É aqui que sinto ardentemente que tenho que estar. É neste irmão que sinto todos os dias o chamamento de Deus. É nas subidas e descidas dos grandes montes que me rodeiam que encontro constantemente sorrisos, lágrimas, encontro braços que me esperam, olhos que refletem história, muita história.

É por estes caminhos de terra que todos os dias caminho, que encontro testemunhos que me convertem e me fazem agradecer a Deus, o milagre da vida. Agradeço, ter sido uma das suas escolhidas. Pouco a pouco, vou conhecendo não apenas os seus rostos, a sua expressão, vou conhecendo cada nome, cada casa, cada família. Já são muitas as vezes em que escuto de longe que me chamam “Andrea, hermanita Andrea”. Sim aqui todos somos irmãos e irmãs.

Um dia vos contarei a história do meu nome. Sinto-me um deles. Somos uma família.

Ai Peru, que roubaste o meu coração!

Neuza (1).jpg

Na partilha do que têm, sim, dão-te muitas vezes do pouco que têm e do muito que são. Fazem questão. São muitas as vezes em que no regresso, trago o regaço cheio com meia dúzia de maçãs do senhor que vem ao encontro de idosos, com uma banana que durante o caminho o senhor da pequena mercearia me ofereceu, com os grãos de milho que me ofereceu uma das famílias que visitei ou com duas ou três batatas, da senhora que estava doente, me ofereceu.

Aceitamos a cada dia crescer juntos. Aceitamos a cada visita, ajudar-nos a carregar a cruz de cada um. Somos palavras de aconchego mútuo, somos sorrisos, somos silêncios que se confessam, somos lágrimas. Somos, na consequência do ser-se, frágeis e muitas são as vezes em que de joelhos nos reconciliamos com o amor.

Na humildade de cada pessoa que cruza o meu caminho que encontro o rosto de um Deus, um Deus misericordioso.

Na alegria e na dor do dia a dia encontro o sentido da vida. E cada vez que ao longe, avisto uma família, um conjunto de crianças que me esperam, avisto dois braços, os braços de Cristo.

Neuza Francisco, LMC

Em Missão, no Peru

Teatro solidário - uma fonte de vida

IMG_05032018_100235_HDR.jpg

Partilho convosco aquela que é a minha imagem matinal. Aquela imagem da minha cidade, Linda Leiria, que funciona agora como pano de fundo sobre a minha manhã de desporto na qual encontro também Deus e com Ele converso. Dialogamos sobre aquilo que decorreu no dia 4 de Março na “minha” paróquia de Santa Eufémia - um Teatro Solidário levado ao palco pelo TASE (Teatro de Animação de Santa Eufémia): Comédia a partir das Lendas de Leiria. E quão grata estou ao nosso Pai. N’Ele confiei este Teatro. E quantas não foram as vezes que me achei incapaz. Á memória muitas vezes me vinha o meu compromisso de Quaresma que assumi numa oração shemá (orações que decorrem em Leiria, onde se privilegia o canto e a oração meditada, com inspiração nos métodos de Taizé). Confiar. Confia pois “tudo podes n’Aquele que te dá força (Filipenses 4:13)”. Confia pois “Deus nunca pede nada que antes Ele já não te tenha dado”.

 (https://www.youtube.com/watch?v=tlvJehSct4g)

Enquanto corro, reavivo os momentos em que desanimei porque as coisas não estavam a correr tão bem quanto queria. Mas queira eu o que Deus quer, e acima de tudo, que este evento traga os frutos necessários à obra do Senhor, à missão em Arequipa (Projeto Ayllu) e não mais que isso.

E é difícil agradar a todos. Quero crer que tudo o que fiz foi pela Obra do Senhor. Afinal de contas, Jesus nem sempre agradou a todos. E quão difícil é, por vezes, encarcerar em nós as críticas (construtivas ou não) e acatá-las em silêncio. “Podias fazer a, ou b. Mas também poderias fazer c. Ou talvez d”. E peço perdão pelas reacções menos positivas que tive para com aqueles que, embora eu não visse de forma nítida, me queriam somente ajudar. E devo-lhes tanta graça!

 

Agarrar este evento em nome dos Leigos Missionários Combonianos foi vida. Foi vida que se gerou, não só em mim, mas também vida que se gerou em torno de relações humanas, de pessoas que querem dar(-se). E vejo com este meu olhar crente no mundo que todos (TODOS) somos capazes de amar, todos temos uma ALMA MISSIONÁRIA e (ainda que muitas vezes nos nossos recônditos) esta necessidade de amar e ser amados. E é este Amor que deve ser o motor da vida!

 

Nas semanas precedentes ao teatro fomos convidando pessoas. Muitos "Não posso", alguns "Não vou, mas compro o bilhete", uns quantos "Não sei se vou", "Eu vou", “Afinal não posso ir". Um misto de altos e baixos que foram tecendo uma plateia. Na verdade, estava com receio que a plateia também não fosse apelativa ao próprio TASE (afinal de contas, actuar num palco faz-se com mais gosto e empenho se o público for numeroso e recetivo). Contas feitas, rezava para que, pelo menos 50 pessoas preenchessem os bancos daquele auditório.

Confia Carolina. Ecoava em mim esta frase.

Soubessem a emoção contida no meu coração quando, nesta tarde de Domingo que já ansiava há tanto tempo, surgem para ver o teatro cerca de 130 pessoas. E não posso deixar de agradecer aos presentes, mas também aos que estavam de outra forma, em oração, espiritualmente, em pensamento. Agradeço também ao TASE que de forma tão gratuita e generosa se dispôs a pôr o seu talento teatral a render, colocando a plateia a rir às gargalhadas (eu própria chorei a rir!). Agradeço aos vários patrocinadores (uns mencionados nos flyers, outros que preferiram o seu anonimato). E acima de tudo, agradeço a Deus pelos frutos deste Teatro Solidário que, muito além de financeiros*, são frutos vivos nas relações que se estabeleceram, no diálogo envolvido para a sua concretização, nos pensamentos que surgiram na cabeça de cada um dos colaborantes quando decidiram contribuir. Muito obrigada a todos!

Do fundo do meu coração, o meu mais profundo obrigada. E aqui nasceram mais “mil vidas para a missão”! Estou certa que em tudo o que fizemos teve a mão de Deus e de um amigo nosso, São Daniel Comboni.

LMC Carolina Fiúza

*1020€ de receita conseguida na venda de bilhetes, patrocínios, donativos e venda de artigos

 

Estar aqui. Com eles e entre eles!

22790782_10215031450241977_2067650889_o.jpgEstamos num dos lugares mais bonitos do mundo. Apenas deveremos acrescentar que neste lugar, algures, perdido entre os vulcões Chachani e Misti, vive um povo, um povo humilde no qual fazemos morada agora.

Ao longo da nossa ainda precoce caminhada, são já muitos os rostos que ficaram cravados em nós. Talvez porque a desumanidade se faz presente de uma forma tão evidente que em última das hipóteses leva à morte. São já muitas as histórias de violência que nos foram contadas não apenas através de palavras, mas através do testemunho vivo de quem diariamente luta pela esperança da mudança. Ou não seja este país, Peru, o país onde os níveis de machismo são dos mais elevados de mundo. Neste testemunho de Manu Tessinari, podemos conhecer de uma forma mais profunda esta realidade:

 

“Peru é um país machista. Muito machista.

No Peru, uma adolescente pode ser espancada pelo pai se flagrada tendo sexo com o namorado. Aqui, a mulher que está em cárcere não tem direito a visitas conjugais. No sistema público de saúde, é proibido a entrega gratuita da pílula do dia seguinte para pacientes vítimas de estupro.

22641683_1205471326251727_267057887_o.jpgAlgo mais absurdo? No Peru, se a mulher é largada pelo marido e não se divorciam, o homem pode refazer a vida e registrar todos os filhos da nova companheira. A mulher não. A lei indica que o filho desta mulher é legalmente do ex-marido (protegido pelo vinculo do matrimonio) e para que o pai biológico consiga registá-lo, é necessário um longo e complexo processo legal.

De 10 mulheres peruanas, 6 são vítimas de violência psicológica e 2 são vítimas de violência física por parte de seu companheiro. 16% das pessoas (homens e mulheres) acham que a culpa é da própria mulher, sendo que 3,7% acham que elas MERECEM ser golpeadas e 3,8% NÃO vêem problemas em o homem forçar relações com suas parceiras.

As peruanas são trabalhadoras. Segundo o INEI (Instituto Nacional de Estatísticas e Informação), 95,4% das peruanas trabalham, a maioria em serviços. Em média, uma peruana ganha UM TERÇO A MENOS do que um peruano ganho, fazendo o mesmo serviço. Infelizmente, somente 36% das mulheres conseguem terminar a escola e pouco mais de 16% conseguem concluir uma faculdade. Isto num país onde as mulheres são 15.800.000, ou seja, 49,9% da população”.

22473264_1200944190037774_730984791_o.jpg 

As vidas de quem nos passa pela porta, não nos ficam indiferentes, e ainda que a realidade seja esta, levamos-lhe a alegria de um Evangelho que não é apenas nosso, um Evangelho que necessita ardentemente de ser levado ao mundo, levado aos confins da periferia.

 

Não tenhais medo de sair e ir ao encontro destas pessoas, de tais situações. Não vos deixeis bloquear por preconceitos, por hábitos, por inflexibilidades mentais ou pastorais, pelo famoso «sempre fizemos assim!». Mas só podemos ir às periferias, se tivermos a Palavra de Deus no nosso coração e se caminharmos com a Igreja, como fez são Francisco. Caso contrário, estamos a anunciar a nós mesmos, e não a Palavra de Deus, e isto não é bom, não beneficia ninguém! Não somos nós que salvamos o mundo: é precisamente o Senhor que o salva!

- Papa Francisco -

 

É aqui que nos sentimos chamadas a habitar entre eles e com eles. É aqui que deixamos de ser nós para ser, instrumentos vivos ao serviço de Jesus Cristo no Peru.

 

 

Comunidade Ayllu,

Neuza y Paula

A nossa casa - Notícias das LMC Paula e Neuza

Chegar à missão é chegar a casa. Não a que nos viu crescer, outra que agora nos acolhe, onde agora dormimos, crescemos e amamos. Chegar à missão é chegar ao povo. Não o que nos viu nascer, outro que nos recebe de braços abertos como se fossemos filhas que tornaram a casa. Chegar à missão é abraçar outro povo. Não aquele que nos viu nascer mas aquele que de braços abertos se predispõe a crescer connosco. Cada pessoa é mundo e tem mundo para nos contar. Em cada pessoa encontramos Deus e é esse Deus e esse mundo que hoje pretendemos mostrar-vos. É nesta paisagem que todos os dias acordamos na confiança e adormecemos no agradecimento. Nesta missão que não é só nossa mas de todos, queremos que percorram cada dia e cada história connosco.

 

LMC's Paula e Neuza

 

 

A missão do outro lado do atlântico

8c3315db-834c-4667-b939-91f8972363ba-1.jpg

Ter fé é assinar uma folha em branco e deixar que Deus nela escreva o que quiser (Santo Agostinho). 

Assim também a missão é deixarmo-nos guiar pelo espírito santo que nos acompanha e espera. 

Chegamos a este caminho com tudo o que somos e assim também partimos. Trouxemos no coração todos os que amamos e nos completam, fizeram-nos chegar até aqui e acompanhar-nos-ão a vida toda, assim dita o amor. Saímos ao amanhecer e também num amanhecer chegámos ao Peru. Conscientes da longevidade da viagem fortalecemo-nos nos abraços que apertados se deram neste longo até jáChegámos à terra à qual chamaremos casa nos anos que se aproximam. 

53fb4635-3d4f-4f5c-8398-226a862ac80b.jpg

À porta do aeroporto já nos esperavam, nos sorrisos e na alegria de finalmente nos receberem. Partilhámos o nosso nome e o nosso carisma. 

Á saída, fomos recebidas pela chuva miudinha que se fazia sentir, e neste turbilhão de sensações percorremos pela primeira vez solo peruano. O período é de puro conhecimento, despojadas de nós damos os primeiros passos junto deste povo que nos acolheu de forma tão amável. Somos nós do outro lado do atlântico vivendo a missão bem ao estilo S. Daniel Comboni. 

c7aabc83-28ff-4b80-bf85-03dec9305f53.jpg

Conhecer os Leigos Missionários Combonianos foi conhecer a nossa família LMC Peruana. Cada um deles partilhou connosco um pouco de si e do seu testemunho de vida e de fé. Pudémos conhecer também os postulantes com quem convivemos e partilhámos bons momentos. Entre conversas, bebidas, comidas e gargalhadas recebemos um pouco deles e demos um pouco de nós, alegres, na certeza de saber que todas estas vidas convergem para Deus. 

Certas de que foi e é Deus quem nos chama a esta missão. Caminhamos juntas certas que chegaremos aonde nos esperam.

7292ae8f-1303-4893-beea-450a996116d0.jpg

 

Neuza y Paula

Vou, sigo-O, mas não vou só!

IMG_16072017_110756_HDR.jpgFoi no dia 16 de Julho que celebrámos em comunidade, em Viseu, na paróquia de Rio de Loba, o envio da nossa LMC Neuza Francisco juntamente com a sua família e amigos, que parte em breve para a missão de Arequipa, no Peru. Partilhamos convosco o seu sentir após este grande dia de festa.

 

É com amor e gratuidade que partilho, mais um “Sim”, mais um, por entre tantos já dados até então, nesta caminhada que é a minha vida. Mais um sim, a simplesmente deixar tudo e segui-Lo. Falo-vos de um sim que nada tem de fácil, mas tudo tem de disponível, um sim que está repleto de entrega e de amor. Um “sim”, dado na humildade do que sou, e do que trago em mim. Um sim completo de perseverança na certeza de que “Deus não escolhe os mais capacitados, capacita aqueles que escolhe” (Dom António Couto)

            Este sim de que vos falo, implica deixar tudo, família, amigos deixar o conforto de uma vida que para mim, assim, não tinha sentido. E numa atitude de desapego, porque só através dele conseguimos experienciar uma relação pessoal com Cristo, sem as dependências e seguranças criadas naturalmente ao longo da nossa vida, confio no chamamento que Ele me faz a ser feliz, aqui ou por onde quer que Ele me leve. É a certeza de que caminho cada vez mais dentro de mim, para me conhecer, para poder chegar ao outro, numa relação que só é possível na certeza de que, caminhe eu por onde caminhar, Deus vai de mão dada comigo.

IMG_16072017_101247_HDR.jpg

            Hoje tenho uma profunda certeza de que Comboni caminha comigo no sonho de Deus para nós, e sou eu também, uma das mil vidas para a missão.

            Hoje, Ele chama-me a mais uma vez deixar o meu barco na praia e com Ele encontrar outro mar. Vou, sigo-O, mas não vou só. Levo em mim a oração de todos aqueles que cruzaram o meu caminho e semearam em mim pequenas sementes de um amor profundo que germinou e germina ainda aqui, bem dentro do meu coração. Vou, mas não vou só. Levo em mim todos os corações que cruzaram o meu caminho e me ensinaram a amar, mais e mais. Levo comigo todos aqueles, cuja história de vida se entrelaçou na minha e me levaram a conhecer um Deus misericordioso e compassivo. Guardo em mim os abraços dados no decorrer de um caminho fecundo e fértil, guardo com amor as mãos estendidas, que apesar das muitas quedas, sempre me ajudaram a levantar. Vou, mas não vou só. E como muitas vezes diz a minha avó: “vou com Deus”.

            Neste momento, sou chamada ao Perú. Sinto que mais uma vez Ele me convida a amar, a partilhar, a estar, a entregar-me, a confiar, para que com o povo ao qual sou chamada, possamos ser juntos. Ele chama-me a ir aos mais pobres e marginalizados das periferias de Arequipa. Chama-me a ser eu, e a deixar que o tesouro que trago em mim frutifique com o outro. Abraço a missão de Arequipa, como quem abraça um sonho, um sonho sonhado e esperado desde sempre. Um sonho ao qual me entreguei e entrego todos os dias. E não, não falo de uma utopia ou de algo surreal; falo sim, de um sonho de ser por inteiro, abrace eu a realidade que abraçar.

            Vou, não porque quero salvar o mundo, mas porque também eu, quero fazer parte dessas feridas abertas no mundo, ferida, composta de pessoas de carne e osso que num lugar distante, também trazem dentro de si, um pedacinho de Deus. Quero ser com eles, quero ver o rosto de Deus, na desumanidade que busca um sentido com os pés na terra e as mãos cheias de nada. Quero ver Deus nos sorrisos espontâneos de quem desconhece o amor, mas vive diariamente para louvar.

IMG_20170731_174045.jpg

            Caminho, na confiança, entrega e alegria de saber, que é a Cristo que eu sigo, é a Cristo que eu levo e é a Cristo que eu irei sempre encontrar. Caminho e em cada passo que dou, dou-o com a liberdade de saber que serão sempre os Seus braços misericordiosos onde me vou refugiar em cada pôr-do-sol, e será Ele a esperança que me fará erguer a cada amanhecer.

            Parto em nome de uma comunidade, em nome da Igreja, em nome de Jesus Cristo, vou anunciar o Evangelho do Amor. E neste profundo crescer em mim, em Deus e no outro peço-vos: rezem por mim!

IMG_16072017_145910_HDR.jpg 

Com Amor e gratuidade,

Neuza Francisco

Encontro de "avaliação" e convívio - 11ª unidade formativa LMC

IMG_09072017_111133_HDR.jpg

Foi nos passados dias 7, 8 e 9 de Julho que decorreu na casa dos Missionários Combonianos do Coração de Jesus – MCCJ – de Viseu a 11ª unidade Formativa LMC.

O sábado, dia 8, deu lugar a uma “avaliação” dos formandos, ou melhor afirmando… uma conversa entre cada um dos formandos e a equipa coordenadora sobre os passos que se vão traçando neste caminho de descoberta da vida LMC. A formação de dois anos que é proposta aos formandos que aceitam o convite de conhecer o que é ser LMC não se limita a dois meros anos. É uma formação que leva a vida. É a própria vida. Um caminho de avanços e recuos mas que, de x em x tempo merece uma atenção e uma “avaliação”, quer de cada um para consigo mesmo, quer em comunidade na partilha sobre “pontos de situação - em que ponto estou no caminho como LMC”. Ao fim do dia abraçámos uma maravilhosa chegada das LMC’s Neuza e da Paula, acabadinhas de chegar da comunidade de Granada. E connosco partilharam a sua experiência na comunidade Lisanga, que viveram com com os LMC espanhóis Aitana e David. Partilharam ainda um projeto – o projeto que irão abraçar durante os dois anos que estarão em Arequipa em missão. Este projeto terá como pano de fundo a pastoral social e serão trabalhadas situações de violência familiar, a aproximação da população ao novo centro de saúde, bem como a formação de líderes (aproveitando os que já se encontram a trabalhar na paroquia).

 Aqui deixamos um vídeo sobre o projeto em Arequipa de nome Ayllu, o nome que se designa a cada grupo familiar de uma comunidade indígena da região dos Andes.

 

FB_IMG_1500746083132.jpg

Já no domingo pudemos receber a nossa família e amigos e juntos celebrar está família que temos. A Paula e a Neuza uma vez mais falaram da sua experiência na comunidade de Lisanga, desta vez não só para LMC's mas para os restantes presentes (familiares e amigos). Seguiu-se a Eucaristia, o almoço convívio e uma tarde animada de músicas, jogos e dança.

FB_IMG_1500746072608.jpg

A todos temos a agradecer a presença (física e/ou em oração). Foi um dia muito bom no qual se fez marcar a presença da união que São Daniel Comboni propôs a todos os povos. É um orgulho pertencer a uma família assim. Estamos juntos na e para a vida.

 

Com amor, Carolina Fiúza

Arequipa, siempre Arequipa

20170625_163143.jpg

 

Encontramo-nos no passado fim-de-semana com a nossa comunidade LMC de Granada para avaliar este ano e programar o ano seguinte. Foi um tempo de descanso, de encontro e de convivência. Pudémos também encontramo-nos de novo com Paula e Neuza, LMC Portuguesas que se encontram em Granada na sua preparação imediata antes de partir para missão. Irão em Agosto para Arequipa, onde estivemos e onde temos o nosso coração.

Paula e Neuza além de aprenderem espanhol (que o falam maravilhosamente bem), estão a conhecer a realidade de Peru e da missão. Encontraram-se com Felix e Antonia, LMC de Barcelona que estiveram vários anos em Huánuco, na serra andina e com Isabel e Gonzalo, os nossos companheiros de missão em Arequipa.

Para nós falar com elas sobre Peru, contar-lhes a nossa experiência, mostrar-lhes fotografias, relembrar tantas pessoas e lugares, tem sido maravilhoso. Falar de Peru e de Arequipa é sempre maravilhoso. Elas vão para Arequipa e, de certo modo, nós também vamos com elas. Oxalá pudéssemos acompanhá-las em carne e osso, mas nós sentimo-nos unidos na missão e na certeza de que somos uma só família.

Estamos certos que este tempo que entregam ao serviço direto do próximo de quem mais necessita vai ser um tempo de alegria. Estamos certos que as vão acolher com tanto carinho como fizeram connosco e que elas vão derramar muito amor e muita entrega. Porque Arequipa quando se mete no coração é para sempre.

 

20170624_2157180.jpg

 

(retirado de Remaradentro e traduzido por Paula Ascensão)